Madrid 1,774 EUR 0,01 (0,8 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

INOVAÇÃO| 23.06.2021

Dídac Lee: “O mundo do esporte está evoluindo para conteúdo e entretenimento”

Marta Villalba

Marta Villalba

Os esportes compartilham os mesmos valores de inovação, compromisso, superação e trabalho em equipe que inspiram a MAPFRE. O nosso projeto não se destina apenas a ser mais um nos esportes, mas sim a ser uma parte crucial do mesmo, acompanhando o fã, cuidando da sua paixão e reforçando o setor, tornando a MAPFRE a seguradora dos esportes. Por isso nos reunimos para conhecer melhor Dídac Lee (Girona, 1974), famoso por seus dez anos à frente do negócio digital do Fútbol Club Barcelonae criador de startups tecnológicas desde seus 21 anos.

Essa experiência como empreendedor no setor de tecnologia e sua passagem pelo Barcelona permitiram que ele se especializasse no que é conhecido como Sports Tech. Atualmente, além de gerenciar oito das empresas que criou, ele trabalha em tempo integral no fundo de investimento Galdana Ventures, do qual é cofundador e sócio-gerente. Ao mesmo tempo, ele é vice-presidente do centro de empresas tecnológicas Barcelona Tech City, organização com a qual promove projetos Sports Tech, para converter Barcelona no epicentro do mundo em termos de startups e esporte.

Para Dídac Lee, Barcelona tem todos os requisitos para atingir esse objetivo: uma poderosa rede de startups com propostas inovadoras, corporações do mundo do esporte (FC Barcelona,​Euroliga, Moto GP etc.), talento, apoio da Administração e acesso ao capital. “No Barcelona Tech City estamos construindo uma rede de investidores que em alguns casos são business angels e, por outro lado, são fundos institucionalizados com muito interesse em esportes e tecnologia. Porque Sports Tech é um dos temas que mais cresce no mundo”, explicou. Nesse trabalho que conecta startups com clientes, talento e capital para ajudá-los a crescer, Dídac Lee destacou a mais recente colaboração do Barcelona Tech City com a Euroliga em um concurso para empresas emergentes relacionadas ao Sports Tech.

Sobre a relação entre esporte e tecnologia, Dídac Lee afirma que isso torna a prática esportiva muito mais agradável e eficiente. A tal ponto que evoluiu de competição para um estilo de vida e, além disso, houve um boom de pessoas que procuram se exercitar nos últimos anos para se sentirem saudáveis ou terem uma imagem melhor.

No final das contas, praticar esportes com tecnologia é muito parecido com um videogame, você vê o quanto progride à medida que avança. É um ponto de inflexão, pois permite medir, conhecer diversos indicadores e comparar. Torna a prática do esporte, além de um elemento saudável, mais divertida. Portanto, o número de praticantes de esportes está disparando. Deixou de ser algo mais nicho para ser algo totalmente transversal”, pontuou Dídac Lee.

 

Para os clubes esportivos, a tecnologia tem levado à evolução até a profissionalização, no sentido de que a gestão passou de algo mais lúdico e amador para algo empresarial, afirmou Dídac Lee. Além disso, graças a ela “o mundo do esporte está evoluindo claramente para o mundo do conteúdo e do entretenimento. Porque antes alguém praticava esportes para si, agora consome conteúdo de outras pessoas que praticam esportes para se divertir. Hoje, pode-se até consumir esportes minoritários, porque tudo está sendo mais audiovisualizado”.

O empresário taiwanês afirma que os clubes de futebol estão mais próximos de empresas de entretenimento como a Disney. Eles buscam que o torcedor desfrute de uma experiência, por meio da tecnologia, mais voltada ao entretenimento do que ao esporte. Plataformas como Twitch atraem consumidores esportivos, principalmente a partir dos acordos firmados com clubes como Real Madrid, Paris Sant Germain ou Juventus para oferecer seu próprio canal. Isso abre um canal direto de comunicação entre torcedores e atletas e atrai o público mais jovem em transmissões esportivas com comentários de streamers e youtubers conhecidos.

À medida que os seguidores se divertem com o conteúdo esportivo e fornecem dados à entidade esportiva, a porta se abre para novos modelos de negócios. A cultura de dados será a próxima evolução, Lee argumentou. “O patrocínio esportivo do futuro será 100% baseado em dados. Hoje, é baseado na associação de marcas. Algum dia, esses patrocínios, para além da associação das duas marcas, serão a associação do patrocinador com a base de dados de fãs dessa marca.”

Nesse contexto em que os clubes desportivos deram o salto para o entretenimento e o seu próprio Netflix foi criado, os concorrentes já não são outros clubes, mas as plataformas de transmissão de conteúdo, YouTube, Twitch e videogames, afirmou Dídac Lee. E não é um fenômeno que acontece apenas no campo esportivo, mas em todos os setores devido à digitalização. “Há um processo de hibridização dos modelos de negócios”, destacou, referindo-se ao fato de que “a inovação sempre acontece na fronteira do core business”. E ele deu o exemplo de clubes de futebol que criaram seus próprios times de eSports mesmo que envolvam uma competição.

Os eSports nunca irão substituir os esportes tradicionais. Alguém jogando videogame não vai substituir uma hora de corrida em um campo de futebol. Mas uma hora assistindo alguém jogar eSports pode substituir uma hora assistindo a um jogo de futebol. Do ponto de vista do público, pode ser um substituto.” Para o ex-diretor do FC Barcelona,​os atletas de eSports têm maior capacidade de gerar engajamento com novos públicos. “O que um jogador de eSports faz no YouTube, você pode fazer em casa. O que o Messi faz em campo eu não posso fazer em casa nem em dez vidas.” 

Os eSports, continua ele, vieram para ficar, “você tem que vê-los como uma nova forma de alcançar novos públicos, mercados e países”. Foi precisamente isso que Dídac Lee fez no Barcelona: o clube foi um dos primeiros a criar uma equipe própria de eSports, que compete no campeonato chinês. “O novo mundo está chegando e essa é a maneira de gerar engajamento e conseguir novos torcedores para o Barça na China, é assim que as coisas são. Os canais de monetização são muito semelhantes aos dos esportes tradicionais, ingressos, merchandising, direitos audiovisuais, patrocínios etc.”

No que diz respeito ao negócio de streaming relacionado ao esporte, Dídac Lee garantiu que cada clube acabará transmitindo seus jogos por meio de seus sites. Pois essa tecnologia proporciona ao usuário agilidade no consumo dos esportes por meio de diversos dispositivos em qualquer lugar, e oferece às empresas a possibilidade de ampliar a base de clientes.

Artigos relacionados:

https://www.mapfre.com/pt-br/actualidade/saude/feel-goog-play-better/

https://www.mapfre.com/pt-br/actualidade/transformacao/vivendo-esporte-arena-virtual/

https://www.mapfre.com/pt-br/actualidade/inovacao/esporte-durante-e-depois-do-coronavirus/