MAPFRE
Madrid 2,216 EUR -0,02 (-1,07 %)
Madrid 2,216 EUR -0,02 (-1,07 %)

SUSTENTABILIDADE| 05.04.2024

Finanças sustentáveis: quando os lucros para os acionistas são também lucros para o planeta

Ramon Oliver

Ramón Oliver

Os ISR (investimentos socialmente responsáveis) se tornaram o cavalo de Tróia que permitiram a inserção da sustentabilidade no próprio coração das atividades econômicas mundiais.

Desde 2006, quando as Nações Unidas enunciaram os Princípios para o Investimento Socialmente Responsável (PRI), os investimentos vinculados a critérios ESG (ambientais, sociais e de governança corporativa) não deixaram de crescer. Esse crescimento não seguiu um padrão exponencial, mas foi, como não poderia ter sido de outro modo, sustentável. De acordo com a Spainsif, 2020 foi o ano em que os investimentos socialmente responsáveis (ISR) conseguiram superar ligeiramente as operações convencionais (51% em comparação com 49%), uma tendência que continuou, com leves variações, nos exercícios posteriores. 

A equiparação dos investimentos verdes com aqueles que não possuem essa denominação também alcançou seus índices de rentabilidade. Isso é evidenciado pelos principais indicadores internacionais, como o índice MSCI World ESG Leaders Index, que o coloca em 12,75% em comparação com 12,81% do índice geral (MSCI World Index). Um empate técnico que, na prática, representa uma vitória para os primeiros, pois neutraliza o argumento principal de seus detratores: de que um investimento sustentável poderá ser sustentável, mas nunca investimento, porque não gera dividendos interessantes para seus assinantes.

Vento a favor

Vários fatores contribuem para o auge das finanças verdes. Entre eles, uma crescente conscientização ambiental e social, tanto da sociedade quanto da própria comunidade empresarial e financeira. A esse respeito, o Observatório Espanhol do Financiamento Sustentável (OFISO) afirma em um relatório recente que os fatores ESG deixaram de ser um nicho e se tornaram um fator estratégico dentro dos órgãos de governança e dos conselhos de administração das empresas. 

A regulação internacional também se posiciona claramente em favor de um modelo financeiro mais sintonizado com os grandes desafios da humanidade, como a mudança climática, as desigualdades sociais ou a ética empresarial. Textos como a Taxonomia Ambiental da União Europeia, a regulamentação MiFID II ou o recente Regulamento de Divulgação de Finanças Sustentáveis (SFDR) estão contribuindo com maior homogeneidade, transparência e segurança jurídica para este tipo de operações, o que resulta em mais interesse por parte dos investidores por elas. 

Mas a regulamentação não é a única evolução experimentada por esta vertente financeira. E é que, à medida que os ISR deixaram de ser uma singularidade para se tornar uma tendência, a oferta de produtos verdes que chegam aos mercados também é mais sofisticada e ampla. Além dos já consolidados títulos verdes ou fundos de investimento ESG, existem agora alternativas mais inovadoras, como os títulos de carbono, os fundos de investimento solidários, os seguros de impacto ambiental, os ETF sustentáveis ou os investimentos com impacto. 

As fintech aplicadas à sustentabilidade também estão impulsionando esse crescimento. De plataformas de investimento sustentável, que facilitam a criação de uma carteira especializada para os pequenos investidores , a aplicativos de IA para a análise do desempenho ESG, tokenização de ativos ou blockchain, a tecnologia mergulhou totalmente no universo ISR, ampliando significativamente seu alcance e possibilidades.

Bom para os investidores, bom para o planeta

Os investimentos sustentáveis são um instrumento essencial para o futuro da humanidade, a alavanca que permitiu introduzir de maneira efetiva e orgânica as questões ambientais nos mercados financeiros e, através deles, nas atividades econômicas em geral. 

Seu auge está permitindo que cada vez mais iniciativas de orientação sustentável encontrem o financiamento necessário para se tornarem realidade. Seja na instalação de usinas de energia renovável, nos planos de reflorestamento ou em projetos de apoio a comunidades e grupos vulneráveis, as possibilidades de que os mercados financeiros sirvam para apoiar projetos de geração de valor social e ambiental, em vez de puramente especulativos, aumentaram de forma exponencial. 

Outra vantagem dos ISR é que eles permitem alinhar a ação social e ambiental das empresas com seus objetivos econômicos em torno de métricas muito precisas. Uma possibilidade que possibilitou que entidades como a MAPFRE definam compromissos públicos de investimento alinhados com seu Plano de Sustentabilidade 2022-2024. 

Entre esses compromissos se destaca a transição para uma economia baixa em carbono, para a qual a empresa está trabalhando no lançamento de fundos de investimento em ativos alternativos como energias renováveis, imóveis e infraestruturas ESG. Além disso, a seguradora elaborou uma série de linhas vermelhas, como a de não investir em empresas nas quais 20% ou mais de suas receitas e/ou de sua geração provenha de energia produzida a partir do carvão. 

A MAPFRE também conta com fundos especializados, como “Inclusión Responsable”, centrados em empresas comprometidas com a inclusão de pessoas com deficiência, ou “Capital Responsable”, cujo foco está em promover empresas e entidades com estratégias voltadas ao acompanhamento de critérios ESG. Com estes produtos, a empresa busca conciliar o retorno financeiro com a promoção de melhorias ambientais e sociais.

Segurança em tempos de incerteza

Há outro motivo que torna os ISR uma opção especialmente interessante para os mercados financeiros, especialmente no contexto atual de forte instabilidade geopolítica, energética ou econômica: a segurança.

Por se sustentarem em projetos que contam com forte apoio social e perspectiva de longo alcance, os comportamentos deste tipo de investimentos são mais estáveis e resilientes diante de possíveis fatores de desestabilização. 

Um exemplo disso são os fundos administrados pela MAPFRE AM, a gestora de fundos do Grupo. Os critérios de sustentabilidade estão integrados em todos eles, o que significa que sua transformação em fundos dos artigos 8 e 9, de acordo com o novo regulamento mencionado acima, muitas vezes se torna uma mera formalidade legal. Até agora, essa categoria incluía a MAPFRE AM Inclusão Responsável e a MAPFRE AM Capital Responsável, bem como a MAPFRE Energias Renováveis II, um fundo de ativos alternativos que investe em biometano, um biocombustível 100% verde obtido de resíduos animais e vegetais, que pode ser injetado diretamente na rede de gás natural, gerar eletricidade por meio de motores e ser usado como combustível. Mas nas últimas semanas, os fundos da gama foram incorporados a essas categorias e é um processo que não está desacelerando.

Mas o compromisso da MAPFRE com as finanças sustentáveis vai muito além do produto. Em 2017, aderimos aos Princípios para o Investimento Socialmente Responsável (PRI) das Nações Unidas, por isso estamos desenvolvendo novos produtos de investimento para nossos clientes que atendam a esses princípios e critérios ESG. E hoje, cerca de 90% dos ativos no balanço patrimonial do Grupo têm classificações ESG altas ou muito altas.

 

ARTIGOS RELACIONADOS: