Madrid 1,778 EUR -0,02 (-0,92 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SAÚDE| 24.02.2021

“Cruzar a linha de chegada recompensa todos os esforços da preparação para a maratona”

Thumbnail user

Pablo Lucero, 42 anos, é fundador e treinador do clube esportivo BcnMadTriatlón há 10 anos. Sem dúvida, o risco e a superação fazem parte de sua vida. Com apenas oito anos, Paulo começou a competir no ciclismo. Mais tarde, começou a gostar de futebol e, há alguns anos, saltou de cabeça na piscina dos triatlos. Essa paixão pelo esporte o levou a realizar triatlos, maratonas e corridas de 100 km.

A sua próxima aventura é fazer parte da equipe de treinadores para a campanha Quilômetros de confiança, para a qual estamos à procura de pessoas que queiram superar seus limites preparando-se para uma maratona. Pablo Lucero é um dos especialistas que vai aconselhar, treinar e orientar os participantes neste desafio.

 

Você pode compartilhar conosco alguma história de superação por meio do esporte de alguém que conhece?

Graças ao triatlo, conheci Ramón Arroyo, portador de esclerose múltipla. O filme “100 metros”, protagonizado por Dani Rovira, foi baseado na história dele. É uma história comovente e cheia de superação. Um médico disse-lhe que, em pouco tempo ele não conseguiria andar 100 metros mas, apesar do diagnóstico, acabou competindo em um Ironman. Hoje tenho a sorte de tê-lo como grande amigo.

Realizei recentemente um Half Ironman em Múrcia para levantar fundos para A luta de Abril, uma garota com uma doença que somente cinco pessoas no mundo foram diagnosticadas. O esporte me faz conhecer pessoas maravilhosas com histórias incríveis de superação.

 

O que o esporte tem a ver com confiança?

A confiança é a base da motivação, que é tão importante em desafios esportivos. Todos os grandes atletas têm confiança no seu trabalho, no seu rendimento e dão o melhor de si, mesmo que não se saiam tão bem como esperavam. Porém, sem confiança não há sucesso, não somente nos esportes, em todas as área da vida.

Mesmo que uma pessoa decida começar a correr após alguns anos de sedentarismo, ou tentar terminar a primeira corrida, seja qual for a distância, isso exige muita confiança.

 

Um desafio esportivo pode ajudar a aumentar a autoestima de uma pessoa? 

Claro que sim, o que, a princípio, pode parecer impossível para uma pessoa, com confiança, formação e constância, pode se tornar realidade.

Depois disso, tudo parecerá ao seu alcance. Eu mesmo já experimentei a sensação de cruzar a linha de chegada, ainda que muito longe do meu melhor, e me senti extremamente orgulhoso simplesmente por não ter desistido.

 

Por que é importante ter acompanhamento para superar um desafio esportivo?

Quando comecei no mundo do triatlo, há cerca de 15 anos, eu treinava sozinho e ia para as competições sozinho, mas sentia que faltava algo. Talvez alguém para contar a minha história. Por isso decidi fundar um clube, para que meus colegas pudessem participar da minha trajetória e eu da deles.

Sempre fui um homem de equipe, e acho que estar cercado de pessoas boas fará você ir muito mais longe. Sem dúvida, é sempre mais fácil quando se está acompanhado.

 

O que é mais importante saber para quem está pensando em se preparar para uma maratona?

Que haverá sacrifício, que será difícil, que haverá dias em que você se sentirá cansado e não terá vontade de calçar o tênis… mas acima de tudo, que concluir esse objetivo recompensará todos os esforços. Não é um desafio fácil, mas vale a pena. Com certeza.

 

Como podemos incentivar as pessoas que estão hesitando em dar o primeiro passo? 

Digo para todas as pessoas que gostam de correr que devem experimentar a sensação de cruzar a linha de chegada de uma maratona, porque é incrível. Eu terminei corridas mais longas (de 100 km), mas as distâncias de 42 e 195 km têm algo de especial.

Não hesite, prepare-se bem para a prova, que é exigente e precisa que você chegue preparado. Mas tenho a certeza de que não se arrependerá. Daqui envio muita força para os futuros finishers.

 

Assim que passou a fase mais difícil do confinamento, muitos de nós saímos para a rua para praticar esportes. Estamos dando mais valor à atividade física ao ar livre?

O que mais queríamos fazer no dia do desconfinamento? O que o corpo nos pedia? Para nos mover, ter atividade… nós precisávamos sair para caminhar, andar de bicicleta, para correr…. Nosso corpo falou mais alto e nos disse que precisámos nos mover.

Eu sinceramente acredito que foi revelado que o homem foi feito para correr. Muitas pessoas começaram a ter o hábito de correr ou de caminhar e ainda não desistiram.

 

Em geral, estamos nos cuidando mais?

Penso que sim. Hoje estamos mais conscientes do que há um ano que precisamos ser “fortes” física e mentalmente. Muitas pessoas começaram a treinar ou retomaram os seus treinos após esses meses tão difíceis, e eu estou muito feliz com isso. Adoro conhecer pessoas que decidiram ter hábitos esportivos depois da pandemia.

A verdade é que muitos estudos científicos afirmam que a atividade física secreta diferentes hormônios (serotonina, dopamina, endorfinas etc.) que influenciam diretamente nosso humor e, portanto, nosso bem-estar físico e psicoemocional.