MAPFRE
Madrid 2,166 EUR 0 (0,09 %)
Madrid 2,166 EUR 0 (0,09 %)

CORPORATIVO | 29.04.2021

O lucro da MAPFRE foi de 37% no primeiro trimestre, cerca de 173 milhões de euros

Thumbnail user
MARCOS DO EXERCÍCIO
  • O rendimento do Grupo continua estável em mais de 7,3 bilhões de euros, os prêmios se situaram em 5,896 bilhões de euros (-3,3%), afetados pela depreciação das moedas. Com uma taxa de câmbio constante, os prêmios cresceram 3,2%.
  • A evolução positiva do negócio na Espanha cresceu 2,9% e o resultado teve um aumento de 5,5%. O país continua sendo o que mais contribui para os lucros do Grupo. Todos os países da América Latina fecharam o trimestre com lucro. A MAPFRE RE apresentou um bom desempenho com um lucro de mais de 32 milhões de euros.
  • O custo das indenizações devido à COVID-19 aumentou 109 milhões de euros, dos quais 77% provém da América Latina. O impacto líquido das indenizações da Filomena chegou a quase 20 milhões de euros, entre o Reino Unido e a Espanha.
  • A taxa de Solvência II de dezembro chegou a 193%.
  • A empresa antecipou em um mês o pagamento do dividendo adicional de 0,075 euros por ação, que será pago dia 24 de maio.

No primeiro trimestre deste ano, o lucro da MAPFRE foi de 173 milhões de euros, o que gerou um crescimento de 36,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, impulsionado pela melhoria nos negócios na Espanha, na América do Norte e na América Latina, assim como no ramo de resseguros. Este aumento é especialmente significativo, uma vez que ocorre após contabilizar mais de 109 milhões de euros no trimestre análogo a sinistros ocorridos pela COVID-19, dos quais mais de 34 milhões correspondem à saúde e 48 milhões, à vida risco, praticamente todos concentrados na América Latina. A diminuição das reivindicações em automóveis e no seguro geral foi mantida pelas medidas de confinamento e desaceleração da atividade econômica.

As receitas totais do Grupo entre janeiro e março se situaram em 7,304 bilhões de euros (-0,4%), enquanto os prêmios subiram para 5,896 bilhões de euros, menos 3,3% que no mesmo período do ano anterior. No entanto, a uma taxa de câmbio constante, os prêmios cresceram 3,2%.

A taxa combinada melhorou quase seis pontos percentuais, em comparação com o mesmo trimestre (antes da COVID) do ano anterior, para se situar em 94,3%, destacando a redução nos automóveis e a ausência de sinistros catastróficos relevantes (em 2020 houve apenas um registro de terremoto em Porto Rico).

No final do exercício de março de 2021, o patrimônio atribuível do Grupo era de 8,289 bilhões de euros e o total de ativos chegou a 69,965 bilhões de euros.

Os investimentos da MAPFRE chegaram a 44,593 bilhões de euros no final de março. Desses investimentos, 51,3% correspondem à renda fixa soberana e 18,2% a renda fixa corporativa, enquanto 6,6% do total estão sendo aplicados em renda variável, o restante corresponde à tesouraria e outros investimentos.

Em dezembro de 2020, a taxa de Solvência II foi de 192,9% e refletiu uma abordagem prudente do balanço e uma gestão ativa dos investimentos, assim como a grande solidez e a resiliência do balanço da MAPFRE. A data final de fechamento do exercício de 2020 será publicada em maio. A taxa de Solvência foi reforçada com a extensão da aplicação a todo o Grupo do modelo interno de risco de longevidade aplicado na Espanha, recentemente autorizado pela supervisão.

1 – Evolução do negócio:

No final de março, os prêmios da Unidade de Seguros atingiram 4,94 bilhões de euros, o que representa uma queda de 3% em relação aos primeiros três meses do ano anterior. Com uma taxa de câmbio constante, os prêmios cresceram 4,2%.

Iberia

  •  Na região da Ibéria (Espanha e Portugal), os prêmios cresceram 3% até 2,485 bilhões de euros (-9,3%), com um resultado de 108 milhões de euros, o que representa um aumento de 4,9%.

Na Espanha, os prêmios foram de 2,454 bilhões de euros, o que representa um crescimento de 2,9% em relação à queda de 0,3% no setor. O benefício cresceu 5,5%, com um resultado de 107 milhões de euros, e o país continua sendo o que mais contribui para o lucro do Grupo. Os prêmios para o setor de automóveis aumentaram para 539 milhões de euros, o que representa 1,3% de crescimento (em comparação com uma queda de 1,8% no mercado), com mais de 6 milhões de veículos segurados e uma taxa combinada de 88,1%, que refletiram uma melhoria de 1,7 pontos percentuais. Da mesma forma, destaca-se a evolução da Verti, com 6% de aumento nos prêmios, ultrapassando os 21 milhões de euros.

O volume de negócio em seguros gerais alcançou 711 milhões de euros, mais 3,6% que no mesmo período do ano anterior, sublinhando-se o aumento dos seguros de lares (+3%), e comunidades, com um aumento de 5,5%, 2,6 pontos acima da média do mercado. Por último, os prêmios relacionados à saúde e aos acidentes ultrapassaram 673 milhões de euros, 8,3% mais do que no primeiro trimestre do ano passado.

O ramo Vida é o mais penalizado por causa da situação atual de incerteza e de persistência de taxas de interesse baixas. Assim, os prêmios do ramo Vida se situaram em 463 milhões de euros, menos 1,7% que nos primeiros três meses do ano anterior.

No fechamento de 2020, o patrimônio dos fundos de aposentadoria foi de 5,938 bilhões de euros, 3,2% a mais, enquanto os fundos de investimento aumentaram em 5,7%, chegando a 4,096 bilhões de euros.

Brasil:

  • No Brasil, os prêmios foram de 729 milhões de euros, um valor que representa uma queda de 13%, influenciada pela depreciação do Real brasileiro (23,2%). Na moeda local, o crescimento foi de 13,3%, com um bom desempenho do negócio agrícola e dos ramos industrial e de transporte. Desta forma, os seguros gerais contribuíram com 370 milhões de euros, enquanto os de Vida representaram 247 milhões de euros e os de automóveis, 112 milhões de euros. É importante destacar a melhora da taxa combinada, que foi 88,2%, quase sete pontos percentuais mais baixa do que em março do ano passado.

Latam Norte:

  • Na região Latam Norte, os prêmios totalizaram 455 milhões de euros, registrando uma queda de 6,1%. Esses valores são altamente condicionados pela depreciação das principais moedas da região (9,1% proveniente do Peso mexicano e 14,2%, do Peso dominicano). O México contribuiu com 255 milhões de euros para a região (-1,4%), enquanto o volume de prêmios na sub-região da América Central e República Dominicana foi de 200 milhões de euros, com destaque para a contribuição desta última (77 milhões), do Panamá (50 milhões) e de Honduras (25 milhões). No final de março deste ano, a taxa combinada para a região ficou em 93%.

Latam Sur:

  • A região Latam Sul encerrou o primeiro trimestre deste ano com um volume de prêmios de 386 milhões de euros, representando um aumento de 3,9%, impulsionado pelo negócio de seguros gerais, que cresceu mais de 15%. Destaca-se a evolução da Colômbia, com um aumento de 17,9% nos prêmios, chegando a 103 milhões de euros; e do Chile, com um crescimento de 31,4%, atingindo 63 milhões de euros.

O resultado da Latam Sul melhorou 34,6%, atingindo 18 milhões de euros. O Peru continua sendo país que mais contribuiu, com um lucro de 7 milhões de euros e um crescimento de 59,9%.

A taxa combinada da região foi reduzida em oito pontos percentuais e atingiu 89,4%, graças à diminuição de acidentes e de despesas. Além disso, destaca-se a taxa combinada de todos os ramos (automóveis, seguros gerais, saúde e acidentes) que melhorou significativamente.

Norteamérica:

  • Na região da América do Norte, os prêmios foram de 455 milhões de euros, 10,9% menos do que em março do ano passado.

Os negócios nos Estados Unidos contribuíram com 396 milhões de euros em prêmios para o Grupo, 11,7% abaixo do esperado por causa da depreciação do Dólar (7,6%), da redução da atividade econômica, devido à limitação da mobilidade por conta da COVID-19, e das medidas rigorosas de controle técnico lançadas há dois anos com o objetivo de aprimorar a rentabilidade dos negócios.

Em Porto Rico, o volume dos prêmios foi de 58 milhões de euros (-5,3%, embora em moeda local tenham crescido 3%), com um lucro de mais de 3 milhões de euros no final de março.

É importante destacar a evolução da taxa combinada nessa área, atingindo 96,6%, o que representa uma melhoria de mais de cinco pontos percentuais.

Eurasia:

  • Os prêmios da área da Eurásia ficaram em 431 bilhões, 21,6% a menos do que no mesmo período do ano anterior. Essa diminuição é consequência principalmente da depreciação da Lira turca (24,6%).

Na Alemanha, os prêmios situaram-se em 159 milhões de euros, com um crescimento de 4,4%, impulsionado por campanhas de marketing e uma excelente taxa de renovação, gerando um lucro de 2 milhões de euros (24,5%). Em Malta, os prêmios cresceram 11,4%, chegando aos 110 milhões, e o lucro melhorou 58,9%, cerca de 2 milhões de euros. Por último, os negócios na Turquia ultrapassaram os 80 milhões de euros (-22,6%), com um lucro de 2 milhões de euros (-62,2%).

MAPFRE RE

  • Os prêmios da MAPFRE RE, que incluem o negócio de resseguro e o negócio de grandes riscos, aumentaram 12,2% no primeiro trimestre deste ano, para 1,587 bilhões de euros, e seus resultados superaram os 32 milhões de euros, com uma melhora na taxa combinada de mais de 14 pontos percentuais, para 95,1%.

O negócio de resseguros, por seu lado, fechou o primeiro trimestre desse ano com um volume de prêmios de 1,214 bilhões de euros, um aumento de 14%, graças à melhoria das condições de alguns ramos, e um lucro de 25 milhões de euros, em relação às perdas de 22 milhões em março de 2020.

Por outro lado, os prêmios empresariais da Global Risks aumentaram 6,8%, para os 373 milhões de euros, enquanto o resultado alcançou 8 milhões de euros, em comparação com um resultado negativo de 8 milhões de euros no primeiro trimestre do ano anterior.

ASSISTÊNCIA

Já as receitas da unidade de Assistência situaram-se em 136 milhões de euros, 45,5% menos que entre janeiro e março de 2020, fortemente afetadas pela redução do volume dos negócios de seguro de viagem. O resultado negativo (2 milhões de euros) também foi muito condicionado por perdas de seguro de viagem relacionados à pandemia, principalmente no Reino Unido e na Austrália.

2 – Dividendo

O Conselho de Administração concordou que o pagamento do dividendo suplementar para o exercício de 2020 de 0,075 euros brutos por ação, aprovado pela assembleia geral de acionistas, será pago dia 24 de maio. Assim, o dividendo total correspondente a 2020 terá aumentado para 0,125 euros por ação, com o qual o Grupo irá alocar um total de 385 milhões de euros a pagar aos seus acionistas a título de resultados.
tabla-portug-mapf

As Medidas Alternativas de Rendimento (MAR), utilizadas no relatório, que correspondem às medidas financeiras não definidas e não detalhadas no contexto das informações financeiras aplicáveis, suas definições e cálculos podem ser consultadas diretamente no link: https://www.mapfre.com/corporativo-es/accionistas-inversores/informacion-financiera/medidas-alternativas-rendimiento/