Madrid 1,76 EUR -0,07 (-3,83 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE| 4.08.2021

Que desafios o nosso planeta enfrentará para evitar a próxima pandemia?

Thumbnail user

A humanidade enfrenta dois grandes desafios em escala global: a atual pandemia do coronavírus SARS-COV-2 e as mudanças climáticas. Não podemos mais falar a médio e longo prazo, pois ambos são problemas urgentes. Embora um deles ocupe de forma avassaladora as manchetes dos meios de comunicação e as timelines das redes sociais, a verdade é que o combate à redução ao valor recuperável do meio ambiente não foi tão adiado quanto pode parecer. 

Todas as agendas, tanto dos grupos de pressão social como dos vários organismos nacionais e supranacionais, estão ainda em curso. Os objetivos permanecem intactos, embora o trabalho do ativismo tenha sido reduzido por ser circunscrito à esfera digital, adaptando-se à situação.

Podemos pensar que estamos falando de dois desafios que estão totalmente desvinculados uns aos outros, mas não é esse o caso. Como já contamos neste espaço, quando falamos do Dia Mundial do Meio Ambiente, muitos especialistas nos advertem de que estamos agora mais expostos do que nunca a novas pandemias, uma vez que o papel protetor desempenhado pela biodiversidade está sendo perdido.

A extinção de outras espécies no nosso planeta torna os seres humanos mais vulneráveis a zoonoses, ou seja, infecções transmitidas de uma espécie animal para os humanos. A defesa da biodiversidade passa logicamente pela preservação do meio ambiente e dos diversos habitats do nosso planeta. E a mudança climática é o termômetro que nos avisa que não estamos indo bem.

O “grande reinício” que eles propuseram em Davos 

Quando um computador começa a renomear e não funciona mais corretamente, geralmente reiniciamos o dispositivo. Algo assim é o que foi proposto para o nosso planeta no último Fórum Econômico Internacional em Davos. Foram elaboradas sete linhas de debate, sendo uma das mais importantes a proteção do meio ambiente.

Foram um total de 250 propostas nesta questão. O conceito de zero emissões líquidas (neutralidade de carbono, pegada de carbono zero) foi, obviamente, discutido, mas também a energia limpa e a economia circular.

Mais estreitamente relacionada com o tema das pandemias está a proposta de melhorar o estudo das doenças zoonóticas no âmbito de medidas sobre política de saúde. E também, falando de geopolítica, a conclusão de que os problemas globais, como as alterações climáticas ou a crise da COVID-19, exigem respostas globais e coordenadas.

Como diz o próprio site do Fórum Econômico Mundial, são necessárias novas ideias para catalisar um “grande reinício” após a crise. Os participantes veem uma mudança na atitude global como chave, bem como definir o foco no que realmente importa: mais benefícios sociais e ambientais e menos em medidas estritamente econômicas.

Algumas soluções concretas na mesa

Um dos temas recorrentes do debate é a realização do objetivo de alcançar a neutralidade da emissão de carbono até 2050. Patrocinado pela ONU e por outros órgãos supranacionais, como a União Europeia, e apoiado por grandes países em todo o mundo, incluindo os Estados Unidos após sua mudança de governo.

Além dos governos e da sociedade civil, a concorrência do mundo empresarial e industrial também será essencial. Mais uma vez, a partir do site do Fórum Econômico Mundial, fomos informados de que as principais indústrias (alimentação, automotiva, moda etc.) são responsáveis por 50% das emissões globais de CO2. Temos a tecnologia para descarbonizar suas cadeias de suprimentos e para o consumidor final isso significaria um aumento nos custos que podem ser assumidos entre 1% e 4%. 

Cabe lembrar que o dióxido de carbono não é o único poluente em nossa atmosfera. Embora esse tipo de informação precise ser observada com cautela, estudos sugerem que o aumento da poluição do ar pode ter levado a taxas mais altas de infecção por coronavírus em algumas regiões.

Parece haver também um grande consenso sobre a promoção de energia limpa e renovável. Conforme dissemos, o bilionário e filantropo Bill Gates faz uma aposta clara no aumento do investimento em pesquisa sobre esse tipo de energia, solicitando que as administrações públicas sejam envolvidas. Talvez mais fricção possa conduzir a outra das suas propostas: ele considera que a energia nuclear pode ser o complemento perfeito para que as energias renováveis combatam as alterações climáticas.

Temos de nos ater, por um momento, sobre o tema da biodiversidade, crucial, como já foi dito, na propagação de zoonoses que poderiam levar a pandemias, a fim de recordar que, na sua defesa, será essencial combater a devastação das florestas, culpada do desaparecimento de espécies tanto vegetais como animais. O Greenpeace, destaca que um milhão de espécies poderiam desaparecer para sempre por causa desse problema premente.

E se outra pandemia vier, o que faremos?

Seria contraproducente nos enganarmos e pensar que, apesar da grande relação existente, se forem registrados progressos na defesa do ambiente, estaremos seguros de novas epidemias globais. Ao longo da história, eles acontecerão e espera-se que isso continue acontecendo. É por isso que é interessante parar para pensar sobre o que fizemos de errado nesta ocasião e como a nossa resposta poderia ser melhorada no futuro.

Dois especialistas da Universidade do Texas, Tiffany A. Radcliff (políticas sanitárias) e Angela Clendenin (epidemiologia), propõem cinco estratégias para antecipar a próxima pandemia, mitigando seus efeitos e até mesmo tentando evitá-la. Algumas das suas propostas visam reforçar os sistemas de vigilância epidemiológica existentes, preparar melhor os cidadãos através de critérios claros e coerentes, melhorar a coordenação e tirar partido da nova normalidade que está por vir a introduzir mudanças como a promoção do teletrabalho.

 

mapfre-noticia-1600x687-mapfre-200millones-euros-coronavirus

À luz deste último, 39 cientistas de 14 países publicaram um artigo na revista Science solicitando o que chamam de “mudança de paradigma” na luta contra infecções respiratórias transmitidas, como a atual.

Já falamos neste espaço sobre a influência que as epidemias tiveram ao longo da história na arquitetura e no planejamento urbano das cidades: no sistema de esgotos, por exemplo. Ou o que eles terão no projeto das cidades do futuro.

Mas o que todos os cientistas mencionados pedem é algo muito mais concreto: a melhoria dos sistemas de ventilação nos espaços interiores. Tal como no passado, a melhoria da higiene da água potável foi alcançada, eliminando os agentes patogênicos que nela se encontram, acreditam que o desafio agora é garantir a qualidade do ar que respiramos em todos os tipos de edifícios.

Em suma, é impossível ter a certeza de que a humanidade não sofrerá mais epidemias globais, mas está em nosso poder minimizar as probabilidades e os seus efeitos. Ao mesmo tempo, temos uma razão importante para enfrentar o grave problema das alterações climáticas, que nunca deixou de estar presente, para nós e para as próximas gerações.