MAPFRE
Madrid 2,228 EUR 0,03 (+1,55 %)
Madrid 2,228 EUR 0,03 (+1,55 %)

SEGUROS| 26.02.2024

Que temores tiram o sonho do setor segurador?

Thumbnail user

Os riscos externos à empresa podem destruir uma demonstração de resultados, desorganizar projeções elaboradas com cautela e colocar em risco a cotação de qualquer empresa. Podem ser riscos macroeconômicos, de mercado ou algo tão em voga e perigoso, como os riscos cibernéticos. Estes são alguns dos desafios enfrentados pela indústria seguradora no futuro imediato, segundo a EIOPA, a Autoridade Europeia de Seguros e Pensões de Aposentadoria.

O risco de mercado ou o que é o mesmo, ou o impacto negativo nos resultados é a principal preocupação do setor no momento. As causas são variadas e, entre as quais aponta a EIOPA, destacam a elevada volatilidade do mercado de renda fixa e uma menor rentabilidade dos investimentos imobiliários do setor segurador.

“A incerteza sobre o momento em que os bancos centrais começarão a relaxar a política monetária é alta e não está ajudando neste sentido. Isso também faz com que o risco de crédito permaneça em um nível amarelo na classificação da EIOPA, devido à possível deterioração do crédito que pode ocorrer ao manter condições de financiamento restritas”, destaca Ricardo González García, diretor de Análise, Estudos Setoriais e Regulamentação da MAPFRE Economics.

As perspectivas — ainda moderadas — de crescimento do PIB e, sobretudo, a tendência de queda da inflação nos últimos meses propiciou que o impacto macroeconômico, embora continue sendo uma das preocupações do setor, tenha diminuído. Nos últimos trimestres, observou-se como as elevadas taxas de inflação disparavam os custos e repercutiam nos resultados do setor. Portanto, a inflação é uma das variáveis a serem observadas, devido ao impacto que pode ter na demonstração de resultados e em um indicador tão relevante para o setor segurador como a taxa combinada.

A digitalização e os riscos cibernéticos, com todas as suas consequências, continuam sendo relevantes, mas parecem ter passado a um plano inferior quanto a preocupações, embora as perspectivas impliquem que este relaxamento seja temporário. As previsões, segundo a avaliação realizada pelos supervisores nacionais de seguros agrupados na EIOPA, apontam para um aumento nos próximos 12 meses deste risco.

A sustentabilidade está cada vez mais imersa em todos os negócios e, logicamente, também no segurador, tanto de forma direta (será difícil — se não impossível — encontrar uma companhia seguradora que não contemple aspectos sustentáveis em seu plano de negócio), como de forma indireta (por meio de investimentos em outras empresas. De fato, cerca de 7% dos bônus verdes em circulação no momento estão nas mãos do setor segurador).

Outros riscos inerentes ao negócio, como os relacionados com o financiamento, a liquidez, a rentabilidade ou a solvência das empresas, são preocupações constantes no setor e que se mantêm ao longo do tempo. De fato, estão constantemente na mira dos gestores e supervisores. São índices essenciais para conhecer a evolução e a saúde do negócio.

Estes são os riscos e vulnerabilidades que tiram o sonho do setor segurador na Europa no momento… mas o profissionalismo comprovado, a solvência e a resposta que o setor deu nos momentos mais difíceis geram tranquilidade e confiança nos clientes. E precisamente, a confiança é a base desta indústria.

 

ARTIGOS RELACIONADOS: