Madrid 1,664 EUR 0,02 (0,91 %)

INOVAÇÃO| 11.01.2022

Amparo Alonso: “A inteligência artificial permite não só mais qualidade, mas também mais calor nas atuações médicas”

Marta Villalba

Marta Villalba

A inteligência artificial (IA) é como uma varinha mágica: tudo o que toca é de alguma maneira transformado em um avanço para a humanidade. E Amparo Alonso Betanzos (Vigo, 1961) é uma das mágicas de referência na Espanha, que com seu trabalho diário como pesquisadora nesta tecnologia propicia esse progresso. Depois de se formar em Engenharia Química, com doutorado em Física e uma formação em um programa de pós-doutorado nos Estados Unidos, desde 1990 se desempenha como catedrática de Ciências da Computação e Inteligência Artificial na Faculdade de Informática da Universidade de A Coruña e coordena o grupo LIDA (Laboratório de P+D em Inteligência Artificial). Em 2013, ela assumiu a presidência da Associação Espanhola de Inteligência Artificial (AEPIA), cargo que ocupa até hoje.

Em setembro de 2021, AEPIA celebrou em Málaga sua XIX conferência no âmbito do VI Congresso Espanhol de Informática (CEDI 2020). Este evento reuniu alguns dos pesquisadores espanhóis mais referenciados do mundo no campo da IA, por exemplo, aplicados à antropologia forense e à identificação humana. Amparo Alonso Betanzos menciona que em nosso país existem ótimos grupos de pesquisa reconhecidos internacionalmente em muitas outras áreas da IA, tais como linguagem natural, visão artificial, aprendizagem de máquinas, agricultura ecológica e inteligente ou design urbano, para citar apenas alguns.

Ela está envolvida em uma ampla gama de projetos de IA aplicados a simulações, dentro do projeto europeu SMARTEES, para ajudar no desenvolvimento de políticas mais sustentáveis nas cidades, modelando a aceitabilidade de certas iniciativas para a população. Outras linhas de pesquisa abordam como fazer com que algoritmos de aprendizagem de máquinas em larga escala consumam menos energia com o mesmo nível de desempenho, como melhorar os sistemas de recomendação para fornecer resultados mais personalizados, ou o desenvolvimento de algoritmos éticos, robustos ou transparentes, que respeitem a privacidade dos dados e sirvam às pessoas ou evitem preconceitos.

AMPARO ALONSO

 

Banir estereótipos visibilizando as tecnólogas

“Na Europa, contamos com leis mais protetoras dos dados. Porque se supõe que nos pertencem aos cidadãos. Nos Estados Unidos, eles pertencem a empresas, mas cada vez mais levam em conta a privacidade”, explica Amparo Alonso Betanzos, que lembra alguns dos escândalos mais conhecidos envolvendo a venda de dados de clientes sem que os clientes tenham conhecimento disso (em referência ao Facebook) ou discriminação devido a dados tendenciosos, como o da Amazon, que não contratava mulheres para postos de tecnologia e TI porque o algoritmo confundiu a escassez de currículos de mulheres com a falta de capacidade ou habilidades.

Com relação às barreiras que impedem o acesso de meninas e mulheres jovens a carreiras técnicas na Espanha, para Amparo Alonso esta é um tema complexo, apesar do fato de muitas pessoas, incluindo ela mesma na AEPIA, estarem trabalhando para superá-las. Ela lembra que, quando começou como professora, havia cerca de 30% de estudantes mulheres de informática e hoje são 12%. Em sua opinião, este retrocesso se deve a fatores socioculturais, desde a educação recebida em casa, “o computador costumar estar no quarto dos filhos”, até os estereótipos dos filmes, seriados ou romances, em que os perfis dos informáticos são geralmente homens. “A informática, em geral, é muito identificada com um papel muito masculino”. A pesquisadora ressalta que um esforço deve ser feito para tornar as cientistas e as tecnologistas femininas visíveis, tanto na história quanto nos dias de hoje.

Como a primeira mulher espanhola a receber uma bolsa do Programa L’Oréal-Unesco For Women in Science (em 1998), ela acredita que “cada vez mais, e não faz muito tempo, tem havido uma involução no sentido de que há uma grande pressão sobre as mulheres sobre como deve ser seu aspecto físico, como elas devem se comportar, como devem ser. Por exemplo, a ambição é uma virtude em um homem e não em uma mulher”.

A presidente da AEPIA rejeita o perfil solitário dos cientistas da computação no cinema: “Nada mais longe da realidade. É uma pessoa que se relaciona com muitas profissões, desde psicólogos e sociólogos até advogados e filósofos. A tecnologia está em qualquer área transversal. Para mim é emocionante, com ela poderemos definir como queremos que seja o futuro”.

 

Em direção à medicina preventiva, preditiva e personalizada

Neste futuro, a inteligência artificial revolucionará todos os setores, especialmente a medicina e a educação, salienta Amparo Alonso Betanzos, porque estas são áreas que têm um grande impacto no bem-estar. Ela aponta que a tecnologia e o acesso a grandes quantidades de dados na área da saúde tornaram possível melhorar a capacidade de diagnóstico e tratamento, e realizar cirurgias menos invasivas e remotas. E a análise dos genes abre o caminho para a medicina preventiva, preditiva e personalizada.

Dadas estas melhorias, não se trata de ver a IA como um substituto, argumenta, mas como uma ferramenta que dará aos médicos “a capacidade de olhar os pacientes nos olhos quando você estiver fazendo um diagnóstico, porque eles terão mais tempo, já que as máquinas assumirão algumas tarefas. A IA permitirá não só mais qualidade, mas também mais calor nas atuações médicas”, assevera.

Em um contexto em que a IA está ganhando cada vez mais terreno, devido a sua enorme capacidade de gerar riqueza, os países que lideram a pesquisa da IA dominarão o mundo. “Se você não se importa com pesquisa e inovação, terá que comprá-la, e isso significa que outros decidirão por você”, adverte a pesquisadora. Hoje, a China está na vanguarda neste campo. Está fazendo um enorme investimento econômico tanto em nível governamental quanto local, diz Alonso. Além disso, ele acrescenta, tem uma população muito grande para testar as coisas: o governo decide sobre questões de privacidade e outras que estão sendo discutidas na Europa, como o uso de câmeras de vídeo de reconhecimento facial.

Os Estados Unidos são a segunda potência em IA. Lá, o governo também está investindo dinheiro em IA, embora as empresas estejam investindo muito mais. Em terceiro lugar está a Europa, que aposta em uma abordagem ética da IA, a serviço das pessoas e da humanidade, com investimentos mistos. “Não temos empresas muito grandes, mas temos algumas empresas importantes em diferentes campos. O investimento é menor, mas o que nós temos é talento”.