Madrid 1,674 EUR 0 (0 %)
SEGUROS| 29.11.2021

35 anos ajudando os argentinos a proteger seus bens mais preciosos

Marta Villalba

Javier Caamaño Malagón

 

 

Em 2021, a MAPFRE cumpre 35 anos de presença na Argentina,  uma época que já vem de longa data. Foi um dos primeiros países em que a empresa iniciou sua expansão internacional nos anos 80; atravessou as dificuldades econômicas das últimas décadas, das quais emergiu com um compromisso renovado com o país e expandindo-se por toda sua geografia; e atualmente está imersa em uma etapa de modernização, que se concentra na conveniência do cliente.
Uma boa prova disso é a possibilidade de comunicação através do WhatsApp. Desde o ano passado, uma simples mensagem deste aplicativo pode ser usada para fazer todo tipo de consultas gerais, e até mesmo para relatar um sinistro. Se o incidente for um incidente de trânsito e o segurado tiver solicitado um guincho, após o incidente ter sido informado, ele recebe um link para ver sua localização e hora estimada de chegada em tempo real.

Estas iniciativas facilitam a proximidade do cliente em áreas como automóvel, lar e empresa, três das ramificações mais importantes da MAPFRE na Argentina, com mais de 200.000 veículos, cerca de 10.000 lares e 13.000 empresas seguradas. A participação de mercado da empresa no ano passado foi de 2,2%, número que está de acordo com uma das principais características do setor segurador no país austral, sua baixa concentração: com 193 seguradoras no mercado, ela é a mais fragmentada da América Latina.

O total de prêmios de seguro na Argentina no ano passado foi de 11.841 milhões de dólares, um volume que representa cerca de 3% do PIB do país. Apesar do crescimento registrado nos últimos anos, este nível é ligeiramente inferior à média da América Latina, uma região que geralmente está subsegurada.

Esta situação tem suas origens nos altos e baixos econômicos que marcaram a história recente da Argentina. Décadas de dois dígitos, três dígitos e uma inflação ainda maior e desvalorizações constantes reduziram a capacidade de consumo e de economia dos argentinos, e não oferecem a certeza necessária para o crescimento de um setor como o dos seguros. Esta complexidade econômica pode ser vista, por exemplo, no baixo peso do seguro de vida no volume total, apenas 12,6%: diante da instabilidade, os argentinos optam por segurar seus ativos materiais, mas não consideram opções que implicam em uma perspectiva de longo prazo.

Este fenômeno não é exclusivo dos seguros; ele é encontrado em todo o setor financeiro. Estudos recentes do banco central do país demonstram que 20% da população adulta não tem conta bancária; há muitas pessoas que só a utilizam para receber seu salário e retirar dinheiro imediatamente, ou usuários que abriram uma conta para uma transação específica e não se lembram sequer de tê-la. Em um país onde, além da inflação crônica e das desvalorizações cíclicas, o “corralito” ainda está fresco em sua memória, não é surpreendente que uma das formas mais difundidas de economia seja a compra de dólares para mantê-los sob cadeado.

A MAPFRE viveu esses períodos mitigando os riscos dos argentinos e nunca deixando de cumprir suas obrigações mesmo em crises como a de 2001, que causou sofrimento a grande parte do sistema financeiro. Fiel a uma filosofia que pôs em prática em todo o mundo e especialmente na América Latina, a empresa superou as dificuldades e pouco depois daquele momento crítico, em 2003, redobrou sua confiança na Argentina com um processo de expansão territorial que multiplicaria sua rede de escritórios para 200 hoje.

Mais de 550 funcionários diretos, cerca de 4.300 intermediários e 2.200 prestadores (oficinas, eletricistas, guinchos, encanadores, etc.) estão presentes em todo o país. Para se ter uma ideia do tamanho desta rede de profissionais, entre o escritório do MAPFRE em Ushuaia, a cidade mais austral do mundo, e a capital da província andina de Jujuy, localizada na fronteira com a Bolívia, são quase 3.500 quilômetros, praticamente a distância entre Madri e Moscou.

Desde sua chegada à Argentina em 1986, a MAPFRE vem crescendo, respaldada por sua reputação de serviço de qualidade. Agora, continua somando pessoas que confiam na empresa, adaptando-se às suas necessidades com o impulso da revolução digital. O que não mudou nestes 35 anos no país, mesmo nos tempos econômicos mais incertos, é a convicção do enorme potencial que a Argentina ainda tem que desdobrar.