MAPFRE
Madrid 2,266 EUR -0,01 (-0,61 %)
Madrid 2,266 EUR -0,01 (-0,61 %)

CORPORATIVO|28.09.2023

O mercado segurador latino-americano cresceu 15,9% em 2022, alcançando 173,674 bilhões de dólares

Thumbnail user
  • O crescimento dos seguros Não Vida do mercado latino-americano supera os de Vida graças à recuperação do ramo de Automóveis.
  • O mercado potencial de seguros da América Latina atinge 440,9 bilhões de dólares, o que significa 2,5 vezes o mercado atual na região.

O mercado segurador na América Latina, região na qual a MAPFRE é líder no negócio de Não Vida, experimentou um crescimento em 2022 de 15,9% até alcançar 173,674 bilhões de dólares (164,397 bilhões de euros no câmbio atual), após a melhoria de 11,5% experimentada em 2021.

No crescimento do mercado segurador da região influiu um comportamento de suas respectivas economias, que foi melhor do que o previsto, bem como um ambiente de taxas de juros mais apropriado para a comercialização dos produtos de Vida poupança e de rendas, pela mudança de orientação na política monetária aplicadas pelos principais bancos centrais da região.

Os prêmios do segmento dos seguros de Vida na América Latina, que representa 42,3% dos prêmios totais em 2022, tiveram um crescimento de 15,3% medido em dólares, enquanto os do segmento de Não Vida melhoraram 16,4%, segundo o relatório “O mercado segurador latino-americano em 2022’, elaborado pela MAPFRE Economics e editado pela Fundación MAPFRE.

Dentro do negócio de Vida, os prêmios dos seguros de Vida individual e coletivo, que representam 35,8% do total dos prêmios da região, cresceram 13,1% em comparação com 8,7% de 2021. Os seguros Previsionais e de Pensões experimentaram novamente um importante crescimento de 29,2% (30% em 2021), com um peso ainda relativamente pequeno no negócio de Vida da região, representando 6,5% dos prêmios totais em 2022, embora com uma tendência crescente. A MAPFRE Economics destaca a importante contribuição do mercado colombiano no crescimento do segmento dos seguros de Vida a nível regional, que se somou ao bom comportamento do mercado brasileiro (principal mercado da região) e de outros mercados com peso significativo como o argentino e o chileno.

Por sua vez, no segmento dos seguros de Não Vida, o crescimento foi praticamente generalizado entre todos os mercados da região, sendo o mercado colombiano o que apresentou um menor crescimento em dólares, diferentemente do crescimento significativo dos seguros de Vida. Em nível agregado, o segmento dos seguros de Não Vida superou o do segmento de Vida graças à recuperação do ramo de Automóveis, que representa 17,1% do total de prêmios na região e cresceu 25,6% (8,7% em 2021). Isso lhe permitiu superar o nível de prêmios anterior à pandemia. O ramo de Saúde, por sua vez, desacelerou, apesar de ter também um bom comportamento com um crescimento em prêmios em 2022 de 10,4%. Destacaram também os crescimentos de outras linhas do negócio de Não Vida como a de Acidentes de trabalho (24,1%) e Outros danos (20,3%).

Do ponto de vista da estrutura, os mercados seguradores da América Latina que apresentaram maiores níveis de concentração foram Uruguai, Costa Rica e Nicarágua. Por sua vez, Peru, Venezuela, Honduras, Panamá, República Dominicana, El Salvador e Guatemala apresentaram valores do índice próprios de mercados concentrados. O resto dos mercados latino-americanos apresentam índices abaixo do limiar que antecipa níveis moderados de concentração.

A MAPFRE Economics destaca que o panorama para a América Latina continua se apresentando complexo para os próximos anos, em um contexto de endurecimento das condições financeiras externas e internas pelas políticas monetárias restritivas para controlar a inflação, uma desaceleração do crescimento do emprego (com altos níveis de emprego informal e baixas taxas de participação), unido a contas públicas deterioradas que limitam o espaço fiscal em apoio ao crescimento econômico. Além disso, a desaceleração e potencial queda em recessão dos Estados Unidos e os problemas da economia da China contribuem para ofuscar o panorama para os próximos anos, ao tratar-se de seus dois principais sócios comerciais.

Tendências estruturais

O índice de penetração (prêmios/PIB) médio da região ficou em 3,01% em 2022, superior ao do ano anterior em 0,05 pontos percentuais. O indicador melhorou tanto no segmento dos seguros de Não Vida, ao situar-se em 1,74%, em comparação com 1,70% do ano anterior, e, em menor medida, no segmento dos seguros de Vida, ao situar-se em 1,27%, em comparação com 1,26% do ano anterior. Ao longo da década, continua sendo observada uma tendência ao aumento da penetração dos seguros na região, à qual contribuiu principalmente o desenvolvimento dos seguros de Vida.

No que diz respeito aos prêmios per capita, o indicador ficou em 276,4 dólares, o que representa um aumento de 15,2% em relação ao nível registrado no ano anterior. O crescimento significativo dos prêmios do setor segurador em 2022 e o melhor comportamento das taxas de câmbio em relação ao dólar explicam esta melhoria no nível de densidade em relação ao ano anterior, superando já o nível anterior à pandemia.

Em 2022, a estimativa da Brecha de Proteção do Seguro para o mercado segurador latino-americano ficou em 267,2 bilhões de dólares em 2022, 5,8% (14,5 bilhões de dólares) a mais do que a estimada no ano anterior. A estrutura da BPS ao longo da última década confirma a predominância dos seguros de Vida.

Você pode consultar o relatório completo aqui