Madrid 1,832 EUR 0,02 (0,94 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SEGUROS | 23.06.2021

A função do seguro em um cenário pós-COVID

Thumbnail user

A pandemia global da COVID-19 está tendo um impacto profundo em milhões de pessoas, lares, empresas e governos. O mundo inteiro foi forçado a mudar seus padrões de comportamento como consequência do vírus. Algumas dessas mudanças serão de curta duração, mas outras podem ser duradouras.

Como esse novo cenário afetará o setor de seguros? Este é o tema das Jornadas Internacionais recentemente realizadas pela MAPFRE Global Risks, onde mais de 2.500 profissionais discutiram o contexto atual dos grandes riscos nesse novo cenário.

No mesmo sentido, a Associação de Genebra acaba de apresentar o seu relatório “The Global Risk Landscape after COVID-19: What role for insurance?”, que fornece uma análise do cenário de risco no mundo pós-pandemia.

De acordo com este think tank do setor de seguros, são quatro as mudanças mais importantes que as empresas enfrentarão nos próximos anos como resultado das alterações introduzidas pela pandemia: digitalização acelerada, crescimento do papel do setor público, mudança para resiliência e sustentabilidade e trabalho remoto.

Digitalização

A pandemia acelerou e ampliou a digitalização, à medida que os consumidores mudaram rapidamente do contato presencial para o virtual, aumentando exponencialmente as interações digitais nas áreas de trabalho, educação, consumo e entretenimento.

No entanto, o aumento da confiança na tecnologia levou a maiores riscos de segurança cibernética e ao colapso da infraestrutura e da rede de TI na lista das principais preocupações dos especialistas em riscos corporativos.

Como explicou Francisco Marco, presidente da MAPFRE Global Risks, nas Jornadas mencionadas acima, “a pandemia aumentou exponencialmente a adoção de canais digitais. Isso é muito atraente para os cibercriminosos, que visam especificamente usuários menos acostumados ao uso frequente de tecnologia. Riscos cibernéticos são um caso específico em que a indenização dificilmente será capaz de remediar o dano sofrido”.

 

Crescimento do papel do setor público

Os governos assumiram um papel de liderança sem precedentes durante a crise da COVID-19. O espectro de intervenções varia desde empréstimos de emergência e garantias a empresas, a injeções de capital em empresas privadas e cidadãos. Como resultado, o endividamento público também aumentou significativamente.

A OCDE estima que a relação dívida/PIB atingirá seu nível mais alto em pelo menos 40 a 50 anos.

Em algum momento, no entanto, a dívida pública terá de voltar aos níveis sustentáveis. Previsivelmente, isso exigirá impostos mais altos, medidas de austeridade ou políticas governamentais destinadas a manter as taxas de juros ultrabaixas para minimizar o custo da dívida. Essas políticas, conclui o relatório da Associação de Genebra, “equivalem a um imposto invisível sobre os poupadores e podem minar a sustentabilidade dos sistemas de previdência e a relevância dos produtos da economia baseados em seguros de vida”.

Foco na sustentabilidade

Muitos governos estão comprometidos em “reconstruir melhor”, ou seja, aproveitar o estímulo à recuperação para promover a resiliência e a sustentabilidade. A OCDE sugeriu que os governos alinhem seus objetivos de recuperação com os de redução de carbono, melhorando as cadeias de fornecimento e investindo em energia renovável.

Também destacou a crescente importância do bem-estar, da inclusão e da acessibilidade nas decisões relacionadas à alocação de recursos. As seguradoras podem contribuir significativamente para atingir esses objetivos, não apenas como grandes investidoras institucionais, mas também por meio da “assinatura de impacto” e da assinatura de riscos das energias renováveis, da mobilidade alternativa e dos estilos de vida mais sustentáveis.

 

Trabalho remoto

Um número crescente de empresas está explorando mudanças em relação ao trabalho a distância que seus funcionários podem realizar. Essa alteração tem implicações para as exposições de risco das empresas. Uma área importante a esse respeito é, novamente, o seguro cibernético, que está ganhando importância à medida que as empresas e suas redes dispersas operando em sistemas domésticos se tornam mais vulneráveis a ataques.

No futuro, as empresas que trabalham a distância podem ter menos exposição a danos à propriedade, mas como a pandemia destacou, mais atenção deve ser dada às perdas por interrupção de negócios.

Como Kai-Uwe Schanz, Chefe de Pesquisa e Prospectiva da Associação de Genebra e autor do relatório, afirma: “as oportunidades abundam para as seguradoras no mundo pós-pandemia. A conscientização individual e corporativa dos riscos à vida, à saúde e à renda atingiu novos patamares. De um modo mais geral, a nível social, a transição para a sustentabilidade tornará mais fácil para as seguradoras transmitir o seu propósito social: construir resiliência e promover o desenvolvimento sustentável. Ao mesmo tempo, as expectativas aumentaram em relação ao papel dos seguros. Após a pandemia, as seguradoras devem intensificar suas ações em termos de redução das muitas lacunas de proteção expostas pela COVID-19.”