MAPFRE
Madrid 2,356 EUR 0,01 (0,43 %)
Madrid 2,356 EUR 0,01 (0,43 %)

CORPORATIVO|02.11.2023

A MAPFRE Economics melhora a previsão para a economia global para 2,9% em 2023, mas prevê uma inflação elevada “mais persistente”

Thumbnail user
  • Os preços continuarão acima de 6% em 2024 em um contexto de maiores tensões geopolíticas.
  • Aumentam as lacunas dentro do grupo de economias desenvolvidas, com os Estados Unidos liderando os avanços em detrimento da União Europeia.

A dicotomia entre atividade econômica e preços com a qual começou o ciclo de endurecimento monetário global passou por uma situação mais equilibrada entre ambas as variáveis, embora sujeita a um ambiente cada vez mais desafiador e tensionado pelo lado da geopolítica, especificamente pelo risco de um obstáculo adicional com a recuperação dos preços da energia diante do atual conflito do Oriente Médio.

Neste contexto, a MAPFRE Economics eleva sua previsão de crescimento para a economia global em dois décimos em 2023, até 2,9%, e a redução em um décimo em 2024, até 2,2%. As informações são apresentadas no último relatório Panorama econômico e setorial de 2023: perspectivas para o quarto trimestre, publicado pelo Serviço de Estudos e editado pela Fundación MAPFRE.

Com relação à inflação, as mudanças são mais latentes, deixando uma inflação média mais benigna em 2023 (de 6,6% frente a 7% do relatório do trimestre anterior), embora seguida por uma trajetória de maior persistência em 2024 (6,1% frente a 4,9% anterior). “A previsão continua oferecendo uma dinâmica estagflacionária, com um crescimento que se reduz, uma política monetária sustentando a tensão das condições financeiras e uma inflação enfrentando uma etapa de moderação mais prolongada e sustentável, embora ainda longe dos níveis desejados, explica Manuel Aguilera, diretor geral da MAPFRE Economics.

A este cenário, somam-se uma série de divergências regionais crescentes, diferentes momentos cíclicos e diferentes formas de aplicar as ferramentas econômicas ao alcance, o que expõe uma lacuna de vulnerabilidades e margens de atuação muito desiguais. Tudo isso, diante da incerteza, persistente ou transitória, de uma geopolítica que ofusca os resultados dos possíveis cenários. Isto faz com que, por exemplo, em 2023, os Estados Unidos estejam apresentando um desempenho melhor do que o esperado. E, por isso, a MAPFRE Economics revisou suas previsões em alta, situando-se agora em um crescimento de 2,3% em 2023, e de 0,6% em 2024, “eventualmente conseguindo a muito desejada, mas não óbvia, “aterrissagem suave”. E, pelo contrário, na zona do euro os indicadores adiantados da zona do euro apontam para um resfriamento dos níveis de atividade econômica, especialmente na indústria e, por isso, o Serviço de Estudos prevê um crescimento de 0,5% para 2023 e 0,7% para 2024 (um e três décimos a menos que a estimativa anterior, respectivamente).

A economia espanhola, por sua vez, mostrou-se mais resiliente que outras economias europeias, em um contexto de maiores custos financeiros e uma tendência de contração de crédito. A MAPFRE Economics melhorou, por este motivo, suas previsões sobre o PIB para o conjunto do ano em três décimos, de 2,2% para 2,5%, embora piore em seis as de 2025, passando de 1,9% para 1,3%.

“Observam-se lacunas evidentes principalmente dentro do grupo de economias desenvolvidas, com os Estados Unidos liderando os avanços em detrimento da União Europeia que vê enraizadas suas fraquezas, mas também nos mercados emergentes, dada tanto a debilidade da China, que não termina de sustentar uma recuperação convincente, como as vulnerabilidades latentes em certos países principalmente da América Latina e da região da Europa, Oriente Médio e África”, acrescenta Aguilera.


Impacto no setor de seguros

Este contexto macroeconômico planeja um panorama para a atividade seguradora de menores crescimentos no volume de negócio que afetará suas linhas de negócio mais cíclicas e vinculadas ao crédito, como os seguros de Automóveis ou os de Vida risco, embora se espere uma melhoria em sua rentabilidade, à medida que se materializem as revisões em alta dos prêmios de seguros para adaptá-las à inflação, se moderem os crescimentos dos custos e se mantenha o apoio das receitas financeiras por aumentos das taxas de juros. Por sua vez, os maiores níveis das taxas de juros estão ajudando no desenvolvimento do negócio dos seguros de Vida vinculados à poupança.

Você pode consultar o relatório completo aqui