MAPFRE
Madrid 2,198 EUR 0,03 (+1,2 %)
Madrid 2,198 EUR 0,03 (+1,2 %)

SUSTENTABILIDADE| 27.05.2024

 “A experiência intergeracional é fundamental para o desenvolvimento do talento”

Thumbnail user

Cultivar uma cultura "proaging" onde seja fomentada a convivência e o trabalho com equipes multigeracionais é primordial para manter um ambiente de trabalho saudável.

JULIA INAREJOSJulia Inarejos, técnica de Administração e Finanças da MAPFRE RE, que entrou na empresa em 2007 como parte da equipe de recepção, passando posteriormente a fazer parte da área de contabilidade, lugar onde se encontra atualmente após 17 anos de aprendizagens e desafios. Hoje falamos com ela sobre a relevância da cultura integradora nas empresas para aproveitar todo o talento disponível.

A Espanha é um dos países com maior taxa de expectativa de vida. Você acha que se fala suficiente sobre a importância da Diversidade Geracional?

Cada vez se fala mais sobre diversidade geracional e, o mais importante, leva-se muito mais em conta a opinião das pessoas idosas. No âmbito corporativo, as empresas estão sendo conscientes do grande potencial que existe no talento sênior devido à ampla trajetória profissional dessas pessoas. Este grupo é o que mais transmite a cultura e os valores da empresa, levando em consideração a experiência e o conhecimento que você adquire ao longo dos anos. Acho que a conversa sobre a diversidade geracional está cada vez mais presente e isso é algo muito positivo.

Na MAPFRE convivem cinco gerações diferentes e isto enriquece a troca de conhecimentos e experiências. Você se lembra de alguma experiência na qual tenha visto refletida positivamente a cultura integradora da MAPFRE?

Um exemplo claro seria durante a minha participação nos cursos do Centro de Treinamento, onde tive a oportunidade de interagir com colegas que não tinham mais de 40 anos e que mostraram um notável interesse e apoio em relação a mim, oferecendo-me ajuda e orientação constante. Isso me fez sentir integrada ao ver que tinham preocupações de aprendizagem semelhantes às minhas, apesar da diferença de idade. Também percebi um sentimento de admiração por minha energia e entusiasmo para me formar.

Depois disso, aprendi que a convivência intergeracional reflete uma mentalidade aberta ao não estabelecer limitações nem preconceitos baseados na idade.

Além disso, a aprendizagem mútua nos ajuda a ser mais eficientes com nossos clientes, já que os fluxos de comunicação entre as diferentes áreas da companhia são potencializados, assim como a aprendizagem de outras questões técnicas que permitem oferecer o melhor produto e serviço, adaptado às necessidades de cada cliente. Em um ambiente no qual se cultivam as relações pessoais, o desempenho no trabalho é sempre positivo, o que beneficia substancialmente o desenvolvimento do negócio. 

No ano passado, a MAPFRE liderou o ranking de empresas do IBEX 35 com maior compromisso real e de longo prazo em gestão do talento sênior da Fundación Haz. Como você percebe a aposta da MAPFRE por este compromisso? Como faz você sentir isso como funcionária?

É reconfortante testemunhar como a empresa está apostando no valioso potencial que possuem os perfis mais velhos, que apesar de estarem no trajeto final da sua vida profissional, continuam tendo preocupações. Para mim, um dos maiores acertos da MAPFRE é a implementação de um modelo baseado em uma formação contínua, independentemente da idade que você tiver. É uma ferramenta muito necessária para manter nossa motivação em continuar aprendendo, por exemplo, através de seu compromisso com a inovação, oferecendo a todos os funcionários a possibilidade de continuar nos desenvolvendo em competências tecnológicas.

Em que iniciativas, oportunidades ou inclusive na cultura você viu refletido este compromisso com o Talento Sênior?

Uma das iniciativas que me lembro é a organização de jornadas fora do escritório, onde convivemos com funcionários de todas as idades e de diferentes departamentos. Graças à organização dessas reuniões, conheci outros colegas com quem compartilhei experiências e desafios diferentes, o que me deu uma visão geral melhor da empresa. Todos estes eventos fomentam um ambiente claro de colaboração e solidariedade no trabalho. 

Há 17 anos você entrou na empresa, tendo passado por diferentes áreas da mesma. Como sentiu a aposta da MAPFRE na promoção do talento interno independentemente da idade?

Em 2007, entrei na MAPFRE RE como parte da equipe de recepção, onde estive por 10 anos. Em 2018, solicitei a mudança ao departamento de contabilidade depois de ter me formado nesta área ao mesmo tempo em que trabalhava. Isso me permitiu conhecer mais colegas e alcançar meus objetivos profissionais graças à oportunidade que a MAPFRE me proporcionou nesse momento. Promover internamente sempre traz aspectos positivos, já que nos permite descobrir novos mundos e continuar desenvolvendo nossa criatividade.  

Que importância você acha que tem a preparação para a aposentadoria para os funcionários?

Grande parte do meu ambiente está perto da aposentadoria. Preparar-nos para esta importante mudança requer tempo e esforço, já que implica mais do que adaptar-se a um ritmo de vida mais tranquilo. Afinal, vamos enfrentar um novo panorama que abrange diversos aspectos sociais e psicológicos. Na MAPFRE, contamos com programas específicos para isso e, além disso, com o Centro de Pesquisa da Ageingnomics da Fundación MAPFRE, que nos proporciona ferramentas para nos ajudar a enfrentar desafios financeiros e sociais próprios da aposentadoria. 

A experiência é fundamental para o desenvolvimento do talento. O que você gostaria de transmitir aos responsáveis pelos programas do grupo sênior na MAPFRE? E aos seus colegas?

.A experiência intergeracional é fundamental para o desenvolvimento do talento. O esforço que implica organizar iniciativas vale a pena, já que nos permite compartilhar diferentes ângulos de vista e fortalecer nossas relações pessoais, aspectos fundamentais para manter um bom ambiente de trabalho. É importante cultivar um ambiente de colaboração onde todos nos sentimos confortáveis e valorizados. Porque, afinal, o mais importante é sentir-nos felizes e satisfeitos com o nosso trabalho. 

 

ARTIGOS RELACIONADOS: