MAPFRE
Madrid 2,16 EUR 0,01 (0,56 %)
Madrid 2,16 EUR 0,01 (0,56 %)

CORPORATIVO | 12.05.2021

Jesús Martínez: “Podemos fazer nossa parte e fortalecer nosso investimento estrutural na América Latina”

Thumbnail user
“A América Latina é a região mais atingida pela crise econômica, que está gerando um aumento nas desigualdades e nos conflitos sociais.

Nesse contexto, as empresas podem fazer sua parte e fortalecer seu investimento estrutural na região. Além disso, para as empresas europeias, investir na América Latina neste momento é uma oportunidade e, no campo dos seguros, podemos contribuir para aumentar a sua penetração na economia, algo absolutamente necessário para o desenvolvimento da região.”

A afirmação foi expressa por Jesús Martínez Castellanos, O CEO AMÉRICA LATINA em mesa redonda sobre as relações entre a União Europeia e a América Latina, organizada pela Madrid Platform, com José Ignacio Salafranca, conselheiro do Comitê Econômico e Social da União Europeia, assessor internacional da presidência da CEOE e vice-presidente da Fundación Euroamérica; Maryleana Méndez, secretária geral da ASIET. Telecomunicaciones de América Latina; Ingo Ploger, presidente da IP Desenvolvimento Empresarial e Institucional do Brasil, e Clara Arpa, CEO do Grupo Arpa e presidente do Pacto Global na Espanha.

Temas como a mobilização da vontade política nas atuais circunstâncias, que limitam fortemente os “tempos impossíveis” e caracterizados pela atual crise política, sanitária, econômica e social, sem precedentes desde a Segunda Guerra Mundial, abriram um colóquio em que foram abordadas questões como a importância transcendental de tratados como UE-Mercosul, a oportunidade de um espaço comum de investimento responsável e sustentável, a inovação, enquanto vetor de maior colaboração transoceânica, e a conectividade, como um dos principais elementos no comércio regional.

Durante essa reunião, moderada por Celina Pérez Casado, secretária de organização do CEAJE, Martínez Castellanos referiu-se à incerteza que pesa sobre a região da América Latina e do Caribe, economicamente a mais afetada, com uma queda do PIB em 2020 de 7,4%, mais de 2 milhões de PME encerradas e mais de 30 milhões de pessoas que perderam os seus empregos.

A recuperação será assimétrica entre os diferentes países, segundo as projeções da MAPFRE Economics. A situação pré-COVID será atingida, em média na região, entre 2022 e 2023. Nesse contexto, Martínez Castellanos concordou em destacar que a América Latina e o Caribe precisam aumentar o investimento privado e sublinhou que este seja estrutural e de longo prazo, não especulativo; responsável e inclusivo; gerando valor para todas as partes interessadas e sustentável com o meio ambiente. Esse investimento privado, por sua vez, exige regras claras do jogo, reformas estruturais e investimentos em infraestrutura e logística para crescer na região, alertou.

Durante o seu discurso, insistiu que, para a União Europeia, o investimento da América Latina é uma oportunidade: é o quarto investidor na Espanha e, embora seja altamente dependente dos EUA, a grande ameaça à UE é a China, que já se tornou o segundo parceiro comercial da região. Por isso, lembrou que é “necessário modernizar os acordos com os países da LATAM e as alianças comerciais como o Mercosul ou o do Pacífico”.

Diante de todos os presentes, convidados e participantes conectados à plataforma por videoconferência, destacou a importância da LATAM para a MAPFRE, onde a empresa está presente em 17 países, é a seguradora líder Não Vida e a primeira seguradora multinacional na região e onde obtém 30% da receita total, mais de 40% do lucro atribuível e 37% dos funcionários residem.

A MAPFRE, destacou, é um investidor de longo prazo que acredita e aposta firmemente nessa região. “Isso nos ajudou em outras crises, como a crise financeira de 2008-2011.” Entre as previsões positivas, ele anunciou que o compromisso com a sustentabilidade na UE será “um elemento muito positivo para a LATAM” e lembrou que, com 85% das reservas mundiais de lítio, pode ter um papel de destaque na expansão dos veículos elétricos e um aumento da demanda por ferro, aço e platina.

Incrementar la inversión privada

La recuperación será asimétrica entre los distintos países, según las previsiones de MAPFRE Economics. La situación pre-covid se alcanzará, en media en la región, entre 2022 y 2023. En ese contexto, Martínez Castellanos coincidió en destacar que América Latina-Caribe necesita incrementar la inversión privada y apuntó a que ésta sea estructural y de largo plazo, no especulativa; responsable e inclusiva; generando valor para todos los grupos de interés, y sostenible con el medio ambiente. Dicha inversión privada, a su vez, requiere para crecer en la región unas reglas del juego claras, y reformas estructurales e inversión en infraestructuras y logística, advirtió.

Durante su intervención, insistió en que, para la Unión Europea, la inversión de América Latina es una oportunidad: se trata del cuarto inversor en España y, aunque mantiene una gran dependencia de EE.UU., la gran amenaza para la UE es China, que ya se ha convertido en el segundo socio comercial de la región. Por ello, recordó que es “necesario modernizar los acuerdos con países de LATAM y alianzas comerciales como Mercosur o la del Pacífico”.

Ante todos los presentes e invitados y asistentes conectados a la plataforma mediante videoconferencia, resaltó la importancia de LATAM para MAPFRE, donde la compañía tiene presencia en 17 países, es líder aseguradora en No Vida y primera multinacional de seguros en la región y donde obtiene el 30% de los ingresos totales, más del 40% del beneficio atribuido y reside el 37% de los empleados.

MAPFRE, puntualizó, es un inversor de largo plazo, que cree y apuesta firmemente por esta región. “Nos ha ayudado en otras crisis, como la crisis financiera del 2008-2011”. Entre los pronósticos positivos, adelantó que la apuesta por la sostenibilidad en la UE será “un elemento muy positivo para LATAM” y recordó que, con el 85% de las reservas de litio del mundo, podrá tener un papel destacado ante la expansión del coche eléctrico y ver incrementada la demanda de hierro, acero y platino.

Artículos relacionados: