Madrid 1,76 EUR -0,07 (-3,83 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SEGUROS| 10.05.2021

Da periculosidade do carregamento da bateria à importância do gerenciamento de mudanças: os cinco principais riscos industriais

Thumbnail user

A equipe de engenharia da MAPFRE Global Risks analisou os principais riscos e forneceu recomendações para melhorar as condições de segurança de grandes empresas.

Carregamento de baterias, trabalhos a quente, bombas de proteção contra incêndio, gestão de mudanças e desligamento de sistemas de segurança estão listados entre os cinco principais riscos industriais mais repetidos nas visitas técnicas realizadas pela equipe de engenharia da MAPFRE Global Risks.

Em recente webinar apresentado por Eduardo García Mozos, diretor de engenharia da unidade de negócio, cinco especialistas relembraram as bases da gestão de risco por meio de casos práticos: otimizar o binômio probabilidade/impacto. Além disso, ofereceram fundamentos para controlar o risco, prevenir sinistros e minimizar as possíveis consequências dos eventos mais frequentes.

 

Alberto Romera, engenheiro da MAPFRE Global Risks, detalhou o perigo do processo de carregamento da bateria, especialmente recorrente em instalações de reserva de energia ou com empilhadeiras elétricas. O risco potencial apontaria para a geração de hidrogênio, que poderia levar a uma atmosfera explosiva, que somada ao aparecimento de uma faísca elétrica, necessariamente causaria um incêndio.

A recomendação do especialista é prestar atenção especial à localização da zona de carregamento, ao contato com o material ou dentro de uma construção combustível e à proximidade de máquinas críticas para o processo industrial.

Como? Primeiro, propõe-se um carregamento seguro da bateria, ventilando os espaços, afastando outros riscos que possam surgir, compartimentando as áreas, se possível, com divisórias resistentes ao fogo, de forma a mitigar tais riscos. A abordagem da seguradora é ir além dos requisitos regulamentares em termos de manutenção e segurança.

 

Em segundo lugar, Germán Martínez, engenheiro mecânico, aludiu à implementação de autorizações de trabalho a quente, no caso de cortes, soldaduras ou geração de chama viva. As anomalias encontradas nas fiscalizações afetam principalmente o desconhecimento da autorização de trabalho para a realização deste tipo de processo e a ausência de medidas adequadas de prevenção de incêndios, entre outros aspectos. O objetivo é sempre prevenir perdas humanas e materiais.

Durante o evento, foi analisado um incêndio em uma fábrica de produtos pecuários, que colocou toda a fábrica em risco. O especialista lembra que a autorização de trabalho a quente é necessária em todas as instalações que não podem realizar esse trabalho em local permanente e adequado. Além disso, áreas perigosas (com atmosfera explosiva) devem ser evitadas, materiais combustíveis removidos e áreas vulneráveis protegidas.

Se for um trabalho a quente, deve ser realizado em uma determinada área. É importante verificar se não é perigoso. Caso contrário, é preciso implementar uma licença, para a qual é recomendado um procedimento com um formato exclusivo da atividade, treinamento de pessoal próprio ou contratado, elementos de fiscalização de obras e autorizações e medidas de segurança, atendendo aos requisitos mínimos a onze metros de distância onde ocorre a atividade (organização, ventilação, extintores e segurança).

 

O engenheiro de PCI (Proteção Contra Incêndios) Joaquín Lorao, por sua vez, referiu-se ao ACI (Abastecimento de Água contra Incêndios): um sistema crítico para “a instalação de extinção que fica adormecida exceto quando necessário, quando não há margem de erro”. Segundo o especialista, é como o coração do corpo humano: não deve falhar. Entre os elementos que devem ser protegidos encontram-se a documentação técnica e de partida, a base para futuras inspeções, os testes e a manutenção, que é tão fundamental quanto as autoverificações.

É importante garantir nível da água no tanque, posicionamento das válvulas e bombas no modo automático, boas condições ambientais, sem umidade e temperatura acima de quatro graus Celsius, ausência de sinais de alerta ou vazamentos, motor de alinhamento da bomba, entre outras questões. Como sempre, é importante fazer uma análise da área, evitando que o conjunto de componentes encarregados de apagar o incêndio seja inundado em caso de chuvas torrenciais.

Lorao chamou a atenção para a documentação prévia, um programa de revisão planejado, a verificação do cumprimento das normas nacionais e internacionais, a emissão de relatórios (detalhados e registrados) e recomendações e a implementação de melhorias.

Ele lembrou ainda a importância de verificar o estado das bombas de incêndio, estabelecendo a curva das bombas para verificar o correto funcionamento do sistema de abastecimento de água.

 

Gestão da mudança e sistemas de segurança

Eduardo Sánchez, engenheiro industrial especializado em eletrônica, referiu-se à gestão da mudança com foco na prevenção de alterações, mudanças ou modificações na fábrica ou na construção, na tecnologia ou nos processos, e ao nível pessoal ou organizacional em relação à geração de novos perigos ou ao aumento de riscos pré-existentes.

É importante controlar a mudança com garantias, consoante se trate de uma substituição, ou se é temporária, permanente ou emergencial, o que implica a aplicação do(s) procedimento(s) de gestão correspondente(s). Indústrias como óleo e gás, química e petroquímica são mais críticas, detalhou, mas “isso é essencial” para todas as atividades.

O especialista analisou um caso específico em uma fábrica de alquilado de detergente nos EUA em que não se aplicou corretamente a gestão. Nos EUA, onde uma mudança de catalisador, entupimento de lodo, uma solução mal projetada que criou riscos adicionais, uma mudança de turno e uma comunicação deficiente também contribuíram para o problema.

No capítulo sobre recomendações, ele destacou a identificação da mudança, a análise de risco, a autorização e implementação da mudança e a revisão antes, durante e após o comissionamento. O sucesso na implementação de tudo isso depende, na sua opinião, de alavancas como a apropriação do processo, a gestão documental, uma equipe multidisciplinar e a criação de um painel de controle com indicadores.

 

Por último, María Teresa Queralt, responsável pela engenharia da MGR, referiu-se à desativação, descomissionamento ou indisponibilidade do serviço dos sistemas de PCI devido a obras, avarias, modificação dos mesmos ou manutenção. Além disso, existe a operação incorreta, que deve ser verificada por meio de uma autoinspeção.

Ela salientou a importância do procedimento de descomissionamento, que diz respeito aos primeiros casos, e sobretudo, a adoção de medidas alternativas de segurança para evitar que um pequeno incêndio ou foco de incêndio conduza a um grande incêndio ou uma catástrofe na sua ausência. 

Em relação à recomendação de descomissionar os meios de PCI, ela forneceu uma espécie de licença e lembrou que deve responder à tipologia dos sistemas envolvidos e equipamentos afetados, ao tempo de indisponibilidade, ao estabelecimento de uma forma de atuação de qualquer instalação desprotegida, medidas preventivas e adicionais, assim como aos procedimentos e responsabilidades de comunicação.