Madrid 1,625 EUR 0,02 (+1,5 %)

SUSTENTABILIDADE| 14.02.2022

Tudo o que você precisa saber antes de trocar para o veículo elétrico

Thumbnail user

Até recentemente, os carros elétricos eram vistos como uma raridade, protótipos mais adequados de um futuro de longo prazo do que para ocupar sua garagem. Mas esta situação mudou rapidamente, devido à preocupação pela mudança climática, que atraiu os olhares para tipos de mobilidade com menor poluição. Com o impulso das autoridades, as vendas de veículos elétricos crescem ano após ano e é frequente vê-los nas estradas, especialmente nas grandes cidades e nos países que mais investem nesta tecnologia. 

A MAPFRE está sendo testemunha desta mudança de rumo. Só na Espanha, os novos seguros de automóveis elétricos aumentaram 150% em comparação com o ano passado. No caso dos híbridos, este número quase se multiplicou por 5. São poucos os especialistas que duvidam de sua gradativa imposição, até a maioria dos motoristas trocar a gasolina pelo carregador elétrico. No entanto, estes veículos continuam sendo grandes desconhecidos.

Eles realmente consomem menos? Qual é a autonomia? Como e onde podem ser carregados? São algumas dúvidas que surgem sobre o veículo elétrico para quem não está familiarizado com ele. Para oferecer uma resposta, contamos com o auxílio dos profissionais do CESVIMAP, o Centro de Experimentação e Segurança Viária da MAPFRE, uma referência na pesquisa no setor automotivo, com mais de uma década de experiência no estudo deste tipo de mobilidade.

Consumo e tipos de carga

Uma das principais razões para escolher um carro elétrico é o custo mais baixo em comparação com um motor de combustão. Com este último, considerando um consumo médio de 6 l/100 km e um preço de 1,50 euros por litro, é possível calcular um consumo médio de 9 euros por 100 km.

Com o automóvel elétrico, o gasto dependerá de como e quando são realizadas as cargas, porque este ponto permite explicar também os diferentes tipos de reabastecimento elétrico.

Tomando como referência um consumo de 15 quilowatts por hora (kWh) por 100 quilômetros, uma taxa durante a noite com uma tarifa fora de hora pico para esta hora do dia deixaria o custo por 100 quilômetros a menos de um euro, e levaria cerca de 6-8 horas. Esta é a opção ideal: ter um ponto de carregamento instalado em casa e deixar o carro carregando durante a noite é muito mais econômico e, a longo prazo, compensará o preço inicial mais alto do carro elétrico. Instalar um ponto de recarga em casa custa entre 400 e 1.600 euros, mas muitos países oferecem auxílios econômicos.

Outra possibilidade são os postos públicos de recarga, em locais como centros comerciais ou garagens. Costumam ter uma potência maior e em umas duas horas a bateria poderia estar em 80% de sua capacidade, porque estes pontos também são conhecidos como de recarga semirrápida. Neles, o preço da carga aumenta consideravelmente e estaria cerca dos 5 euros para percorrer 100 quilômetros. Ainda assim, é uma opção mais rentável do que a gasolina ou o diesel.

A outra opção são as estações elétricas, com carregadores CC que são muito mais rápidos, mas também mais caros. Aqui a bateria estaria em 80% em menos de uma hora, mas com um custo em 100 km que pode até ser mais caro do que um automóvel convencional. Portanto, é uma modalidade útil para viagens pontuais fora da área de residência ou de trabalho, mas que não deve ser usada regularmente Além disso, é preciso levar em conta que as cargas rápidas degradam em maior medida as baterias.

Autonomia 

Junto com os pontos de carga, o outro aspecto que pode fazer com que os motoristas tenham mais dúvidas sobre os veículos elétricos é sua autonomia. Então, quantos quilômetros podem ser recorridos com um carro elétrico?

Os modelos mais comuns no mercado oferecem baterias com autonomia real entre 150 e 450 quilômetros.  Portanto, é uma autonomia mais que suficiente para deslocamentos diários, mas que apresenta maiores inconvenientes em caso de viagens fora desse âmbito. Isto fica claro nos testes realizados pelos técnicos do CESVIMAP: fora de seu habitat, a cidade, o consumo do carro elétrico dispara e pode sofrer mais que nos carros tradicionais pelas condições adversas, como vento ou diferenças de altitude. É preciso interpretar as autonomias homologadas como próprias de trajetos de baixa velocidade e com regenerações constantes.

E, como nas diferentes versões de modelos de combustível, dependendo da potência do motor, os fabricantes de veículos elétricos tendem a oferecer seus modelos com baterias com maior ou menor alcance, mas também com variações significativas no preço.

Duração das baterias

Atualmente, a bateria representa a metade do preço de um automóvel elétrico. Ela tende a se degradar e diminuir sua capacidade com o tempo, e a vida útil da bateria varia muito dependendo do uso, algo que os consumidores estão acostumados a observar em suas baterias de telefonia móvel. Mas há referências que dão uma ideia da vida útil com a qual é possível contar.

Muitas marcas vendem seus veículos elétricos com uma garantia da bateria de 8 anos, que inclui a substituição em caso de que durante esse tempo perca mais de 25-30% de sua capacidade. Em outras palavras, eles garantem que a bateria manterá níveis aceitáveis por pelo menos 8 anos.

Além disso, por ser um elemento caro e crítico de uma indústria em crescimento, as baterias são o foco de muitos esforços de pesquisa. Os serviços de manutenção, reparo e reutilização das baterias estão em pleno desenvolvimento, portanto, é de se esperar que após alguns anos de desgaste significativo, não seja necessário substituir a bateria por uma nova.

Todos os veículos serão elétricos em 2030?

Embora a tendência seja claramente a favor do carro elétrico, as previsões estão longe desse horizonte. De acordo com a Agência Internacional de Energia, haverá 145 milhões de carros elétricos no mundo até 2030, um número surpreendentemente alto, considerando que em 2020 eram 8,5 milhões, mas ainda uma pequena porcentagem do total.

CESVIMAP estima que, em um país como a Espanha, as vendas de novos veículos elétricos e híbridos poderiam se aproximar de 50% até 2025, sendo os modelos híbridos três vezes mais altos do que os puramente elétricos. Naquele ano, a frota de veículos elétricos e híbridos atingiria entre 5 e 7% do total.

Embora alguns países sejam mais avançados, o exemplo clássico são os países nórdicos, na maioria deles o ritmo será ainda mais lento. É o caso da América Latina, onde, embora existam países que estão aumentando seus esforços nesta direção, com destaque para Costa Rica, Colômbia e Chile, a falta de infraestrutura e de estímulos econômicos significa que o cenário levará mais tempo.

Eles têm seguro específico? É mais caro segurá-los?

Legalmente, os veículos elétricos apenas possuem a mesma obrigação que os outros veículos, isto é, o seguro de responsabilidade civil. Entretanto, eles se caracterizam por uma série de necessidades específicas, para as quais um bom seguro pode economizar muitas dores de cabeça.

Estes são aspectos como a cobertura da torre de carga instalada na casa e danos nas estações de carga pública, a bateria e o cabo, assistência em estrada em caso de esgotamento da bateria para recarga in situ ou substituição por outro veículo elétrico. A MAPFRE já conta com uma apólice específica para carros elétricos e híbridos na Espanha, Alemanha e Malta, uma lista que será estendida tendo como próximos objetivos a Itália e os Estados Unidos.

Este é um segmento em clara expansão e que está se conformando para ser o que prevalecerá no futuro, com um perfil de motorista que, devido às suas características (mais experiência, bom nível econômico, etc.), está associado a uma menor sinistralidade e é atraente para as empresas. As seguradoras têm interesse em estarem presentes na transição para veículos elétricos, portanto, as apólices para estes veículos são muito competitivas.