MAPFRE
Madrid 2,228 EUR 0,03 (+1,55 %)
Madrid 2,228 EUR 0,03 (+1,55 %)

SUSTENTABILIDADE| 02.06.2023

Nunca houve um melhor momento para a bicicleta

JESUS MONCLUS

Jesús Monclús

Diretor da Área de Prevenção e Segurança Viária da Fundación MAPFRE

Olá, meu nome é Jesús e sou ciclista. Na verdade, só um pouco, ou muito pouco, já que minhas “façanhas” se reduzem a tentar chegar ao escritório de bicicleta pelo menos dois ou três dias por semana, e reconheço que nem sempre consigo. No resto dos dias, venho de ônibus (admito, sou um privilegiado e tenho uma linha de porta a porta) ou no meu carro quando tenho que fazer passeios fora da cidade ou na companhia de outras pessoas (nesse caso também sou, já que faço isso principalmente no modo elétrico).

Por que venho de bicicleta ao trabalho? Acho que o principal motivo é porque acredito que é uma excelente maneira de mover-se: limpa, sustentável e de grande ajuda para fazer algum exercício, mesmo que não seja todo o necessário. O segundo, porque a bicicleta, tendo uma massa muito inferior à do automóvel, representa um risco muito menor para outros utilizadores vulneráveis ​​(pedestres, outros ciclistas, etc.). Também porque acredito que é preciso dar o exemplo, e a integridade significa fazer o que se diz. Ah, a propósito, o dia que demorei menos para chegar ao trabalho, vim de bicicleta.

O que mudaria ou melhoraria na hora de usar a bicicleta? Sem dúvida, o comportamento dos usuários motorizados que, muitas vezes estão impacientes para chegarem antes ao próximo semáforo vermelho ou que se acham com mais direito do que outros a usar o espaço de todos e que não respeitam os ciclistas. E um maior número de ciclovias, embora nisso também estejamos melhorando de modo substancial.

A aposta da Fundación MAPFRE pela bicicleta é clara, sempre foi. Às nossas tradicionais oficinas de circulação segura de bicicleta, adicionaremos neste próximo ano escolar 23-24 uma deslumbrante nova caravana de mobilidade segura, saudável e sustentável baseada neste veículo de duas rodas. Com a Prefeitura de Madri, estamos apoiando oficinas de uso e manutenção de bicicletas em colégios da capital. Em breve lançaremos nossos novos módulos de formação on-line para trabalhadores e trabalhadoras, onde se inclui um módulo específico para ciclistas e outro geral onde se incentiva seu uso. Estamos colaborando no primeiro estudo, CycleRAP, que vai comparar internacionalmente a segurança de diferentes tipos de “ciclovias” e estivemos impulsionando ao longo do ano passado os primeiros números da nova revista Andar de bicicleta.

E, é claro, continuamos insistindo no uso imprescindível das roupas de alta visibilidade e, sobretudo, do capacete de ciclistas, impassíveis diante daqueles que nos acusam de, com isso, querer ter medo e dissuadir o uso da bicicleta. Aliás, a Diretoria Geral de Trânsito acaba de divulgar as primeiras estimativas a nível nacional do uso do caso na Espanha, que, na minha opinião, são esperançosas e encorajadoras para os ativistas da proteção contra lesões cranianas e cerebrais: 90% em estradas convencionais, sendo o valor mais alto de todos os países europeus com dados disponíveis, e de 33% em vias urbanas, um valor relativamente intermediário (no caso de Barcelona, em 2022, o RACC constatou 47% de uso nessa cidade).

Mais ciclovias nas nossas cidades, mais empatia entre os usuários das vias, uma estratégia estatal pela bicicleta, ajudas de até 50% do custo de aquisição de bicicletas elétricas oferecidas pelas Comunidades Autônomas e prefeituras, possibilidade de escolher entre bicicleta convencional ou elétrica… acredito que podemos dizer que nunca houve um momento tão propício para a bicicleta. É uma questão de aproveitá-lo no nosso dia a dia, ou nos dias em que pudermos e, especialmente, no dia 3 de junho proclamado pela mesma Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas como o Dia Mundial da Bicicleta.

 

ARTIGOS RELACIONADOS: