logo-mapfre
Madrid 1,819 EUR 0,03 (+1,62 %)
Madrid 1,819 EUR 0,03 (+1,62 %)

SAÚDE| 21.06.2022

Luis Rojas Marcos: “As pessoas que tendem a se comunicar e se relacionar têm uma vantagem”

Thumbnail user

O psiquiatra ofereceu uma conferência para analisar o poder da mente no envelhecimento, que foi promovida pelo Centro de Investigação Ageingnomics da Fundación MAPFRE.

“Se alguém me perguntar uma variável essencial para incrementar o poder da mente é a expectativa de vida. A duração de nossa vida é uma questão fundamental… E a Espanha é um exemplo. A idade média das mulheres atingiu 86,5 anos, ultrapassando a das cingapurianas e apenas superada pela das japonesas. “Vivem muito, porque falam muito”.

Com este início, o auditório da Fundación MAPFRE recebeu com um sorriso cúmplice um dos doutores mais internacionais, professor de psiquiatria e membro da Academia de Medicina de Nova Iorque, Luis Rojas Marcos.

O poder da mente no envelhecimento e os ingredientes para potencializá-la foram os elementos que nortearam a conferência. A palestra, focada na longevidade e na contribuição da perspectiva otimista para a superação de doenças, que em edições anteriores contou com cientistas reconhecidos como Eva Cortina e María Blasco, fez parte do Seminário Acadêmico 2022 sobre Economia e Longevidade, organizado pela Fundación MAPFRE e pela Fundación Gaspar Casal.

O diretor geral da Fundación, Julio Domingo, identificou os três grandes desafios enfrentados pela sociedade atual: o envelhecimento, a mudança climática e a transformação digital. E antecipando a importância das receitas que Rojas Marcos então ofereceria, apelou para a mudança de atitude necessária para valorizar as oportunidades proporcionadas pelo rejuvenescimento. É possível contribuir para superar a síndrome paternalista e a discriminação etária com projetos de impacto social e pesquisa, como aqueles apresentados pela Fundación.

Comunicação e controle da mente

Rojas Marcos ofereceu vários ingredientes para melhorar a qualidade de vida das pessoas, independentemente de sua idade. Uma delas é a extroversão. “A pessoa que tende a se comunicar e se relacionar tem vantagens em muitos sentidos; essa é a minha teoria”. Ele levou a comunicação até um nível íntimo, partidário de que as pessoas devem falar consigo mesmas. “A importância de falarmos sozinhos tem sido negligenciada. Quando criança, eu era muito hiperativo”, lembrou. “Não interrompa, agradeça, expresse-se bem, repetiam para mim. Nunca me disseram: quando você falar consigo mesmo, fale bem, com carinho”.  

Concentrando-se no envelhecimento, ele pediu para não cair no mesmo estigma que tem pesado sobre a saúde mental. “Quando a sociedade exige que em certa idade você vá para casa, é um problema”. Seus esforços, como os da Fundación e do Centro de Ageingnomics, também visam dedicar energia e recursos para aprender e estudar a qualidade de vida das pessoas idosas.

Para se sentir bem em todos os níveis, como afirma o conceito de saúde da Organização Mundial da Saúde, o exercício físico regular é importante (“ele lhe dá vida e acrescenta vida aos anos”).

LUIS ROJAS MARCOS

Otimismo e adaptação

Voltando para sua especialidade, ele lembrou que há 20 anos os recursos têm sido dedicados ao estudo do otimismo. Ele mesmo se declara assim. “Ele é ingênuo, acreditam, quando me projeto como otimista. O otimismo, na Europa, tem má reputação”, resumiu.

Entretanto, esta característica se conecta com a esperança, com “pensar que o que queremos vai acontecer”. É fundamental; sem ela, explicou um professor, “não há nada”, razão pela qual a depressão é uma doença particularmente preocupante, porque afeta a todos, crianças e adultos, e rouba a esperança.

Durante sua palestra, ele aludiu a eventos internacionais que marcaram os últimos anos, o desastre do Prestige na Espanha, o 11 de setembro nos EUA e no mundo e, mais recentemente, a pandemia da COVID-19, que desafiou a resiliência de todos. “Seu impacto mais terrível é que danificou nosso senso do futuro. Mais da metade do que dizemos tem a ver com o futuro. O que eu vou fazer no verão, quando minha filha tiver bom senso, quando ela economizar?”. Perguntas para as quais a incerteza e a vulnerabilidade roubaram o senso de futuro, “e isto impacta em forma dramática nas pessoas”, resumiu.

Muitos momentos que ele intercalou durante sua conversa, de suas memórias clínicas, pessoais e de infância, tiveram a ver com a superação das adversidades e a colocação do centro de controle em si mesmo.

Espero que você esteja bem. Cuide-se. É assim que começamos e fechamos nossos escritos com aqueles de quem gostamos. “A felicidade a longo prazo é complexa; todos nós queremos estar bem aqui e agora. Como nos aproximarmos [do presente] será um fator importante e se aplicará a qualquer idade. Controle e autoconfiança são fundamentais”.

Aprender a envelhecer, ele acredita, envolve uma adaptação à mudança, estar informado rigorosamente e entender que é natural, a partir dos 60-65 anos, que a memória possa, em algum momento, começar a falhar. Não tem nada a ver com demência, disse ele.

“É preciso dormir e acordar. Se nossa vida muda, precisamos saber por quê”. Ele insistiu em compreender o que nos acontece. “Hoje, eu me sinto estranho [após a viagem dos EUA e a mudança de fuso horário], porque em NYC são 4 da manhã”.

Solidariedade e afetos

“Em um desastre, quando ajudamos alguém a escapar, resistimos melhor ao pânico. Esta é uma defesa muito útil, porque nos ajuda a não entrar em pânico”. O psiquiatra lembrou que o voluntariado por uma hora por semana nos ajuda a dormir, melhora nosso humor e nossa vida em geral.
Finalmente, ele enfatizou a importância das relações emocionais na vida. “Conheci pessoas muito bem-sucedidas em suas vidas (esportistas, empresários, artistas) que chegam a um ponto em que dizem: não tenho amigos”, explicou ele, aludindo à ausência de felicidade naqueles que aparentemente tinham tudo.
Com a idade, o futuro se torna menos significativo, mas a memória autobiográfica é muito sábia. O cérebro tende a selecionar “naquele pote” as coisas boas a partir do que já experimentamos. Este tende a ser o caso para a maioria das pessoas quando são perguntadas se podem escolher 20 memórias. Elas vão para as positivas. E se alguém se lembra apenas das negativas, eu lhes dou meu cartão”, disse ele, provocando um grande sorriso da sala.
Sua receita noturna? “Não consigo dormir até não conseguir explicar por que meu chefe me disse isto, ou por que eu disse aquilo, ou por que minha filha disse isso. (…) Cada um tem seu próprio estilo explicativo. Tentar adotar uma positiva é um ingrediente comprovadamente útil, assim como um senso de humor. E para ilustrar isto, ele evocou “o anjo que minha mãe era para mim”. Quando sua doença se tornou oficial em 1994, ele se lembra que um dia perguntou, para minimizá-la: “Mamãe, o que você prefere, que nós a cremos ou a enterremos? E a mulher, que sempre havia entendido a criança que Luis tinha sido, tão hiperativa e maliciosa, respondeu: “Me dê uma surpresa”.

 

ARTIGOS RELACIONADOS: