MAPFRE
Madrid 2,216 EUR -0,02 (-1,07 %)
Madrid 2,216 EUR -0,02 (-1,07 %)

SUSTENTABILIDADE| 24.10.2023

Eduardo Sánchez: “Nosso desafio é oferecer seguros que, além disso, reduzam as lacunas de desigualdade”

Thumbnail user

Antecipar-se aos riscos futuros para impulsionar mais produtos e serviços que, além disso, ajudem a reduzir a lacuna de proteção dos grupos mais vulneráveis e proporcionem maior bem-estar à sociedade, principalmente diante de desafios como a mudança climática ou o envelhecimento populacional. É um dos principais desafios do diretor Atuarial da MAPFRE, com o qual falamos no Dia Internacional Contra a Mudança Climática, celebrado hoje.

Considera que os atuários desempenham um papel fundamental na atividade seguradora porque predizem e estimam os riscos futuros e facilitam a tomada de decisões estratégicas dirigidas a proteger o planeta e cuidar das pessoas. O principal desafio de Eduardo Sánchez (Madri, 1967) é propor soluções inovadoras para a criação de produtos e serviços que também impulsionem a sustentabilidade. Reconhece que é um trabalho desafiador e que desfruta especialmente devido à sua recente nomeação como diretor do Observatório de Sustentabilidade e Mudança Climática do Instituto de Atuários Espanhóis.

EDUARDO SANCHEZ DELGADOQue papel desempenha o atuário em relação à sustentabilidade?

É um trabalho muito desafiador porque não só medimos o impacto do risco associado à mudança climática no seguro, mas também participamos no desenho de produtos e serviços inovadores com um alto componente ambiental e social. Nosso papel, portanto, não é apenas reativo, quantificando o que acontece, mas também proativo, porque propomos soluções que adaptem e mitiguem as consequências da mudança climática, seguros que incentivem a mobilidade sustentável ou que incorporem bonificações para os veículos menos poluentes.

E qual é o impacto associado aos riscos climáticos?

Grande parte da origem do aquecimento global, embora ainda haja alguns agnósticos, procede do efeito antropogênico, resultado da atividade humana. É muito difícil prever de que forma serão traduzidos os riscos e seu impacto final, mas já foi cunhado o conceito de “cisne verde” para se referir a fenômenos climáticos com uma probabilidade de ocorrência muito alta e com um impacto provavelmente irreversível. Um exemplo claro são as ondas de calor. Sabemos que continuarão acontecendo, mas não sabemos o quanto impactarão a médio prazo na mortalidade das pessoas.

Também falamos da pegada social.

É claro. Os efeitos da mudança climática podem chegar a ser muito nocivos para o meio ambiente e para as pessoas, embora ainda não conheçam a severidade desse impacto. Por exemplo, uma das consequências das ondas de calor pode ser a chegada de determinadas doenças e a contaminação dos alimentos, bem como o efeito combinado que isto possa ocasionar. Para descobrir, temos que fazer simulações baseadas em possíveis cenários diante da incerteza da possível evolução da mudança climática. Neste sentido, há estudos em relação às ondas de calor que quantificaram que a mortalidade não está associada apenas ao fato de que estas ocorram, mas também à quantidade e proximidade temporal entre elas. O que também está se manifestando é que as ondas de calor têm um impacto de maior gravidade sobre a saúde das pessoas mais velhas.

Que desafios a mudança climática propõe no âmbito atuarial? 

Enfrentamos uma situação em que as técnicas que utilizamos não são suficientes, motivo pelo qual está evoluindo para uma metodologia que permita combinar as técnicas tradicionais, ou seja, aquelas baseadas na experiência histórica, com outras que simulem possíveis cenários futuros. Desde a nossa atividade, devemos ser ambiciosos na hora de criar seguros que ajudem a mitigar e reduzir os efeitos da emissão dos gases de efeito estufa na atmosfera, como os seguros paramétricos, que são ativados automaticamente quando ocorrem eventos climáticos extremos. Já existem apólices deste tipo que servem para reparar os danos sofridos no coral, por exemplo, como consequência de circunstâncias climáticas severas e que “disparam” automaticamente o pagamento das indenizações e reduzem substancialmente o processo administrativo de gestão do sinistro.

A Espanha é o primeiro país europeu a ter seu próprio Índice Climático Atuarial (ICAE). Que benefícios isso proporciona?  

Falamos de um indicador que tem como objetivo proporcionar à indústria seguradora e ao supervisor uma ferramenta que quantifica o aumento de eventos climáticos extremos na Espanha, que são os que provocam os maiores danos pessoais e patrimoniais. Este índice servirá para proporcionar, ao sistema financeiro em geral e ao setor segurador em particular, um valor objetivo do impacto destes eventos extremos em um nível muito granular e que permitirá medir os riscos associados aos eventos de climatologia extrema. O ICAE constatou como, nos últimos 10 anos, as temperaturas máximas e mínimas registraram valores acima da média, com uma tendência sustentada de aumento. Este fenômeno não é exclusivo da Espanha, mas também foi observado nos Estados Unidos ou na Austrália, onde também é elaborado este índice. 

Em relação à sustentabilidade social, como podem contribuir as companhias de seguros? 

A sustentabilidade, a partir de uma perspectiva social, pode contribuir para reduzir as lacunas de seguro com os grupos mais desprotegidos em algumas modalidades de seguros. Um desses grupos é representado pelas pessoas idosas nas quais observamos uma queda drástica dos níveis de seguro em saúde, derivado do aumento exponencial dos prêmios e da redução de receitas após a aposentadoria. Para atenuar este efeito, estamos trabalhando em diferentes opções de seguro, como, por exemplo, introduzir prêmios nivelados que gerem reservas de envelhecimento ou economia e evitem os aumentos de preço derivados da idade. Outro grupo com reduzido nível de seguro é o das pessoas com baixos níveis de renda e, neste sentido, estamos trabalhando em diferentes países para aumentar seu nível de seguro através de microsseguros que ajudam a proteger a vida, a saúde e o patrimônio de muitas pessoas que carecem de proteção. 

Você acha que, como sociedade, estamos no ritmo desejado para cumprir com a Agenda 2030? 

Neste momento, acho que talvez como sociedade não estejamos avançando no ritmo adequado, mas continuo sendo moderadamente otimista. Para poder cumprir com os objetivos deve existir o máximo compromisso por parte de todos, cada um em seu âmbito de influência. As entidades seguradoras têm muito a dizer para alcançar estes objetivos promovendo mudanças comportamentais dos clientes através de propostas seguradoras inovadoras, atraentes e verdes. Neste sentido, na MAPFRE continuaremos aproveitando os anos restantes desta década de ação da Agenda 2030 para continuar impulsionando ao máximo os 17 ODS. 

E você, como contribui para cuidar do planeta? 

Acho que incorporar pequenas mudanças em nossos hábitos diários pode contribuir muito. Há muito tempo que introduzi na minha rotina classificar os resíduos e agora tenho até quatro lixeiras na minha cozinha. De fato, comecei a fazer isso pelos meus filhos, que me transferiram a importância de reduzir, reciclar e reutilizar, e assim evitar que os resíduos acabem no aterro. Também estou comprometido com a redução de energia e a mobilidade sustentável, e meu próximo carro será híbrido-conectável ou completamente elétrico. Também não uso sacolas plásticas quando faço compras e tento imprimir o mínimo para reduzir o consumo de papel. Como eu disse, são pequenas ações que podem impactar de modo relevante o futuro do nosso planeta. 

 

ARTIGOS RELACIONADOS: