MAPFRE
Madrid 2,266 EUR -0,01 (-0,61 %)
Madrid 2,266 EUR -0,01 (-0,61 %)

SUSTENTABILIDADE| 03.08.2023

O que são cidades de 15 minutos?

Thumbnail user

Estamos caminhando para um sistema muito mais sustentável, adaptando nossa maneira de viver, consequentemente, ao meio ambiente. É por isso que cada vez mais especialistas estão fazendo propostas inovadoras para conseguir desacelerar a mudança climática. Um exemplo disso é o plano urbanístico da cidade de 15 minutos que conheceremos hoje.

As cidades de 15 minutos são uma proposta urbanística que propõe projetar cidades nas quais todos os serviços essenciais, como supermercados, farmácias, escolas, lugares de lazer e de trabalho, se encontrem a 15 minutos a pé, de bicicleta ou de transporte público a partir das casas. O objetivo é reduzir o uso do carro, os tempos de deslocamento e a poluição para melhorar a qualidade de vida das pessoas. 

Hoje em dia, 56% da população vive em cidades e, de acordo com a ONU, até 2050 dois terços da população viverá em uma. Esses números representam a necessidade de repensar e redesenhar as cidades. Isto foi o que levou o urbanista e professor em La Sorbona, Carlos Moreno, a desenvolver o conceito de “cidades de 15 minutos” em 2016.

O que são as cidades de 15 minutos?

Embora existam muitos princípios que definem esse tipo de cidade, existem algumas características comuns em todas elas:

  • Proximidade: este tipo de cidades se caracterizam por ser núcleos compactos nos quais viver, trabalhar, comprar, levar as crianças à escola, ir ao médico e desfrutar do lazer sem gastar muito tempo em se transferir de um lugar para o outro.
  • Mobilidade sustentável: a proximidade evita o uso do carro e promove o deslocamento a pé e de bicicleta. Por isso é necessário criar ruas amigáveis para os pedestres e criar ciclovias mais seguras. Isso economiza tempo e dinheiro para as pessoas, ao mesmo tempo que reduz a poluição e melhora a qualidade do ar.
  • Espaços públicos verdes: ao projetar as cidades para as pessoas e não para os carros, as ruas se transformam em espaços verdes. Isto promove a interação entre cidadãos e um maior uso do espaço público. Além disso, confere à cidade “pulmões” para limpar o ar e melhorar sua qualidade.

Que benefícios oferece?

Projetar e implementar cidades de 15 minutos requer tempo, infraestrutura e investimento, mas seu impacto individual, social e ambiental é enorme. A seguir, desenvolveremos cada um deles:

  • Individual: ao evitar longos deslocamentos, as pessoas economizam tempo do seu dia para investir em atividades que contribuam com mais valor para suas vidas. Ao mesmo tempo, caminhar ou andar de bicicleta ao ar livre tem um impacto positivo para a saúde física e mental.
  • Social: o espaço público se transforma em um lugar de interação social promovendo uma sensação de pertencimento na qual diversos setores da sociedade podem dialogar, conviver e criar comunidade.
  • Ambiental: reduzir o uso do carro minimiza as emissões de gases de efeito estufa e a poluição auditiva. Por sua vez, os espaços verdes melhoram a qualidade do ar e diminuem as temperaturas no verão, entre outros benefícios.

Quais cidades são consideradas cidades de 15 minutos?

Apesar de que reorganizar uma cidade nem sempre é fácil, e nem todas as cidades podem aplicar este conceito, as cidades de 15 minutos já se popularizaram em diferentes partes do mundo e, atualmente já existem 16 cidades no mundo todo que adotaram este enfoque: 

  • Paris: foi uma das primeiras a implementar estes princípios. Sua implementação contou com melhorias no transporte público, reorganização do espaço urbano e a criação de muitas ciclovias.  
  • Portland: esta cidade norte-americana está trabalhando na reorganização de suas ruas. O governo tem como objetivo para 2030 que 80% de seus habitantes possam realizar todas as suas atividades diárias investindo 20 minutos em deslocamentos ou menos. 
  • Bogotá: embora algumas medidas ainda estejam sendo implementadas, Bogotá se comprometeu a avançar com projetos que envolvem melhorias no transporte público, no planejamento urbano e na criação de espaços verdes. 
  • Melbourne: o governo iniciou projetos-piloto em 2018 para criar bairros autossuficientes onde os cidadãos tenham acesso a todos os serviços necessários a uma distância máxima de 20 minutos. 
  • Copenhague: conhecida por sua cultura ciclista e rede de ciclovias, esta cidade compartilha muitos princípios com as cidades de 15 minutos, embora não utilize este termo explicitamente.

Na MAPFRE apostamos na inovação como caminho para um planeta mais sustentável, é por isso que no nosso centro de pesquisa CESVIMAP apostamos também pela mobilidade sustentável, uma maneira de se deslocar reduzindo o impacto ambiental.

 

ARTIGOS RELACIONADOS: