Madrid 1,9265 EUR 0,01 (0,55 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Publicação de resultados 1T 2021
29 de abril de 2021

Consulte a documentação financeira publicada

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SEGUROS| 14.04.2021

O setor de seguros confia na recuperação, impulsionando pela digitalização e a transformação sustentável 

Thumbnail user

A KPMG e a CEOE apresentaram recentemente um relatório sobre a transformação e a digitalização que destaca os desafios por meio dos quais as empresas esperam deixar para trás a incerteza e avançar para a competitividade: transformação digital, treinamento de funcionários e sustentabilidade. Todos eles são focos nos quais a MAPFRE trabalha há anos através da iniciativa estratégica Desafio Digital.

As expectativas, as estratégias e os riscos das empresas espanholas são analisados no relatório mais recente, Perspectivas Espanha 2021, elaborado conjuntamente pela consultora KPMG e pela Confederação Espanhola das Organizações Empresariais (CEOE).

Evidencia, por meio de uma consulta aos gestores e empresários, que o balanço de 2020 mantém um sabor agridoce, em que se manifesta o “impacto desigual da pandemia nos diferentes setores e a transição definitiva para uma nova realidade competitiva”, como ressalta Hilario Albarracín, ex-presidente da KPMG España.

Quase metade considera que a situação é “sensível” e que “conviremos com a Covid-19 por pelo menos mais 12 meses”, embora tenham sido desencadeados impulsionadores da recuperação, como a digitalização e a transformação sustentável, que se encontram em uma posição de destaque nos planos estratégicos das empresas, como a MAPFRE.

No capítulo a respeito dos desafios, além da transformação digital, a gestão de pessoas e a adaptação às mudanças de hábitos de consumo aparecem em um lugar de destaque.

 

Seguros, a rede de segurança da sociedade

O relatório adverte que as perspectivas de evolução da economia para estes 12 meses são sensivelmente mais otimistas, com quase quatro em cada dez empresas confiantes de que a situação irá melhorar. Da avaliação setorial, o setor de segurador acredita (mais de 90%) que é boa ou regular, e 61% considera que a faturação aumentará ou será mantida (13%). Os setores que verão uma recuperação mais tardia são o turismo e os transportes, especialmente afetados pelas restrições à mobilidade, bem como o automotivo.

Os seguros situam-se também entre aqueles que acreditam (acima dos 30%) que o investimento da empresa aumentará em 2021, ou pelo menos será mantido (57%). 30% consideram que o quadro de funcionários poderia crescer este ano, e 57% apostam que se manterá.

A presidente da patronal seguradora, Pilar González de Frutos, define o setor como uma “rede de segurança” da sociedade em uma entrevista incluída no relatório. Ela exige, para manter a competitividade e poder adaptar-se às expectativas dos seus clientes, uma legislação neutra que promova “a inovação e a digitalização”.

O relatório salienta que os progressos na transformação digital das empresas dependem significativamente da capacidade dos trabalhadores em atualizar seus conhecimentos e competências. Trabalhadores de seguros e serviços para empresas (com uma nota de 7), estão ao lado dos trabalhadores de tecnologia com uma melhor qualificação.

Em 2018, a MAPFRE lançou o Desafio digital para gerenciar a mudança da organização na direção de um ambiente de trabalho adaptado à era digital, ganhando flexibilidade e agilidade, trabalho colaborativo e compartilhamento de conhecimentos, cultura digital e novas formas de retribuir e reconhecer. No início dos anos 2020, o Desafio digital evoluiu (Reto Digital II) para continuar gerenciando as mudanças com a adoção de novas capacidades, o desenvolvimento de estruturas mais dinâmicas e flexíveis e a personalização da experiência do funcionário.

Essa iniciativa estratégica provou ser uma peça fundamental da transformação, pois permitiu aos mais de 34 mil funcionários da MAPFRE trabalhar em casa durante a pandemia, pois desenvolveu novas formas de trabalhar em ambientes digitais e colaborativos. A aposta foi um sucesso e permitiu estar na #NaMAPFREmaisUnidosDoqueNunca.

 

[1] Infográfico elaborado a partir de informações destacadas do relatório integrado

 

Um 2021 decisivo 

Para nos ajudar na tarefa que temos pela frente enquanto país, dispomos de fundos europeus. “É fundamental que eles sejam usados com a visão do presente, mas também do futuro”, lembra Antonio Garamendi, presidente da CEOE. A Espanha poderá receber até 140 bilhões de euros da Europa (no âmbito do plano da Next Generation UE), 72 bilhões de euros em ajudas diretas a fim de transformar o seu tecido produtivo de forma a torná-lo mais resiliente, digital e sustentável.

Atualmente, 73% dos pesquisados no conjunto das empresas analisadas consideram que a situação econômica atual é má ou muito má. Quase metade considera que a situação de sua organização é “sensível” e nessa proporção estão as empresas que aplicaram ajustes no quadro de funcionários.

No entanto, o ano de 2021 apresenta-se como o ano de início da recuperação, com mais de 60% à espera de melhorias na faturação. 35% acreditam que os níveis pré-pandêmicos não serão recuperados até 2022 e 31% até 2023. Para o Governador do Banco de España, Pablo Hernández de Cos, o impacto final “dependerá da magnitude e da duração da crise e da eficácia das medidas”.

Quase sete em cada dez concorda que a digitalização é o principal desafio. Os planos de investimento das empresas a esse respeito concentram-se em ferramentas tecnológicas (com Big Data e Cloud no topo), bem como em segurança cibernética.