MAPFRE
Madrid 2,13 EUR -0,01 (-0,37 %)
Madrid 2,13 EUR -0,01 (-0,37 %)

SEGUROS| 12.05.2023

O seguro, motor imprescindível para o desenvolvimento da sociedade

Thumbnail user

Nova York. Há muitos anos. Uma cidade totalmente diferente da que conhecemos hoje, mas talvez não tão diferente.

O jornalista e escritor Giovanni Papini observa entusiasmado e admirado o Empire State, que na época era o arranha-céu mais alto do mundo. Ao seu lado, Henry Ford, que se dirige a ele:

  • “O que está fazendo aqui sozinho, Sr. Papini?”
  • “Estava contemplando a cidade”, respondeu ele, “e não posso acreditar que os homens tenham sido capazes de construir tudo isso”.

Henry Ford se aproximou do escritor e disse em um tom quase confidencial:

  • “Você está enganado. Esta cidade não foi feita por homens. Ela foi feita por um seguro.”

Papini faz um gesto de estranheza e Ford acrescenta:

  • “Sem os seguros não teríamos arranha-céus, porque nenhum homem ousaria trabalhar a tais alturas, correndo o risco de se matar e deixar sua família desamparada. Sem seguros, nenhum homem de negócios investiria seus milhões para construir um edifício como este, que uma única faísca pode reduzir a cinzas. Sem seguro, ninguém dirigiria nestas ruas, sabendo que a qualquer momento poderia ter um acidente. E isto não acontece apenas nos Estados Unidos. É o mundo inteiro que descansa sobre a base do seguro. Sem eles, cada homem guardaria seu dinheiro sem investi-lo em qualquer lugar por medo de perdê-lo, e a civilização teria chegado a uma paralisação virtual na barbárie.”

Esta é uma anedota e não sabemos se é real ou não. Mas poderia ser a sequência de um filme que valorizasse a importância da indústria seguradora.

O seguro é muito mais do que uma apólice paga com a intenção, sempre, de nunca ter que utilizar seus serviços. Embora também seja verdade que quando se tem a necessidade de recorrer ao seguro é quando realmente descobre o investimento que realizou.

O seguro é uma das bases do desenvolvimento econômico e social da civilização. E prova disso é que não foi inventado há um século, nem dois, nem três. A origem do seguro deve ser buscada no ano de 2000 aC. na Babilônia. Ali, sob o conceito de solidariedade mútua, os comerciantes começam a interiorizar que o dano sofrido por uma caravana atravessando o deserto deve ser assumido entre todos, porque se não significaria a ruína daquele que tivesse a má sorte de sofrer um acidente nesse momento. O conceito de confiança, que é a base do seguro atual, já está aí. Começa a germinar e se manterá ao longo dos séculos chegando até hoje. Primeiro foi uma caravana, depois os barcos, os edifícios… e hoje são satélites, drones, responsabilidade por uma negligência. Hoje praticamente qualquer coisa pode ser segurada.

O seguro se tornou amortecedor diante de acontecimentos adversos, já que é a “varinha mágica” que consegue minimizar esse impacto negativo ou imprevisto e permite que a atividade econômica, a vida das pessoas continue e, além disso, tem um efeito psicológico, já que proporciona tranquilidade e reduz o medo diante da incerteza.

Além destas considerações, há dados objetivos que demonstram a contribuição desta indústria na economia. O peso do setor segurador em nível mundial representa mais de 7% da riqueza mundial, o que significa que os prêmios – isto é, o que um cliente paga pelo seu seguro – chegaram em 2021 a quase 7 trilhões de dólares. Um número desdenhável: é o Produtor Interior Bruto (PIB) da Espanha, Itália e França juntas. Longe de ser uma das indústrias que em épocas de crise, como a que estamos vivendo, reduz sua importância, o seguro continua aumentando precisamente. 

O seguro também representa um papel importante como investidor, tanto em empresas privadas quanto em dívidas dos países. Porque as seguradoras não guardam o dinheiro que recebem de seus clientes, mas sim o investem, transformando-se em uma engrenagem do sistema econômico e produtivo, permitindo financiar tanto as empresas como as Administrações Públicas. Somente o investimento em dívida pública do seguro europeu ultrapassa 2,5 bilhões de euros, um valor similar ao que canalizam para investimentos em empresas privadas, impulsionando assim seu desenvolvimento, crescimento e inclusive, em alguns casos, também a internacionalização dessas empresas. Mas não são o único destino dos investimentos da indústria seguradora. Imóveis ou investimentos alternativos também se beneficiam deste impulso da indústria como gerador de confiança para outras atividades.

O seguro, fonte de emprego não só de forma direta. Na Espanha, mais de 50.000 pessoas trabalham em companhias seguradoras, com uma porcentagem de emprego fixo superior a 95%, um grau de estabilidade que provavelmente não terá nenhum outro setor da economia espanhola… Mas é que a contribuição desta indústria para o emprego vai além. De forma direta, na Espanha, colaboram mediadores, agentes ou peritos reguladores, por exemplo, o que eleva o número de funcionários diretos desta indústria para mais de 130.000. Mas falta outra que também é muito importante: o emprego indireto gerado por um setor como o segurador. Nomeamos apenas alguns: oficinas, encanadores, pintores, médicos, eletricistas… Milhares e milhares de funcionários se relacionam com a indústria seguradora a cada dia e sua atividade depende em grande parte desta. É impossível saber a cifra exata. Além disso, uma companhia de seguros emprega em seu quadro de funcionários perfis dos mais variados: desde advogados, atuários, físicos até engenheiros de telecomunicações ou matemáticos. A variedade é enorme. 

Poderíamos concluir perguntando se o nível de seguro da nossa sociedade é realmente ótimo. A resposta é não. A MAPFRE Economics criou um índice, denominado GIP (Índice Global de Potencial Segurador) que permite medir a diferença entre o nível ideal de seguro que um país deveria ter e a realidade e o tempo que se estima que essa lacuna demorará a fechar. Logicamente, os países menos desenvolvidos são os que têm maior desproteção e nos quais o potencial de crescimento desta indústria e de melhoria de sua sociedade é maior.

O setor segurador, considerado muitas vezes como a Cinderela das finanças, é, no entanto, um impulsionador da inovação. Foi sempre, mesmo que não tenha sido reconhecido. Alguém imagina hoje que uma seguradora avalie o dano que você sofreu em sua casa porque foi inundada e lhe indenize por isso, mas seja você quem deve procurar todos os operários para que faça as reparações necessárias? Não. Hoje isso é inimaginável. Até poucas décadas atrás isso acontecia. Foi precisamente a MAPFRE quem introduziu na Espanha o conceito de reparação em vez de indenização.

A indústria seguradora adaptou-se rapidamente às mudanças que aconteceram na sociedade. Começaram a surgir carros elétricos, o seguro projetou apólices específicas para este tipo de veículo; se os drones começaram a se tornar uma realidade, terá que existir um seguro para eles. E nestas mudanças que estamos experimentando não podemos nos esquecer da importância que está adquirindo a sustentabilidade no âmbito empresarial. Também não foi estranho ao setor segurador. Investimentos sustentáveis, cuidado com o meio ambiente, transparência, boa governança. Do mesmo modo, o eixo buscado, em qualquer um deles, a indústria seguradora já se posicionou e seu compromisso é, como sempre, real e estável no tempo.

Assim é o seguro, bastante previsível, mas também fonte de riqueza e um impulso para a atividade econômica mundial. Hoje, um mundo sem seguro seria impensável. Foi impensável há 4.000 anos, embora ninguém o chamasse de seguro naquele momento. 

ARTIGOS RELACIONADOS: