Madrid 1,76 EUR -0,07 (-3,83 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE | 31.05.2021

Laura Fernández: “A tecnologia é como qualquer outro estudo, é uma questão de querer aprender”

Marta Villalba

Marta Villalba

Laura Fernández (Barcelona, 1986) seria uma cineasta, mas o empreendedorismo, a tecnologia e a educação cruzaram seu caminho. Depois de observar uma profunda lacuna de gênero e realizar uma oficina de experiências tecnológicas de sucesso somente para mulheres, há três anos ela foi cofundadora da allWomen Academy, o primeiro campus em Data Science, Product Management e UX/UI Design por e para mulheres. 

É uma iniciativa que visa quebrar barreiras e eliminar estereótipos quando se trata de mulheres e tecnologia. Os números da UNESCO revelam que apenas 35% dos estudantes matriculados em carreiras nas áreas STEM no ensino superior são mulheres.  

“Quando uma mulher estava considerando uma carreira na tecnologia, eu dizia ‘não é para mim ou vai ser um ambiente masculino ou é muito difícil ou é muito nerd e o que estou fazendo aqui’. Queríamos remover todas essas barreiras, criar um espaço para nos sentirmos fortalecidas, construir uma comunidade e relações profissionais com outras mulheres para finalmente nos mostrar que a tecnologia é como qualquer outro estudo, é uma questão de querer aprender”, diz Laura Fernández.

Inicialmente planejada para funcionar de maneira presencial, a pandemia mudou a dinâmica deste centro educacional específico para mulheres em direção ao treinamento virtual. Laura Fernandez diz que tudo on-line lhes permite ter alunas de qualquer parte do mundo, e isso, no fim das contas, também “traz riqueza para o modelo”.

A allWomen Academy já treinou até agora quase duzentas alunas, a maioria delas entre 25 e 38 anos. Algumas sem experiência de trabalho e outros com ela, que veem a oportunidade de se atualizar e mudar seu setor com ferramentas e disciplinas tecnológicas e digitais. Todas as matérias são ensinadas em inglês.

Meninas de todas as nacionalidades europeias, bem como dos Estados Unidos e até mesmo uma menina da Índia vieram estudar nessa escola virtual. “O interessante é que elas vêm de todos os setores, desde finanças até design, arquitetura, jornalismo ou marketing. Elas percebem que acrescentar essa camada tecnológica ao seu perfil original agrega valor e lhes permite subir um nível em sua carreira profissional”.

Enquanto estudar para uma graduação traz vantagens para uma especialização posterior na allWomen Academy, “não importa se você não vem da tecnologia, você pode aprender. No final, é tempo e esforço, e tudo é possível”. E você aprende não só habilidades técnicas, mas também habilidades interpessoais ou soft skills. Ao longo do curso eles desenvolvem vários projetos e, tangencialmente, trabalham “a confiança, a oratória, persuasão, análise, exposição e síntese e trabalho em equipe”.

Para a CEO desta academia única, um dos grandes problemas para avançar em direção à igualdade de gênero nas carreiras técnicas é que os papéis masculino e feminino estão muito bem definidos. “As referências das mulheres na ciência e na tecnologia não são visíveis nos livros didáticos. Outro erro é pensar que a tecnologia é complicada e dizer que não vai conseguir aprender. Isso tem que ser descartado. Um engenheiro não nasceu engenheiro, ele aprendeu, nós temos a mesma capacidade de aprender”.

Laura Fernández enfatiza a importância do digital, sendo um setor do presente e do futuro. “Está movendo a economia e é importante que as mulheres se posicionem em indústrias poderosas que podem gerar oportunidades profissionais relevantes”. Além disso, a demanda por profissionais de TI (Tecnologia da Informação) supera a oferta: a Comissão Europeia estimou em 2019 que meio milhão de empregos relacionados às novas tecnologias não seriam preenchidos até 2020 na União Europeia.

Aqui estão algumas dicas sobre quais são as profissões com mais futuro, na análise da CEO de allWomen: “Qualquer coisa que tenha a ver com análise de dados, porque estamos cada vez mais coletando dados sem parar. Desenvolvimento de software, porque para qualquer coisa precisamos de pessoas que estejam desenvolvendo esses produtos. Qualquer coisa relacionada à segurança cibernética, porque no final das contas tudo está superconectado. E tudo relacionado ao usuário e à experiência do usuário”.

A diretora da allWomen Academy se mostra otimista sobre o fato de que as empresas estão fazendo um esforço para superar a lacuna de gênero. No entanto, ela acha que algumas equipes consolidadas não são diversas. Algo em que ela e sua equipe estão trabalhando por meio de treinamento e criando um círculo para melhorar estes números e esta realidade. Ela acha “super importante, urgente e relevante que haja diversidade e paridade, porque todos nós vamos contribuir com visões diferentes, desde nosso ponto de vista mais pessoal até como parte de um coletivo”.

Entre os próximos desafios da cofundadora da allWomen Academy está a geração de uma comunidade maior e o trabalho de acessibilidade para torná-la o mais inclusiva possível, de modo que todas as mulheres que queiram treinar possam fazê-lo. Ela incentiva meninas e mulheres a estudar em carreiras tecnológicas não apenas “como um desafio pessoal e intelectual”, mas também porque é um “setor futuro super empolgante, muitas coisas estão sendo construídas e idealizadas que ainda não imaginamos, super criativas e ligadas à realidade e às questões sociais”.