Madrid 1,86 EUR 0,03 (+1,75 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M
TRANSFORMAÇÃO| 17.03.2021

Iris Córdoba: “A tecnologia democratizou o acesso ao esporte e ao bem-estar”

Marta Villalba

Marta Villalba

Reconhecida duas vezes como uma das mulheres mais influentes nos esportes, Iris Córdoba (Buenos Aires, 1975) tem testemunhado o grande aumento da presença feminina na indústria, desde a sua perspectiva, como diretora do Global Sports Innovation Center powered by Microsoft (GSIC).

Nesse centro, que funciona com uma filosofia de cluster empresarial sem fins lucrativos, ela dá o exemplo e tenta proporcionar a maior visibilidade às mulheres por trás das empresas que fazem parte do seu ecossistema. Em 2015, quando o GSIC foi inaugurado, ela foi convidada a participar de eventos para “dar um toque feminino”. Hoje, ela nunca participa de eventos que não contam com a participação de outras mulheres. “Seja no esporte ou fora dele, precisamos inspirar as meninas a chegar onde quiserem.”

Ao mesmo tempo que a presença das mulheres aumentou, a responsável pelo GSIC também viveu a evolução da tecnologia relacionada com o esporte, e é parte ativa desse movimento. Seu objetivo: tentar “reduzir a lacuna entre grandes e pequenos, e criar oportunidades e novos modelos de negócio nessa indústria”. Tanto em nível empresarial quanto esportivo.

Nesta linha, e da mesma forma como acontece em muitos outros setores, o Big Data é utilizado para medir o desempenho e tomar decisões com base nos dados. Em relação aos negócios, está orientado para a própria gestão do esporte (relação com patrocinadores e torcedores, venda de direitos etc.), a fim de crescer por meio do engagement (compromisso) com diferentes ações.

A transformação digital, explica, possibilita a geração de novas fontes de receita e a melhora na relação com os torcedores, podendo oferecer mais experiências (e personalizadas), bem como conhecer melhor os seus gostos: o que, como e onde consomem. “Hoje, o torcedor é multidispositivo. Quando assiste ao jogo em um tablet, um smart watch ou suas redes sociais, é um gerador de conteúdos. Assim, poder conhecer as suas preferências vai nos permitir fidelizá-lo. E, ao mesmo tempo, oferecer informações aos nossos patrocinadores e, aumentar o valor da nossa relação com eles, mas também simplificar e agilizar os processos cotidianos em uma entidade esportiva”, observa Iris Córdoba.

 

“A tecnologia democratizou o acesso, não é mais algo exclusivo para os clubes de primeira classe ou para o atleta profissional”
Adaptação à Covid-19: para impedi-la e como alternativa aos ginásios

Inevitavelmente, a pandemia nos obrigou a integrar tecnologias para tentar evitar contágios e garantir a segurança. Uma das tarefas do GSIC foi detectar soluções para apoiar as entidades esportivas com tecnologias já existentes.

Assim, técnicas de machine learning e de visão artificial, já utilizadas em sistemas como a videoconferência (VAR), com biometria facial permitem conhecer, por exemplo, quem está usando máscara. Outras soluções com câmaras termográficas servem para medir a temperatura, prevenir lesões e medir o distanciamento social em um estádio ou em uma piscina.

Iris Córdoba afirma que o confinamento impulsionou tudo o que está relacionado com o bem-estar: “a tecnologia democratizou o acesso, não é mais algo exclusivo para os clubes de primeira classe ou para o atleta profissional. Hoje muitos têm um smart watch que conta os passos ou uma camisa com tecido de secagem rápida; ou ainda, vamos para a academia cujo acesso é permitido com um cartão, reservamos aulas em um aplicativo, temos uma plataforma para acompanhar o professor etc. Isso tudo cria oportunidades para que a inovação e a tecnologia cheguem, desde o básico até a área de bem-estar e wellness, em termos de saúde e de prática de esportes em geral”.

Além disso, o auge do bem-estar on-line e de fitness no celular chegaram para ficar: entre 60 e 80% dos consumidores norte-americanos afirmam que, provavelmente, continuarão utilizando seus dispositivos para treinar depois da pandemia, de acordo com um estudo da McKinsey.

Como diretora de um centro especializado que é o ponto de encontro entre agentes de tecnologia e de esporte, Iris Córdoba vê a realidade virtual e a realidade aumentada como duas aliadas para o futuro, tanto para treinar com o objetivo de melhorar o desempenho, quanto para experiências de entretenimento sem sair de casa. Ao associar realidade virtual com streaming é possível acompanhar uma competição esportiva em tempo real no sofá de casa ou com um amigo. “Essas tecnologias avançaram muito caminho em termos de implantação e monetização.”

Além disso, no GSIC foram realizados diversos projetos para tornar o desporto mais inclusivo na prática e também na experiência dos torcedores. Entre eles, há um para que pessoas com deficiências visuais possam acompanhar um jogo com braille no tablet. Ou que pessoas com autismo ouçam a partida sem a habitual agitação do público em qualquer estádio, em salas adaptadas às necessidades. “Existem muitas opções inclusivas para que todos possamos sentir a emoção e os valores que o esporte nos oferece.”