Madrid 1,8675 EUR -0,05 (-2,73 %)
ZoomTalentoPrensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M
SUSTENTABILIDADE | 01.12.2021

O dólar prateado viaja

Thumbnail user

À espera de que a normalidade retorne com a recuperação das viagens e do setor turístico até atingir níveis pré-pandemia, o último encontro organizado pelo Centro de Investigação Ageingnomics (CIA) analisou os desafios do setor em uma geração preeminente quanto ao consumo de lazer e apetite por viagens. Compreender e aproveitar as oportunidades oferecidas aos maiores de 55 anos em um mundo em que o envelhecimento envolve transformar a paisagem e a oferta turística, para satisfazer suas necessidades, e garantir sua capacidade de economizar, uma área em que a MAPFRE atua há mais de 80 anos.

“A fronteira está nos 55 anos”, afirmam os investigadores da silver economy, como Juan Fernández Palacios, diretor do CIA, ou Iñaki Ortega, conselheiro e moderador do encontro Turismo sênior, chaves e potencial. A expressão contém um verdadeiro convite para viajar: os mais velhos são mais ativos, gastam cada vez mais e melhor, exigem sustentabilidade e digitalização, e são incrivelmente ativos.

A partir dos 55 anos, as perspectivas para o futuro gozam de uma saúde que teria sido inimaginável há décadas, o que, juntamente com o cenário descrito por Ignacio Baeza, vice-presidente da Fundación MAPFRE: em 2040, 35% da população terá mais de 65 anos, oferece uma ideia das oportunidades apresentadas por este segmento etário. Por sua vez, o setor do turismo cresceu continuamente até a pandemia, empregando 1 de cada 10 pessoas em todo o mundo, muitas delas mulheres em regiões onde as condições são particularmente difíceis. Esta crise “nos dá a oportunidade de repensar como deve ser o setor turístico e sua contribuição para as pessoas e o planeta; a oportunidade de reconstruí-lo para ser melhor, mais sustentável, inclusivo e resistente, e para que os benefícios do turismo sejam compartilhados de forma ampla e justa”, diz Zurab Pololikashvili, secretário geral da Organização Mundial do Turismo (UNWTO).

Este repensar terá a ver com todo o ecossistema, mas certamente estará muito relacionado com o caminho que o turismo sênior está tomando. Embora poucas pessoas associem os maiores de 55 anos ao setor ou às novas tecnologias, por exemplo, dos 83,5 milhões de turistas que entraram na Espanha, 36% tinham mais de 55 anos de idade. Eles contribuíram com 33.000 milhões de euros em despesas diretas e criaram 596.000 empregos diretos. De acordo com as previsões, mais de 70% dos cidadãos mais velhos retornarão ao hábito de fazer uma escapada uma vez por ano.

Uma multiplicidade de fatores contribui para isso, incluindo o progresso tecnológico, o avanço do estado social e das vacinas, que permitiram à população viver mais tempo e participar plenamente do progresso econômico. Na Espanha, 60% do consumo provém dos idosos, e um em cada quatro euros também da riqueza nacional. De acordo com os resultados obtidos na primeira edição do Barómetro do Consumidor Sénior em Espanha, os consumidores seniores destacam-se como um motor da economia espanhola, mas também como um pilar em tempos de crise. Em 10 de dezembro, o Ageingnomics Research Center apresenta, em colaboração com o Google, as conclusões do segundo relatório.

Nos EUA, país que há muito tempo detectou o crescimento do valor agregado dos mais velhos, já cunhou a expressão “dólar de prata”.

Boom do baby-boom

De acordo com o Eurostat (Escritório Estatístico Europeu), nos últimos anos houve uma expansão do turismo entre as pessoas mais velhas. Isto é pelo menos parcialmente explicado, dizem, pelos costumes, mais propensos às viagens, pelos recursos disponíveis para a geração do baby boom, avançando lentamente para a aposentadoria, e pela maior proporção desses “silver” com vidas longas e saudáveis.

Entre duas e três viagens em 10 são feitas por seniores. Em poucos anos, elas serão metade. “Visa nos diz que este é o segmento que mais viaja”, e o faz com o que veio a ser chamado de juvenescência: com mais anos, mas também com melhor saúde, maior renda e economia, e uma mudança de mentalidade que quebra limites mentais para viajar, consumir lazer e serviços antienvelhecimento.

Um cliente atraente

O viajante sênior tem tempo, condições físicas e é curioso. Ele procura bom tempo e mar, mas valoriza a cultura, a boa gastronomia e a possibilidade de ser surpreendido. “Ganhamos mais com este perfil do que com outros”, explicou Yaiza Castilla, ministra da Indústria, Comércio e Turismo das Ilhas Canárias no evento, quem admite que as ilhas “estão se preparando para entrar no Top 10 de destinos turísticos, adaptando sua oferta para atrair esta faixa etária”. Pioneira no desenvolvimento de um plano estratégico para o Turismo Sênior, confia em inspirar outras regiões e em se beneficiar da colaboração público-privada.

O Eurostat explica que, ao contrário das limitações da população em idade de trabalho (devido a seus próprios empregos, férias escolares ou fechamentos de verão), aqueles que se aposentaram têm flexibilidade, de modo que podem obter melhores condições de viagem e prolongar suas viagens.

Para uma companhia aérea como Iberia Express, como resumiu seu CEO durante a reunião, “o sênior é um passageiro muito valioso, com muito potencial e que não está sendo explorado como deveria ser”. De acordo com o grupo hoteleiro Barceló, 40% de seu faturamento provém de pessoas maiores de 55 anos.

Este é um cliente premium, menos sensível ao preço e que escolhe o produto mais completo, compra com antecedência, não procura low cost, voa duas ou três vezes por ano e pode fazê-lo mais. Um segmento subvalorizado, segundo os especialistas, como acontece em muitas áreas da economia prateada, aponta Iñaki Ortega, como o empreendedorismo e a tecnologia.

Silver housing e serviços de valor agregado

Uma das tendências associadas ao turismo sênior é o silver cohousing, lares colaborativos onde a dependência dos mais velhos pode ser adequadamente atendida quando necessário, e em que o convívio pode ser fomentado. Seguindo o exemplo dos países nórdicos e das sociedades mais avançadas, há um incremento nos desenvolvimentos para adaptar a vida aos diferentes estágios da vida. Ao finalizar a fase de trabalho, há aqueles que querem optar por soluções imobiliárias para viver com amigos com serviços específicos.

Durante o evento do Centro Ageingomics, Ignacio Baeza explicou que este segmento está à procura de serviços sociais e de saúde quando viaja. Eles querem sair e caminhar, sem encontrar escadas a cada passo, por isso será necessário trabalhar na parte urbanística. Os Fundos Next Generation EU inclui uma alocação de 6% dedicada à economia dos cuidados, que abrange cuidados para dependentes, modernização dos serviços sociais, acessibilidade tecnológica e que, de acordo com Ortega, “deve transbordar para o lazer, saúde e envelhecimento ativo”.

Segundo a Fitur, o turismo de saúde é uma das áreas que mais crescerá nos próximos anos e está intimamente relacionada ao envelhecimento ativo, um conceito que envolve aproveitar ao máximo as oportunidades de bem-estar físico, mental e social ao longo da vida.

Isto irá alimentar as empresas que já estão crescendo para taxas de dois dígitos, por exemplo, em fisioterapia, nutrição antienvelhecimento ou na organização de consultas. Uma oportunidade para aqueles territórios e países que sabem como atrair seus empresários e empresas.

Pratear a oferta financeira

Mas é difícil manter uma pirâmide populacional cada vez maior, que está envelhecendo e que, segundo a ONU, incluirá 2.000 milhões de pessoas idosas no mundo até 2050. Também exigirá pratear a economia, ao mesmo tempo em que protege a saúde econômica global. Na Espanha, por exemplo, de acordo com dados revelados durante a reunião da ACI, 60% do PIB é sustentado pelo consumo interno.

Portanto, durante o colóquio, os especialistas insistiram que as instituições públicas deveriam incentivar a economia, buscando apoio complementar à pensão pública que permita a este segmento não só proteger sua qualidade de vida, mas também viver mais tempo. Eurostat diz que este é o segmento que mais gasta, mas naturalmente precisa de uma pensão, economias, ferramentas e colaboração público-privada.

 Artigo relacionado: