MAPFRE
Madrid 2,13 EUR -0,01 (-0,37 %)
Madrid 2,13 EUR -0,01 (-0,37 %)

SUSTENTABILIDADE| 24.11.2023

A reciclagem como via para um mundo mais sustentável

Thumbnail user

No mundo são gerados mais resíduos do que os reciclados, um dado preocupante se considerarmos que a maioria dos resíduos acabam em aterros, uma fonte importante de poluição ambiental. Hoje te explicamos a importância de como um simples gesto pode contribuir para mudar o mundo.

Estima-se que a cada ano são gerados 11 bilhões e 200 milhões de toneladas de resíduos sólidos no mundo todo. Hoje em dia, apenas se recicla 9% do plástico produzido, enquanto 12% são incinerados e os 79% restantes acumulam-se em aterros sanitários, lixeiras ou diretamente são derramados no meio ambiente.

Durante a década de 2010, a quantidade de resíduos gerados em nível mundial aumentou de 5,3 para 7,3 kg per capita por ano, enquanto a reciclagem ecologicamente racional desses resíduos aumentou de 0,8 para 1,3 kg per capita por ano, portanto, nos últimos 13 anos geramos mais resíduos do que reciclamos.

A importância de reciclar

A reciclagem é benéfica por várias razões. Em primeiro lugar, ao reciclar materiais como papel, plástico, vidro e metal, reduz-se a quantidade de resíduos que acabam nos aterros, o que ajuda a reduzir a quantidade de espaço necessária para os aterros sanitários e prolonga sua vida útil. Também ajuda a conservar os recursos naturais, já que, por exemplo, ao reciclar papel, reduz-se a necessidade de cortar árvores, o que, por sua vez, ajuda a conservar os bosques e a vida selvagem que depende deles. Da mesma forma, ao reciclar metais e plásticos, diminui a necessidade de extrair e processar novos recursos naturais para fabricar produtos.

A reciclagem também pode ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Ao reciclar materiais, evita-se a necessidade de fabricar novos produtos a partir de matérias-primas, o que, por sua vez, reduz a quantidade de energia necessária para produzir e transportar tais produtos. Ao atenuar o consumo de energia, reduzem-se as emissões de gases de efeito estufa relacionadas com sua produção.

Por que devemos separar corretamente os resíduos?

Reciclar reduz a quantidade de resíduos que acabam nos aterros, sem dúvida uma grande fonte de poluição ambiental onde são emitidos gases de efeito estufa, como o metano, que contribuem para o aquecimento global. Além disso, os resíduos podem se filtrar no solo e nas águas subterrâneas, o que pode contaminar o fornecimento de água potável e afetar negativamente a saúde pública.

Outro inconveniente dos aterros sanitários é que ocupam muito espaço. À medida que a população e a produção de resíduos continuam crescendo, são necessários mais e mais espaços para depositar os resíduos. A expansão dos aterros sanitários pode ter um impacto negativo no meio ambiente local, como a degradação da qualidade do ar e a diminuição da biodiversidade.

Finalmente, reduzir a quantidade de resíduos que acabam nos aterros também pode ajudar a conservar os recursos naturais. Ao reduzir a quantidade de resíduos enviados aos aterros, reduz-se a necessidade de produzir novos produtos a partir de matérias-primas. Isto, por sua vez, ajuda a conservar os recursos naturais como as florestas, os oceanos, a água e os minerais.

Os países com melhores índices de reciclagem

Apesar de a maioria dos países realizarem esforços significativos no âmbito da reciclagem, continua existindo alguns que não aplicam este tipo de políticas verdes tão necessárias. Entre os que se destacam por suas boas práticas e políticas, temos os seguintes:

  1. Alemanha: é um dos líderes mundiais em reciclagem, com uma taxa de 68% no último ano graças às estritas normativas que estabeleceu em 1991 e que mudaram a maneira de realizar a reciclagem e de pensar das empresas e da população. 
  1. Suíça: tem uma taxa de reciclagem de 52% e implementou políticas muito eficazes para incentivar a reciclagem e reduzir os resíduos. Além disso, o que não se recicla é utilizado para gerar energia, aproveitando assim todos os resíduos que geram. 
  1. Áustria: conta com uma taxa de reciclagem de 63%, graças a seus centros de pesquisa e inovação, este país foi pioneiro na implementação de um sistema de gestão de fluxos de materiais que reutiliza a maioria dos resíduos e os converte em matéria-prima. 
  1. Coreia do Sul: implementou políticas muito eficazes para promover a reciclagem e a gestão de resíduos, e tem uma taxa de reciclagem de 59%. Suas políticas se baseiam na conscientização e educação da população, mas não apenas dos residentes, mas também dos turistas que recebem um guia de boas-vindas onde são explicados onde os resíduos devem ser classificados corretamente e como fazer isso. 

As indústrias mais comprometidas

Em geral, a maioria das indústrias está adotando práticas de reciclagem e sustentabilidade como parte de sua estratégia empresarial e compromisso com a sustentabilidade.

Uma das indústrias que mais recicla é a do papel, seguida pela construção, focada em aumentar a reciclagem de materiais de construção e demolição, como cimento, asfalto, metal e madeira, materiais que podem ser utilizados em novos projetos. Outras indústrias que aumentaram seus esforços de reciclagem são a do automóvel, onde estão sendo utilizados materiais reciclados na fabricação de novos veículos; e a têxtil, onde cada vez mais utilizam materiais reciclados para a fabricação de roupas e outros produtos têxteis.

Como contribuímos na MAPFRE?

A MAPFRE aspira a tornar-se uma empresa de referência em economia circular, que, segundo a entidade, permite gerar oportunidades de negócio ao mesmo tempo que se protege o meio ambiente e a sociedade. O Grupo promove o consumo responsável de recursos, bem como a redução, reutilização e a reciclagem de restos, diminuindo assim o depósito no aterro sanitário. Realiza, além disso, ações para combater o desperdício alimentar e contrata gestores com modelos de negócio que vão em consonância com os princípios de circularidade. Destaca, além disso, o fato de ter eliminado todas as garrafas e copos de plástico descartáveis, graças ao projeto ‘MAPFRE Sem Plásticos’.

No ano passado, gerou um total de 3.318 toneladas de resíduos em todo o Grupo, das quais, 3.071, 93% do total, foram submetidas a processos de valorização, isto é, de recuperação, reciclagem e produção de energia. 

Entre suas principais etapas em 2022, destaca ter evitado o consumo de 191 toneladas de papel graças à assinatura eletrônica biométrica, uma medida com a qual evitou a emissão de 166,75 TmCO2eq na Espanha e em Portugal, bem como ter tratado um total de 1.847 veículos fora de uso, dos quais recuperou 54.485 peças para reutilização em diferentes mercados, graças ao CESVIMAP, Centro de Experimentação e Segurança Viária MAPFRE. Este centro tecnológico global está especializado na reparação e reciclagem de veículos, entre outros serviços, e é uma referência em como se desfazer dos veículos de uma maneira sustentável, alongando a vida das peças, facilitando a reutilização de matérias-primas, como o plástico e o vidro, e reduzindo o consumo de energia.

ARTIGOS RELACIONADOS: