MAPFRE
Madrid 2,28 EUR -0,03 (-1,38 %)
Madrid 2,28 EUR -0,03 (-1,38 %)

ECONOMIA| 20.07.2023

Mercados imobiliários, distúrbios na França e outros riscos para a economia global em 2023

Thumbnail user

A MAPFRE Economics, o Serviço de Estudos da MAPFRE, identifica em seu relatório “Panorama econômico e setorial 2023: perspectivas para o terceiro trimestre” uma série de riscos que poderiam resultar em um evento semelhante a um choque recessivo.

 

Governança global e crise geopolítica

A União Europeia (UE) emitiu há pouco tempo um documento estratégico de segurança econômica com três prioridades principais: competitividade, proteção contra riscos econômicos e colaboração com outros países. O objetivo das propostas é melhorar a supervisão governamental do comércio “arriscado” com países terceiros, refletindo o novo ambiente global, em que a potencial militarização das dependências comerciais é mencionada várias vezes.

A estratégia de segurança econômica da UE se concentra em abordar preocupações sobre a segurança econômica, especialmente em relação aos eventos geopolíticos, como a invasão da Ucrânia pela Rússia e a pandemia da COVID-19. A estratégia inclui propostas de revisões e relatórios periódicos ao Conselho Europeu, com contribuições do setor privado, para tratar as vulnerabilidades nas cadeias de fornecimento e a fuga de tecnologia.

Pressões dos Estados Unidos

A estratégia também responde às pressões dos Estados Unidos para restringir o fluxo de bens e tecnologias sensíveis para a China. Embora a UE esteja considerando controles de exportação de bens de uso duplo e riscos de segurança relacionados aos investimentos no exterior, sua abordagem é menos categórica que a dos Estados Unidos. A UE busca equilibrar a colaboração com os Estados Unidos e manter relações comerciais com a China. A implementação dessas medidas dependerá, em grande parte, da próxima Comissão, e tensões transatlânticas poderão surgir se os Estados Unidos passarem por uma mudança de liderança após as eleições presidenciais de 2024.

Presidência espanhola do Conselho da União Europeia

A Presidência Espanhola do Conselho da União Europeia tem como objetivo abordar os principais desafios que a UE enfrenta. Isso inclui a resposta a crises como a da pandemia da COVID-19, a invasão da Ucrânia pela Rússia e as mudanças geopolíticas. O governo espanhol busca desempenhar um papel relevante na configuração do rumo futuro da UE e fortalecer suas parcerias globais. As principais prioridades incluem o apoio à Ucrânia, a busca por novos aliados na América Latina e no Caribe, e o avanço na transição ecológica.

Tendências atuais em vários setores

No mercado bancário e financeiro dos Estados Unidos, o presidente do Comitê de Bancos do Senado, Sherrod Brown, obteve uma importante vitória com a aprovação de uma proposta que permite ao governo dos Estados Unidos recuperar o salário de executivos de bancos falidos. Por outro lado, BlackRock e JPM se associaram ao governo da Ucrânia para criar um banco de reconstrução de 400 bilhões de dólares.

Em temas de energia, o drama continua na COP-28 e o petróleo russo enfrenta pressões das sanções da UE. Os países da UE com importantes indústrias automotivas lutam para responder à avalanche de veículos elétricos chineses baratos no mercado.

Em relação à defesa/segurança nacional dos EUA, os comentários do presidente J. Biden sobre o líder supremo chinês Xi Jinping geraram polêmica. Por sua vez, a Romênia é considerada para treinar os pilotos ucranianos que voarão o F-16 e o painel da Câmara aprova emendas para fortalecer a cibersegurança contra a China.

 

Impacto político dos distúrbios na França

O assassinato de um jovem de origem argelina desencadeou a violência generalizada na França e expôs profundas divisões na sociedade francesa. O governo enfrenta um desafio complexo para restaurar a ordem e abordar os problemas subjacentes, tentando evitar mais escalada e polarização. O impacto político duradouro dos distúrbios dependerá de quanto tempo eles ainda persistirão. Aqueles que defendem uma aplicação mais rígida do controle policial podem ganhar o apoio popular, pois uma pesquisa do IFOP mostrou que a maioria confia e simpatizava com a polícia. A situação também aumentou as preocupações com a segurança pública, o turismo e os eventos próximos, como a Copa do Mundo de Rugby e os Jogos Olímpicos de Paris.

Dívida global

No primeiro trimestre de 2023, a dívida global aumentou em 8,3 trilhões de dólares, chegando a 305 trilhões de dólares, o que representa 332% do PIB global (8 décimos a menos que no final de 2022). Este aumento, em termos absolutos, foi liderado pelos mercados desenvolvidos, que aumentaram sua dívida em 5,1 trilhões de dólares, enquanto os mercados emergentes em 3,2 trilhões de dólares, atingindo um novo recorde. Com a consolidação dos aumentos das taxas de juros realizados pelos principais bancos centrais, e apesar da desaceleração do crescimento global, os níveis de dívida globais continuam estagnados próximos aos máximos históricos e em torno de 50 pontos percentuais acima dos níveis de 2008. O crescimento da alavancagem, no caso dos mercados desenvolvidos, tem se concentrado principalmente nos governos e, em menor grau, no setor financeiro (ao contrário do ocorrido com os mercados emergentes) e, em menor medida, no setor dos lares. Esta dinâmica continua pesando sobre o ônus da dívida (com a renovação dos juros pressionando para cima), arrastando a produtividade (principalmente nas economias com maiores índices de endividamento) e colocando em risco sua sustentabilidade (risco de crise de dívida) diante de um ponto de inflexão da política monetária que ainda não foi alcançado, menor liquidez e crescimento com tendência a ser moderado.

 

Política econômica

De acordo com os dados de inflação, a política monetária dos principais bancos centrais favoreceu o alongamento do ciclo de endurecimento, por um lado, ao sinalizar uma taxa de juros terminal superior à prevista há apenas alguns meses e, por outro, ao reiterar que permanecerão em níveis elevados até que os objetivos de estabilidade financeira sejam alcançados, juntamente com o fator adicional da redução do balanço em andamento.

À medida que a Reserva Federal e os bancos centrais do G-10 entram na esfera restritiva da política monetária na tentativa de conter a inflação, enfrentam o dilema cada vez mais palpável sobre o quanto corroer a demanda e, com isso, o crescimento global, e quais níveis de inflação são compatíveis com as expectativas a médio e longo prazo. Nesse sentido, e embora as taxas de inflação estejam começando a deixar seus pontos máximos para trás, as fragilidades dos ativos de risco e os sinais de alerta de um potencial acidente financeiro continuam a se acumular, juntamente com um retorno à normalidade que continua desequilibrado por uma menor capacidade produtiva ainda não recuperada e por depressores da demanda que ainda não manifestaram seu impacto.

 

Crise soberano-financeira na China

Os primeiros indicadores sobre o impulsionamento da reabertura chinesa têm mostrado uma fraqueza maior do que o inicialmente esperado, sugerindo que a recuperação pode ser menos intensa e mais desigual. Os principais catalisadores continuam sendo o consumo e o setor de serviços, apoiados pela economia acumulada, e a normalização dos níveis de confiança deprimidos. Contudo, essa reativação do consumo não está mantendo o nível de ímpeto inicial, a confiança do consumidor ainda não recupera o tom positivo esperado e a economia pode se manter de forma mais prolongada no tempo acima da tendência anterior à pandemia, como mostram os dados mais recentes sobre a inflação do país.

Ao mesmo tempo, os indicadores do setor industrial demonstram que a normalização não aconteceu de forma alguma. Nesse contexto, espera-se que a segunda metade do ano seja acompanhada por novos pacotes de estímulo, tanto em termos de política econômica (o PBOC reduziu as taxas da recompra reversa abrindo a porta para maiores medidas de flexibilização), como em termos de política fiscal ou quase fiscal.

Mudança climática

As vulnerabilidades associadas à mudança climática continuam a acumular alertas à medida que os custos econômicos dos eventos extremos relacionados ao clima se estendem pelo mundo de forma interligada, com as previsões do fenômeno de “El Niño” como exemplo de evento climático próximo.

A manifestação dessas anomalias tem se sentido nos preços de mercado dos produtos básicos, como os futuros do trigo, café, açúcar e cacau, entre outros, afetando o rendimento das colheitas, os preços da energia ou a disponibilidade de água, em um contexto em que a volatilidade em torno das cadeias de fornecimento e sua transferência aos preços pode gerar um choque adicional à normalização da inflação.

 

Inflação

Os dados de inflação continuaram a demonstrar uma dinâmica descendente, com a moderação positiva das matérias primas, principalmente energéticas, as cadeias de fornecimento quase funcionando em regime de normalidade e a moderação da demanda de bens duráveis e intensivos na indústria. Em contrapartida, a recuperação da inflação dos serviços continua sem apresentar uma tendência equivalente e mostra uma resistência a ceder maior do que a prevista. Esta dinâmica está se refletindo em uma inflação subjacente que mostra uma série de ventos menos favorável, favorecendo as perspectivas de uma duração maior e do possível apoio de aumentos de salários desencadeados tanto pelas fricções do mercado de trabalho quanto pela perda de poder de compra acumulado.

Em suma, espera-se que a tendência dos preços continue mostrando sinais de moderação, embora em um ritmo menor do que o desejável, e evitando os efeitos de segunda rodada que originem uma desancoragem das expectativas de inflação.

 

Mercados imobiliários

As turbulências no setor bancário, somadas ao ambiente de taxas de juros crescente e uma capacidade de recuperar o poder de compra decrescente, continuam a enfraquecer o apetite pelo setor imobiliário a partir da perspectiva tanto dos investidores (com rentabilidades competitivas nos mercados monetários e de dívida), como pelo lado dos consumidores (cuja demanda por crédito se ressente diante do endurecimento das condições). Como resultado, o ajuste das avaliações continua a ser um risco nas principais economias, embora o processo registrado até agora evidencie um ritmo moderado.

O ciclo de ajuste de avaliações pode ser mais acentuado e pronunciado à medida que o apetite ao risco diminui, o acesso ao financiamento resulta mais estrito e as necessidades de refinanciamento elevam as insolvências, tudo isso sujeito a um ambiente de taxas de juros mais restrito e a um desempenho econômico abaixo da tendência.

 

Mercados de energia

Os temores de uma crise global de energia foram se dissipando ao longo de 2023, juntamente com menores pressões nas matérias primas da energia, os preços do gás, especialmente na Europa, recuperando os níveis anteriores à invasão da Rússia e afastando os máximos observados no segundo semestre de 2022.

Com este reequilíbrio, as preocupações com os mercados da energia diminuem, permitindo uma reorientação do comércio energético menos abrupta e proporcionando uma margem de manobra maior para conduzir a transição em andamento. No entanto, e dado o cenário geopolítico global, a crise da energia ainda está longe de terminar, o risco de novos eventos de volatilidade nos preços permanece vigente e o déficit de investimento em energias alternativas ainda é visível.

ARTIGOS RELACIONADOS: