Madrid 1,8125 EUR 0,03 (+1,83 %)
ZoomTalentoPrensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE| 14.10.2021

Quando a palavra “resíduo” perde o sentido

ethic

Ethiclab

Cada vez para mais empresas deixa de ter sentido continuar alimentando os aterros com resíduos. Aproximar o número de resíduos gerados de zero não só representa um grande salto sustentável, mas também pode proporcionar grandes lucros.

Trata-se de uma expressão que pode levar ao engano e produzir, na primeira impressão, confusões que façam interpretar de maneira equivocada seu significado: resíduo zero. Duas palavras que, seja como simples conceito ou como certificação obtida por uma empresa, provêm do inglês zero waste to landfill ou zero resíduos ao aterro. Às vezes, os anglo-saxões simplificam a ideia e falam diretamente de zero to landfill. Por algum motivo, na tradução ao português se perdeu a ideia do aterro. “Talvez seria mais correto falar em descarga zero”, aponta José Sevilla, diretor executivo de EcoCuadrado, principal consultora espanhola especializada na obtenção do certificado que, em nosso país, é outorgado pela AENOR. Portanto, não se trata de aspirar ao absurdo de não criar resíduos, por serem eles consubstanciais à atividade econômica, mas que não sejam descargados para sempre em montanhas de detritos que, a modo de cemitério, fechem a porta para uma segunda vida.

Assim mesmo, não é fácil estabelecer uma clara diferenciação semântica entre resíduo zero e economia circular. Ambas as noções perseguem o objetivo prioritário de um aproveitamento de recursos até as últimas consequências. As duas conseguem a confluência de rentabilidade econômica e consciência ambiental. Embora resíduo zero se refira, especialmente, ao compromisso individual de cada organização privada ou pública. Por sua vez, a economia circular age como marco geral, como um novo paradigma que permite que a soma dos esforços tenha sentido.

 

Martínez Valbuena: “reduzir os detritos representa prevenir a geração de resíduos e valorizar ao máximo aqueles que são gerados”

Há poucos meses, a planta de Subaru de Indiana (EUA), pioneira global em resíduos zero, celebrou o décimo aniversário sem quase detritos. Sendo o “quase” um matiz importante, porque hoje em dia, com a tecnologia disponível, resulta praticamente inviável para a grande maioria das empresas recuperar 100% de seus resíduos. Algumas fontes falam de 99% e outras de números nunca inferiores a 90%. Este esforço custa à planta 6,4 milhões de euros anuais, mas o lucro proporcionado é de cerca de 10 milhões de euros por ano. Para Sevilha, “é chave que as empresas saibam o que estão enfrentando respeito de custos de gestão de resíduos: calcular quanto custam os contêineres, o transporte, as taxas e cânones em aterros, as emissões de CO2. Quando isto acontece, começam a tomar decisões economicamente ótimas”.

 

 

Com claros benefícios para o meio ambiente e grandes oportunidades potenciais para a própria solvência das companhias, cada vez são mais aquelas que apostam pela sustentabilidade entendida sob a perspectiva da eficiência. Uma tendência que se reflete em espaços como o portal Zerowaste, através de seus rankings sobre melhores práticas entre empresas norte-americanas: Na sua última lista aparecem até gigantes da economia global, como Google ou Unilever.

O diretor executivo da EcoCuadrado há alguns anos observa uma “mudança radicalmente positiva” na atitude das empresas espanholas. Nos últimos tempos, explica, coincidiram um “incremento exponencial nas despesas de aterros” e a consolidação de “mercados de matérias secundárias perfeitamente estabelecidos e transparentes”. Se antes existia uma enorme “assimetria das informações”, continua Sevilha, agora qualquer pessoa pode saber com uma simples pesquisa em Google a “cotação do cobre no London Metal Exchange ou a gordura na Lonja de Barcelona”.

Sem desmerecer o auge da consciência ambiental na cidadania, e portanto entre os empresários, outro fator contribuiu para que mais empresas apostassem por modelos de resíduo zero. Com as decisões ambientais cada vez mais centralizadas em Bruxelas, esta homogeneidade normativa permite uma passagem ágil para a gestão eficiente e sustentável dos resíduos. Impulso regulatório, preocupação pelo planeta, a fria objetividade dos números… Um coquetel que augura uma drástica redução de resíduos em um futuro não muito distante. Algumas empresas estão pisando o acelerador e não se conformam com o que estabelece a legislação. “Com a nova Lei de Resíduos (ainda em fase de tratamento), descargar é muito penalizado e estará ainda mais nos próximos anos. Vamos nos adiantar ao seu cumprimento legal”, assegura Yolanda Martínez Valbuena, especialista em gestão de resíduos na MAPFRE.

 

A Espanha é líder em recuperação química de plásticos ou fundição de placas eletrônicas

Durante este ano, a seguradora deseja receber a acreditação de resíduo zero para sua sede em Majadahonda (Madri), um objetivo que se encontra no contexto de seu plano estratégico de sustentabilidade traçado até este ano para a Espanha e os países em que a companhia está presente, e que se alinha com a aposta espanhola pela economia circular. A este último pacto, a empresa aderiu recentemente e deseja se tornar uma referência.

Reduzir à mínima expressão os detritos produzidos pelos escritórios da MAPFRE representa mudanças logísticas de longo alcance. “Significa prevenir a geração de resíduos e valorizar ao máximo os que são gerados”, assegura Martínez Valbuena. A empresa entende por valorizar diferentes caminhos que descartem o uso do aterro: “Representa reutilizar, reciclar ou aproveitar energeticamente os resíduos, de forma a que possam ser vendidos, com a extração de matérias-primas secundárias ou com a geração de energia limpa”, precisa.

Quando seja o momento de implementar estes fins abstratos no dia a dia na sede da MAPFRE, as ações concretas se estenderão a todas as esferas de atividade. Será preciso contratar gestores e transportadores de resíduos “que estejam em linha” com os princípios do novo modelo, continua Martínez Valbuena. Os pontos limpos serão modificados e as lixeiras retiradas dos escritórios (clássica misturada residual), para reforçar os contêineres internos. Sevilha, por sua vez, reconhece que a “segregação em origem” é um dos campos que admite maior margem de melhoria na hora de implantar modelos de resíduo zero.

 

 

Em uma fase mais avançada, chegará o momento de atuar nas cafeterias, com especial ênfase na eliminação de produtos de uso único e a minimização do desperdício de alimentos. Tudo isso, explica Martínez Valbuena, “acompanhado de um plano de comunicação muito ambicioso, com formação de funcionários e troca de cartazes”. Quando a seguradora obtiver a certificação, seguirá o caminho de outras empresas que operam em nosso país sem praticamente geração de detritos. A pioneira foi, há sete anos, a cadeia de supermercados Lidl. A partir de então embarcaram no navio, entre outros núcleos de atividade, uma fábrica de Campofrío, em Burgos, e vários centros de El Corte Inglés.

Contrário à opinião generalizada, Sevilha não considera que a Espanha esteja atrasada, em comparação com os países de nosso meio, quanto ao avanço do resíduo zero. De fato, estima que a velocidade da mudança em nosso país representa um “exemplo na Europa”. E detalha campos específicos em que a Espanha “é líder, com tecnologia tremendamente avançada e patentes a nível mundial”. Por exemplo, a recuperação química de plásticos ou a fundição de placas de aparelhos elétricos.