Madrid 1,86 EUR 0 (0,22 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Publicação de resultados 1T 2021
29 de abril de 2021

Consulte a documentação financeira publicada

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE| 02.12.2020

Porque ficar de braços cruzados não é uma opção

Marta Villalba

Donal Ruane

365 dias atrás, pedimos que você fizesse algo. Qualquer coisa. Porque ficar de braços cruzados não é uma opção.

Os fatos: as mudanças climáticas aquecem os oceanos e derretem as calotas polares, causando elevação do nível do mar.

As consequências: A elevação do nível do mar significa que mais de 570 cidades costeiras estão em perigo, assim como a vida de mais de 800 milhões de pessoas que as habitam.

Os fatos: As mudanças climáticas contribuem significativamente para a extinção de espécies. Um terço dos corais, mamíferos e um quinto de todos os répteis, bem como um sexto de todas as aves estão em perigo de extinção.

As consequências: em vez de perder cinco ou dez espécies de animais por ano, atualmente perdemos dezenas todos os dias.

Os fatos: A mudança climática é consequência da emissão de quantidades insustentáveis ​​de CO2 na atmosfera. Em maio de 2019, os níveis de CO2 atingiram 415 partes por milhão. Sem entrar em detalhes sobre a metodologia por trás desse cálculo, pare e pense por um momento no número que é considerado seguro: 350 partes por milhão.

As consequências: o cérebro os humano ativa nossos músculos respiratórios 20.000 vezes por dia, trocando 500 mililitros de ar a cada respiração. O problema é que o ar que respiramos não é limpo e, embora nossos corpos tenham se adaptado para se defender contra alguns dos poluentes do ar, eles não podem expelir todos eles. Isso significa que algumas partículas nocivas se acumulam em nosso corpo, causando pequenas inflamações que prejudicam nossa saúde.

Os fatos: A mudança climática produz mais desastres naturais, com maior frequência e intensidade.

As consequências: o número de incêndios florestais e secas dobrou nos últimos quarenta anos. Inundações e chuvas torrenciais dobraram desde 2004, e as secas se tornaram mais severas. Além do impacto humanitário, as secas reduzem a produtividade dos agricultores e causam problemas de escassez de alimentos.

 

Neste ponto, temos sua atenção?

Se você leu até aqui, pode estar pensando que há pouca esperança de resolver a situação e que o dano é irreversível. Mas não é verdade: há esperança e há tempo para agir. Mas apenas se fizermos um esforço real e agirmos agora.

 

Por onde você pode começar?

Dê uma olhada nestes vídeos curtos para descobrir o que você pode fazer para combater as mudanças climáticas. Tanto no transporte, como em sua casa, como na sua faceta de consumidor, há uma série de pequenos gestos que estão em suas mãos. Você não pode mudar o mundo sozinho. Mas juntos, hoje, podemos mudar o futuro.

 

Em 2 de dezembro de 2019, há exatamente um ano, Madri inaugurou a COP25, a Conferência do Clima das Nações Unidas, que aconteceu na capital espanhola por duas semanas após ter sido transferida do Chile.

Primeiro, vamos esclarecer dois acrônimos que são importantes para entender:

UNFCCC: ​ Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

Este órgão foi criado em 1992 e ratificado por 196 países mais a União Europeia. Seu objetivo é desenvolver estratégias conjuntas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, a fim de prevenir os impactos perigosos das mudanças climáticas.

COP: Conferência das Partes, o órgão supremo da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

Esta é a reunião anual da UNFCCC para negociar uma variedade de tópicos, desde relatórios globais sobre os esforços das nações contra as mudanças climáticas até como financiar esses esforços. Também permite que as partes compartilhem conhecimentos e experiências.

Na abertura do evento, o Secretário-Geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, perguntou aos presentes: “Vocês querem mesmo ser lembrados como a geração que enterrou a cabeça na areia?”

Nas duas semanas seguintes, e em paralelo a uma série de protestos de cidadãos, a cidade de Madri acolheu 27.000 delegados de todo o mundo enquanto tentavam lançar as bases para a implementação do Acordo de Paris (COP21). O acordo estabeleceu a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, a fim de evitar os efeitos potencialmente catastróficos das mudanças climáticas.

Apesar de ser a conferência mais longa que podemos lembrar, levando dois dias a mais do que o planejado, a COP25 não foi considerada um sucesso. Embora seja verdade que um grupo de países, incluindo os da União Europeia, o Reino Unido e outros menores, se propôs a tomar medidas mais ambiciosas, como uma maior redução das emissões, não foram apoiadas por outros países altamente poluentes.

Essa discórdia serve para ilustrar como as posições fragmentadas tendem a ser nessas conferências. Muitos observadores apontam esta conferência como uma das reuniões mais burocráticas e fúteis dos últimos anos, com horários bloqueados por atos formais e atrasos que desperdiçam um tempo precioso.

Talvez ironicamente, enquanto os representantes de cada nação membro não conseguiram chegar a um acordo relevante, a COP25 foi bem-sucedida em termos de conscientização: durante a conferência de duas semanas, protestos civis ordenados atingiram um ápice febril em todo o mundo em níveis não lembrados desde o Acordo de Paris em 2015.

A reação da opinião pública à falta de progresso e de compromissos reais por parte dos representantes políticos refletiu a verdadeira natureza da emergência climática: está em nossas mãos agir no nível individual se quisermos conter os piores impactos das mudanças climáticas, que ameaçam a vida como a conhecemos.

Então faça algo. Qualquer coisa. Porque não fazer nada não é uma opção.