MAPFRE
Madrid 2,16 EUR 0,01 (0,56 %)
Madrid 2,16 EUR 0,01 (0,56 %)
SUSTENTABILIDADE| 02.07.2024

A igualdade de gênero, fundamental para o desenvolvimento rural

Thumbnail user
Carmen Quintanilla, presidente nacional da Confederação de Federações e Associações de Famílias e Mulheres do Mundo Rural (AFAMMER) na Espanha.

Famílias e Mulheres do Mundo RuralCarmen Quintanilla, natural de Ciudad Real (Espanha), é parlamentar honorária e membro permanente do Conselho da Europa. É consultora e especialista em políticas de igualdade, desenvolvimento rural e sustentabilidade. Sua longa trajetória profissional como funcionária esteve dedicada ao cooperativismo agrário. Atualmente, a AFAMMER conta com o apoio da Fundación MAPFRE para desenvolver o projeto «CuidaRural+: uma oportunidade de transformação», que capacita cuidadores no âmbito dos cuidados sanitários e sociossanitários em áreas rurais da Espanha. Assim, fomenta-se a criação de emprego e, ao mesmo tempo, providencia cuidados de qualidade à população rural necessitada.

Qual é o seu vínculo com o mundo rural? Qual foi sua principal motivação para criar esta associação?

Eu devo o meu vínculo com o meio rural aos meus avós maternos, que nos levavam ao povoado da minha avó, Brazatortas, e ali desfrutávamos das festas, do campo e das tradições. Meu avô era uma pessoa muito generosa, sempre disposto a ajudar os outros. Sua solidariedade sempre me inspirou e eu quis seguir seu exemplo de ajuda aos demais.

Por outro lado, tive o privilégio de poder me formar e estudar, em uma época em que ainda era muito estranho ver mulheres universitárias. Graças a este treinamento, pude tornar realidade o meu sonho: fundar a primeira associação de famílias e mulheres do meio rural para alcançar a igualdade real de oportunidades no meio rural. Estou falando do ano de 1982, em plena transição espanhola. Atualmente, começavam a respirar ar de liberdade e as mulheres queriam ter voz em uma democracia que começava a caminhar. Naquela época, ainda não se falava da situação de desigualdade vivida pelos nossos povos, muito menos se falava da mulher rural.

Quarenta e dois anos depois, conseguimos que a mulher faça parte da agenda política nacional e internacional e dos meios de comunicação. Não foi fácil, mas conseguimos.

Quais são os principais desafios enfrentados pelas mulheres no mundo rural?

O principal desafio está na desigualdade que sofrem não só por ser mulheres, mas por viver em um ambiente como o rural caracterizado pela falta de serviços.

Um dado a ser levado em consideração é que 35% dos lares em municípios com menos de 10.000 habitantes só têm acesso a um serviço público.

Esta falta de recursos e de serviços faz com que as mulheres rurais sofram em maior medida a falta de conciliação e corresponsabilidade, que é a principal culpada de que hoje a Espanha seja o segundo país do mundo com maior taxa de desemprego feminino rural da UE. 

A precariedade do emprego das mulheres é exacerbada nas áreas rurais, apesar de o nível de educação alcançado ser mais alto entre as mulheres rurais, ou seja, apesar de elas serem mais instruídas, o trabalho temporário e de meio período é mais comum entre as mulheres rurais do que entre os homens. Na Espanha, a porcentagem de mulheres rurais jovens com estudos superiores é de 33% em comparação com 18,9% dos homens.

Além disso, estas desigualdades colocam em grave perigo o futuro da agricultura e da pecuária. É verdade que o número de mulheres chefes de propriedades rurais aumentou e que hoje 3 em cada 10 propriedades rurais estão nas mãos de mulheres, mas ainda estamos longe de alcançar a igualdade.

“O primeiro pilar para a igualdade é o emprego”

Que apoio vocês oferecem na AFAMMER à mulher no ambiente rural?

Na AFAMMER contamos com diferentes ferramentas, como o “treinamento à la carte”, que ajuda essas mulheres a empreender em setores de diversificação da economia rural, como o agroalimentar, o setor de serviços, o dos cuidados ou o turismo rural. Também contamos com assessoria ao emprego e ao empreendimento, jornadas de liderança da mulher rural e uma rede de contatos de mulheres rurais de toda a Espanha

Além disso, no caso das vítimas que sofrem violência em ambientes rurais ou que estejam em risco de sofrê-la, contamos com um serviço de assessoria específico para mulheres rurais que sofrem violência.

Quando as mulheres se formam e empreendem no meio rural, geram riqueza para elas mesmas e também para as regiões em que moram. Hoje, as mulheres rurais lideram mais da metade do emprego autônomo na Espanha

As mulheres mais jovens deste ambiente diriam que, apesar de terem mais dificuldade, vale a pena apostar em trabalhar e empreender no meio rural. Seu empreendimento pode criar 300% de sinergias em todo o território rural. São as protagonistas, porque rompem com a masculinização e podem mudar a tendência do despovoamento. Quando uma mulher fica em uma cidade, assenta a população contribuindo para o desenvolvimento. A principal necessidade é que haja oportunidades e emprego porque os perfis de mulheres são muitos, desde psicólogas a engenheiras agrônomas ou industriais, cuidadoras ou trabalhadoras assistenciais. Há um grande desafio contra o despovoamento.

O que destacaria da sua etapa como deputada nacional pela província de Ciudad Real? E como vice-presidente da Comissão de Igualdade e não discriminação do Conselho da Europa?

Nunca esqueci que estava na vida política para continuar projetando a igualdade real de oportunidades das mulheres rurais. Em 2003, diante de uma emenda que apresentei aos orçamentos gerais do estado, tive a oportunidade de impulsionar um programa para a promoção da mulher rural.

Durante minha etapa como deputada nacional e como parlamentar da delegação espanhola no Conselho da Europa, tive a oportunidade de presidir várias comissões.  Entre elas, como você mencionou, fui vice-presidente da Comissão de Igualdade e Não Discriminação no Conselho da Europa, e a nível nacional presidi a Comissão de Igualdade ou a Comissão Mista para o estudo das Drogas. Tive a oportunidade de ouvir muitas vozes que vinham me ver para colocar em prática iniciativas sociais que marcaram um antes e um depois na vida de muitas pessoas.

Quanto ao meu trabalho no Conselho da Europa, sem dúvida também são muitos os aprendizados, pois tive a oportunidade de ser palestrante do Convênio de Istambul, que reconheceu pela primeira vez todas as formas de violência exercidas contra a mulher e a violência doméstica, e realizei diferentes relatórios entre os quais posso destacar o das Mulheres rurais na Europa no ano de 2011 ou o relatório Igualdade e integridade das pessoas com deficiência, entre outros.

“Não haverá futuro para os povos do mundo se não contamos com as mulheres”

Poderia nos dizer algum projeto liderado por mulheres que tenha tido um impacto significativo no desenvolvimento rural?

Como presidente nacional da AFAMMER, tive a oportunidade de conhecer muitas mulheres que, com trabalho e esforço, lideraram grandes projetos. Merecem menção todas as mulheres que lideram as diferentes delegações da AFAMMER e, além disso, decidiram apostar em criar sua própria empresa conseguindo independência econômica. Hoje decidem sobre sua vida porque têm um posto de trabalho.

Em 42 anos de vida da AFAMMER, sempre tivemos claro que o primeiro pilar para a igualdade é o emprego, por isso, desde o começo realizamos inúmeros projetos para a inclusão profissional e o empreendimento da mulher rural.

São muitos e muito diversos, mas posso destacar o de uma cooperativa de mulheres estofadoras que promovemos em Bolaños de Calatrava ou a cooperativa de queijos de Puebla de Don Rodrigo.

Além disso, hoje 56% dos alojamentos rurais na Espanha são administrados por mulheres, e muitos deles impulsionados por sócias que se formaram com AFAMMER.

Tivemos grandes resultados com a nossa grande oferta de treinamento à la carte, com cursos presenciais e também on-line, pois com a chegada da pandemia tivemos que digitalizar a uma velocidade vertiginosa e muitas pessoas em áreas rurais foram pegas sem o conhecimento necessário para realizar procedimentos que são indispensáveis hoje em dia, como assinaturas eletrônicas.

Há 15 anos já víamos mulheres de 80 anos que aprendiam a usar seus e-mails e deixavam seus netos espantados quando lhes enviavam um e-mail, pois não pensavam que suas avós fossem capazes de fazer isso. Essas experiências lhe ensinam que, de fato, nunca é tarde demais para aprender e ser capaz de construir um novo modo de vida e ter novas oportunidades.

Nesse sentido, vale a pena destacar o sucesso do curso de comércio eletrônico para empresas rurais que a AFAMMER desenvolveu em 2022 graças ao apoio da Fundación MAPFRE, que foi muito bem recebido. Também nossa plataforma Turisabor, que oferece oportunidades de emprego e incentiva as economias locais através da promoção e venda de produtos locais, sejam de origem vegetal ou animal, que ocorrem nos Espaços Naturais Protegidos.

Graças a esse treinamento, hoje vemos como o comércio eletrônico conduzido por empresários de PMEs rurais vende seus produtos em lojas on-line e compete com o comércio eletrônico de grandes multinacionais.

Além disso, no ano passado, demos visibilidade a 12 mulheres empreendedoras em nosso programa de treinamento e capacitação para empregos verdes e empregos de assistência, mulheres que podem servir de referência e motivação para outras mulheres e incentivar outras a seguir seu exemplo.

Que histórias vividas no ambiente da associação AFAMMER impactaram em sua vida? 

Foram quatro décadas de momentos maravilhosos e cheios de vida, nos quais tive a sorte de receber reconhecimentos de grandes órgãos nacionais e internacionais.

Em 2018 tive a grande honra de viajar às Nações Unidas e ser condecorada no TOP 5 do Comitê de Distinção, que reconhece a trajetória e o esforço de mulheres em qualquer lugar do mundo para alcançar a verdadeira igualdade de oportunidades. Eu era a única europeia indicada, pois normalmente este reconhecimento não costuma ser dado a mulheres que vivem em países desenvolvidos.

Em 2011, fui condecorada com o Prêmio Nacional do Observatório contra a violência doméstica e de gênero do Conselho Geral do Poder Judiciário, um prêmio muito importante para mim porque meus filhos Antonio e Daniel me acompanharam e, nesse momento, percebi que tinham entendido o trabalho que realizei como presidente nacional da AFAMMER para conseguir a igualdade de oportunidades e lutar contra a violência de gênero.

Também nunca esquecerei a grande rede de solidariedade que nós, mulheres rurais da AFAMMER, criamos durante os momentos mais difíceis da pandemia, quando era impossível sair às ruas e ajudamos a tecer 500.000 máscaras graças à colaboração da Genómica, que nos ajudou a arrecadar fundos que distribuímos entre as mulheres da AFAMMER em toda a Espanha. Além disso, mantivemos contato constante com os idosos que viveram a pandemia sozinhos para garantir que nada lhes faltasse e que não precisassem sair para comprar itens de primeira necessidade e se expor ao vírus. Essa grande rede de solidariedade recebeu o Prêmio de Solidariedade do Comitê Econômico e Social Europeu em 2021.

Este ano, durante nossa participação na 68 Comissão Social e Jurídica da Mulher das Nações Unidas, assinamos nossa adesão à Década Interamericana dos Direitos de todas as Mulheres, Adolescentes e Meninas em ambientes rurais das Américas (2024-2034), promovida pela REDLAC, com o objetivo de garantir os direitos das mulheres rurais nos acordos internacionais como CEDAW, Beijing etc.

Em que você acha que o acordo que a AFAMMER fez com a Fundación MAPFRE pode contribuir?

Conseguir a igualdade real de oportunidades é algo que beneficia a todos nós, não só a Espanha rural. Por isso, é importante que empresas de grande prestígio como a Fundación MAPFRE se aliem a organizações como a AFAMMER, que contam com experiência no local e vão aonde as administrações não podem ir.

Na AFAMMER, esperamos que o projeto «CuidaRural+: uma oportunidade de transformação» contribua para o treinamento para o emprego, para o enraizamento das pessoas e para a melhoria substancial da qualidade de vida das pessoas que vivem nas áreas rurais da Espanha.

Graças a esse projeto, damos aos residentes rurais a oportunidade de treinamento e subsequente geração de empregos e oferecemos atendimento de qualidade à população rural necessitada, garantindo assim um atendimento mais eficaz, compassivo e adequado às suas necessidades específicas.

Oferecemos a melhoria do treinamento na área de saúde e assistência social em áreas rurais da Espanha, em municípios com menos de 30.000 habitantes.

Para atingir este objetivo, serão capacitados cuidadores não profissionais em áreas rurais. Preencheremos a necessidade com pessoas do povoado, criando raízes e atendendo à crescente demanda por cuidados de grupos vulneráveis em áreas rurais.

Também vamos melhorar a qualidade do atendimento informal a pessoas idosas, dependentes e com deficiência nestas comunidades e a promover a saúde e o bem-estar nas comunidades rurais através da prevenção de doenças e da promoção de estilos de vida saudáveis.

A oferta de treinamento, na modalidade presencial, consiste em 11 cursos nas províncias de Almeria, Granada, Badajoz, Murcia, Valencia e Ciudad Real. Entre os cursos presenciais oferecidos, temos um atendimento sociossanitário a pessoas no domicílio e outro de atendimento sociossanitário a pessoas dependentes em instituições sociais.

Além disso, trabalharemos em parceria com os conselhos locais, serviços sociais, organizações comunitárias e outros atores importantes para promover acordos que facilitem o emprego dos treinados nos próprios municípios rurais e contribuam para a melhoria geral da saúde informal e da assistência social.

ARTIGOS RELACIONADOS: