Madrid 1,625 EUR 0,02 (+1,5 %)

INOVAÇÃO| 19.01.2022

Fenômenos climáticos e cibersegurança no foco da indústria seguradora em 2022

Thumbnail user

Os especialistas coincidem em que 2022 será marcado pela crise climática e pelos desastres naturais para as companhias de seguros. Incêndios florestais, tempestades de granizo e geadas incrementaram, no primeiro semestre do ano passado, as perdas seguradas por desastres naturais até os máximos registrados em uma década.

O interesse por estes fenômenos se deve não apenas a que eles ocorrem com maior frequência e severidade, mas por se tratar de riscos que terão impacto nas carteiras, pois a maior parte de ativos de P&C e de linhas comerciais estão realmente expostos.

Joan Cuscó, diretor global de Transformação da MAPFRE (sétimo de cima para baixo na imagem), participou recentemente no último de InstechLondonpodcast, coincidindo nesta abordagem com os especialistas de inovação convidados.

ciberseguridadOutras tendências que ganham relevância são a excelência operacional e as tecnologias, aliadas para melhorar a experiência do cliente.

“2022 será um ano emocionante quanto à excelência operacional”. Nesse sentido, Cuscó marcou a conveniência de aproveitar o poder da Inteligência Artificial (IA) e o deep learning nos processos de back-end, para melhorar a automatização de processos seguradores.

Garantir que as reclamações e os reparos sejam realizados de forma rápida e eficiente é um dos eixos de trabalho para companhias como a MAPFRE, que visam transformar de forma radical a experiência do cliente. Por exemplo, graças a uma recente aliança com a Tractable, que desenvolveu uma solução tecnológica baseada em IA, os veículos de clientes da MAPFRE serão peritados com maior rapidez e eficiência e mediante um modelo único que utiliza fotografias realizadas com seus telefones. Este projeto começa no Brasil, mas poderia ser escalado a outros países.

Finalmente, Cuscó lembrou que a principal obrigação das seguradoras é resolver os problemas que possam surgir. Nesse sentido, ele advertiu que essa responsabilidade abrange agora a proteção dos ativos digitais dos clientes, em um mundo em que as coisas acontecem online.

A conversa contou com a participação de outros 15 especialistas de inovação de importantes companhias e do ecossistema segurador e ressegurador internacional.

 

Artigos relacionados: