Madrid 1,76 EUR -0,07 (-3,83 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SAÚDE | 22.06.2021

Nuria Pastor: “A telemedicina torna possível passar da saúde reativa à saúde preventiva”

Marta Villalba

Marta Villalba

Nuria Pastor Hernández é formada em psicologia pela Universidade de Barcelona com especialização em gamificação pela Escola de Medicina de Harvard e seu trabalho no Instituto de Pesquisa Médica do Hospital del Mar, onde liderou projetos de eHealth, serviu como incentivo para ser uma cofundadora da startup HumanITcare. O nome dessa plataforma de telemedicina baseada em inteligência artificial define sua missão: melhorar a qualidade de vida das pessoas com a tecnologia. Assim como o trabalho remoto, a pandemia também acelerou o atendimento a distância: de 11% em 2019 para 46% em 2020 nos Estados Unidos, segundo McKinsey.

Na Espanha, a plataforma digital de serviços de saúde da MAPFRE, a Savia, atendeu mais de 150.000 consultas durante o confinamento e agregou 50.000 novos usuários. Atualmente, conta com mais de 260.000 usuários registrados. A consulta por vídeo, o bate-papo médico e o avaliador de sintomas foram os serviços mais exigidos. A McKinsey espera que a telemedicina se expanda nos próximos anos, já que 75% dos usuários relatam um alto grau de satisfação com esse serviço.

No caso das pessoas que experimentaram HumanITcare no Hospital Torrevieja (Alicante), essa porcentagem sobe para 92%, mas 100% afirmaram que gostariam de continuar usando-o pela tranquilidade e segurança que proporciona, explicou a sua cofundadora e CEO. Essa plataforma oferece assistência remota a pacientes crônicos por meio de diferentes dispositivos (alguns médicos e certificados, outros como relógios inteligentes e pulseiras de marcas conhecidas), que monitoram diferentes parâmetros de saúde (ECG, pressão arterial, qualidade do sono, glicose etc.), dependendo da doença. Assim, o médico recebe a informação do paciente on-line e em tempo real, o que permite fazer um acompanhamento. Se uma medição anormal for registrada, o sistema envia um alarme ao médico, que entrará em contato com o usuário ou providenciará a realização de um teste.

Além desses dados, a plataforma também facilita a coleta de informações qualitativas, por exemplo, sintomas, com questionários inteligentes que são respondidos por meio de um aplicativo, no celular ou tablet, ou em um site, no computador. Ela também é voltada para pessoas com doenças neurodegenerativas, tanto para tarefas de acompanhamento por parte da família como de assistentes sociais.

Uma ponte para a prevenção

Antes de lançar o serviço, a equipe médica criou um programa de acompanhamento adaptado às necessidades de seus pacientes. Por exemplo, em cardiologia estão trabalhando muito com pacientes que sofrem de insuficiência cardíaca, detalhou Nuria Pastor, para quem a telemedicina torna possível “passar de uma saúde muito reativa, porque agora até que a pessoa não fique doente não vai ao médico, para uma forma preventiva, onde é possível agir antes que o paciente piore. Esse é o maior valor que os médicos nos dizem que os pacientes veem na solução”.

Diversas entidades de saúde integraram a HumanITcare em experiências piloto, tais como os hospitais Vall d’Hebron (projeto europeu DISCOvERIE) e Clínic (pessoas pós-infarto), em Barcelona, ou La Paz, em Madri (com jovens transplantados). Os dados suportam seus benefícios com os pacientes: redução do número de visitas de emergência em 33%, aumento da adesão aos tratamentos e maior tranquilidade e energia, entre outros benefícios.

Nuria Pastor falou claramente sobre as vantagens: “esse serviço ajuda os pacientes a terem um atendimento 24 horas por dia, sete dias por semana, porque eles têm uma dificuldade adicional em suas vidas, que é uma doença crônica. Ele traz tranquilidade e qualidade de vida, pois permite ao paciente sair mais ou exercitar-se novamente. Para hospitais e unidades de saúde significa fornecer um serviço que realmente se adapte às necessidades do paciente. Ele não precisa estar doente para retornar ao hospital.”

No entanto, nem todas as pessoas são capazes de lidar com novas tecnologias. “Um dos maiores desafios que tivemos foi a lacuna digital.” Para superar essa barreira, eles desenvolveram várias soluções, tais como um tablet “superfácil de usar, muito adaptado às pessoas idosas, com ícones bem grandes, lembretes, bastante intuitivo e até divertido”. Se a pessoa tem algum tipo de dificuldade tecnológica ou deficiência, ela concebeu um dispositivo que substitui o aplicativo no celular e é operado simplesmente pressionando um botão ou diretamente falando com os assistentes de voz da Amazon ou do Google. Também “temos um programa de treinamento para o cuidador, familiar ou médico”.

Telemedicina: uma área com um longo caminho pela frente

A cofundadora da HumanITcare destacou o uso dessas plataformas para as seguradoras. Por um lado, a fim de integrá-la às unidades de saúde associadas e, assim, prestar um serviço de valor aos segurados, com o acompanhamento remoto. Por outro, para oferecer uma política mais personalizada, baseada em seu estilo de vida. Com relação ao último, “permite uma venda mais personalizada dos serviços. Isso já está sendo feito nos Estados Unidos, por exemplo, com uma seguradora puramente digital, Oscar Health. Estou convencida de que isso virá para a Europa. Na Espanha, esperamos implementar nosso sistema em uma companhia de seguros de vida antes do final do ano. Este é um dos setores que mais está inovando”.

A pandemia impulsionou a telemedicina, mas ainda há muito a ser feito. “Na Espanha está sendo desenvolvido um plano e a tendência na Europa diz que, entre agora e 2025, isso vai acabar sendo implementado. Por uma razão muito clara: o sistema de saúde pública é bastante ineficiente, pois consome muitos recursos. “Estou convencida de que eles terão que digitalizar muitos processos para otimizar os custos.” Nuria Pastor vê uma evolução lenta, mas segura, “porque já existe um hábito digital naqueles que serão sêniores em dez anos e para seu conforto”.