Assembleia Geral Ordinária 2024

MAPFRE
Madrid 1,948 EUR 0 (0,1 %)
Madrid 1,948 EUR 0 (0,1 %)

INOVAÇÃO| 26.01.2024

A importância de contar com um seguro para gerenciar os riscos em matéria de proteção de dados

Jose Mendiola Zuriarrain

Jose Mendiola Zuriarrain

Economista, periodista y autor

A proteção de dados deve ser uma prioridade para empresas e cidadãos, tal como reivindicado no contexto do Dia Europeu da Proteção de Dados. O núcleo da normativa vigente nesta área, particularmente do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), vai além da mera adesão aos requisitos legais, impulsionando uma cultura que valoriza e protege a informação pessoal. Ancorada em princípios como a transparência, a minimização de dados e a integridade destes, esta legislação, além de marcar as diretrizes, promove uma ética de privacidade, transformando a proteção de dados pessoais em um eixo central da confiança e de integridade empresarial.

Diante deste panorama, as companhias se encontram diante de desafios significativos. A constante inovação tecnológica, um marco regulatório em evolução, as ameaças emergentes em segurança cibernética e os desafios inerentes à gestão de dados em ambientes na nuvem demandam uma resposta ágil e comprometida. Enfrentar estes desafios não é apenas uma questão de cumprir com a normativa, mas um passo crucial para reforçar a reputação empresarial, forjar relações de confiança com clientes e sócios, e posicionar-se na vanguarda da inovação e da conduta ética no negócio.

A situação da proteção de dados na Europa

Definição e importância da proteção de dados

A proteção de dados representa um conjunto essencial de estratégias técnicas e organizacionais criadas para blindar a informação pessoal contra acessos não autorizados e usos inapropriados. Esta disciplina é determinante para preservar a privacidade e os direitos fundamentais dos cidadãos, cobrindo um amplo espectro de dados (desde a identificação pessoal até dados financeiros e biométricos). Sua normativa e regulação estabelecem um marco seguro para o cidadão em sua relação com o mundo da empresa e as organizações.

Uma revisão do RGPD: impacto e desafios

O RGPD europeu se consolidou como uma referência na proteção de dados, estabelecendo um marco consistente e unificado para todos os países da União. Este regulamento visa garantir a transparência, garantir o consentimento informado dos usuários e garantir os direitos individuais, incluindo o direito ao esquecimento e a portabilidade dos dados. A aplicação do RGPD incentivou as organizações a analisar atentamente a gestão da informação e a melhorar suas práticas de gestão de dados, promovendo assim uma cultura de privacidade e segurança destes.

Não obstante, a adaptação ao RGPD apresenta desafios notáveis: as organizações enfrentam o desafio de lidar com um ambiente normativo complexo e em constante evolução, o que requer adaptar seus processos operacionais para garantir o cumprimento total das normas. Além disso, a natureza dinâmica dos dados na Internet, junto com o desenvolvimento de novas técnicas de coleta e análise, adicionam uma dificuldade adicional para a aplicação efetiva da normativa.

Além da União Europeia e diferentemente do enfoque do RGPD – centrado na proteção de dados como um direito intrínseco -, regulamentos como a Lei de Privacidade do Consumidor da Califórnia (CCPA) dão maior ênfase à transparência das operações comerciais e concedem aos consumidores maior controle sobre o uso de seus dados pessoais.

O Papel das Autoridades de Proteção de Dados

As Autoridades de Proteção de Dados desempenham um papel vital em garantir a adesão ao RGPD e a legislações relacionadas. Seu trabalho implica não só a supervisão e orientação, mas também a imposição de sanções em situações de descumprimento. Estas entidades são fundamentais na clarificação da normativa, proporcionando diretrizes precisas para sua implementação efetiva e solucionando as dúvidas e os conflitos que surgem no complexo âmbito da proteção de dados.

Os desafios das empresas na proteção da informação

Em um mundo cada vez mais globalizado, as empresas enfrentam desafios de cibersegurança que vão além de aspectos técnicos, e que alcançam o âmbito geopolítico e estratégico. Neste sentido, a proteção da informação se tornou uma prioridade estratégica que alcança (ou deveria alcançar) todas as áreas de uma organização. A gestão efetiva da cibersegurança requer uma visão integral das ameaças e regulamentações a nível internacional que limitem as possíveis lacunas.

Atualmente, as organizações são ameaçadas por uma ampla gama de riscos, que vão desde possíveis falhas humanas até vulnerabilidades na cadeia em aspectos técnicos. Assim, é fundamental promover uma cultura empresarial que aumente a proteção de dados em primeiro plano, aplicando tecnologia de vanguarda junto com políticas de conscientização e formação contínua, e normativas de segurança claras. A segurança cibernética deve ser considerada um componente essencial da estratégia empresarial, focando em prevenir, detectar e responder de maneira eficiente aos incidentes, garantindo assim a integridade da informação em um panorama cada vez mais cheio de desafios.

O caso da MAPFRE: como um ciberataque foi efetivamente frustrado

A MAPFRE foi vítima de um ciberataque em grande escala mediante ransomware que colocou à prova os sistemas de segurança cibernética da companhia. A detecção precoce facilitou a rápida ativação de uma equipe de crise multidisciplinar, responsável por mitigar as consequências, salvaguardar a infraestrutura e manter uma comunicação fluida e transparente com todas as partes afetadas. Esta clareza na comunicação seria essencial na gestão do incidente e na recuperação oportuna das operações comprometidas.

Após detectar e mitigar este ciberataque, a MAPFRE focou na análise meticulosa do mesmo para identificar suas causas e fechar possíveis lacunas de segurança. Este processo levou a uma atualização e fortalecimento de seus sistemas de segurança cibernética, sublinhando o compromisso da empresa com a proteção de dados e a melhoria contínua. Assim, o incidente evidenciou a resiliência dos protocolos da companhia e serviu para reforçar sua estrutura e estratégias de segurança.

A necessidade de um seguro de proteção de dados

Atualmente e diante do crescente número de ameaças em segurança cibernética, o seguro de proteção de dados é um elemento-chave na gestão de riscos da empresa. Este tipo de seguro vai além da mera compensação econômica por incidentes de cibersegurança, e oferece ao segurado um suporte integral em prevenção e recuperação após um incidente. Desta maneira, a empresa garante as bases da reputação e o cumprimento normativo em matéria de proteção de dados.

A MAPFRE apresenta um seguro de proteção de dados projetado para proteger empresas e autônomos no cumprimento do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD). Este seguro oferece uma ampla cobertura, adaptando-se às exigências da legislação atual e proporcionando um suporte integral em situações de vulnerabilidade de privacidade. As coberturas incluem responsabilidade civil, cobertura de multas e sanções, despesas de notificação, restituição de imagem e assistência jurídica.

Esta apólice é caracterizada por seu enfoque preventivo diante de descumprimentos na proteção de dados pessoais, alinhando-se com o RGPD e a Lei Orgânica de Proteção de Dados e Garantia dos Direitos Pessoais (LOPD GDD). A MAPFRE é segurada contra sanções que possam ser impostas pela Agência Espanhola de Proteção de Dados (AEPD), reforçando a segurança e a integridade da gestão de dados no ambiente empresarial.

A proteção de dados vai além do mero cumprimento normativo, tornando-se uma estratégia essencial para manter a confiança dos clientes e salvaguardar a integridade corporativa no ambiente tecnológico atual. Diante da complexidade e sofisticação das ameaças atuais, é fundamental que as empresas adotem um enfoque integral na segurança da informação.

Nesta direção, integrar um seguro de proteção de dados é um passo significativo em direção a uma proteção proativa, proporcionando não só a recuperação pós-incidente, mas também reforçando a gestão de riscos e a resiliência organizacional.

 

ARTIGOS RELACIONADOS: