Madrid 1,86 EUR 0 (0,22 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Publicação de resultados 1T 2021
29 de abril de 2021

Consulte a documentação financeira publicada

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

ECONOMIA| 12.01.2020

Recuperação desigual para 2021: um tour pelas perspectivas de alguns mercados

Thumbnail user

O novo ano também marca o início de uma nova era, com vários fatores: o governo Biden e seu retorno a uma abordagem comprometida com a agenda global e o multilateralismo; uma União Europeia fortalecida, mas diferente da que existiu nos últimos cinco anos (Liderança da Comissão Europeia e Novo BCE, retirada de Angela Merkel, ativação do fundo multimilionário de ajuda da UE, Brexit e renovação da Entente Atlântica); e tudo isso em meio à crescente ascensão da nova superpotência mundial, a China. Os últimos acontecimentos em Washington nos dias de hoje demonstram o nível de tensão e incerteza a que o mundo está sujeito.

Em meio a tantas incertezas, é consenso que o mundo sairá da crise em algum momento de 2021, e que aos poucos a economia mundial voltará a crescer. Segundo o relatório Panorama da MAPFRE Economics, “nem todos os países terão um comportamento homogêneo, a saída da crise será diacrônica, a recuperação do nível do PIB de 2019 ocorrerá mais cedo nos países que tiveram maior suporte de renda. ao longo de 2020 e 2021. Os EUA sairão primeiro, seguidos pelo Brasil. A União Europeia ou Latam ficará muito mais atrás, condicionada por sua estrutura produtiva e pela natureza dos estímulos recebidos”.

A seguir, revisamos as perspectivas de alguns dos principais mercados para 2021, conforme refletido no relatório do Serviço de Pesquisa MAPFRE:

América Latina 

Tem sido a região mais afetada pela Covid, tanto pela tepidez da resposta econômica (espaço fiscal escasso), quanto pela escassa disponibilidade de recursos de saúde. Também devido aos desequilíbrios e vulnerabilidades existentes (poupanças limitadas, vulnerabilidade externa, dependência do ciclo das matérias-primas e do setor do turismo). De acordo com especialistas da MAPFRE Economics, a América Latina “sofreu uma deterioração permanente nas expectativas de crescimento, passando dos 3% que propusemos há um ano para os atuais -8,1%. A pobreza aumentou de 23% para 30% da população, quase 3 milhões de PME faliram e quase 9 milhões de empregos foram perdidos. O crescimento per capita da Latam estagnou desde 2015, após a crise atual espera-se que a renda per capita recupere o nível de 2015 em 2025. Estamos diante de uma nova década perdida”.

No Brasil, os riscos de curto prazo residem na inevitável redução da ajuda às famílias, por sua insustentabilidade fiscal e suas implicações para a credibilidade nessa área. A equipe de Bolsonaro terá que encontrar a fórmula para evitar uma interrupção abrupta que causa grande impacto na economia. A projeção de crescimento do PIB para 2021 é de 3,2% no cenário central da MAPFRE Economics, após queda estimada de -4,7% em 2020.

Os riscos negativos para a economia mexicana concentram-se principalmente no atraso na resolução da pandemia e no consequente impacto no consumo, bem como numa menor dimensão do pacote de ajuda pública implementado, o que reduzirá a recuperação. Da mesma forma, a recuperação do seu contexto externo, especialmente nos EUA, e a retomada dos preços do petróleo serão fundamentais. “Também deve ser levado em consideração o risco de que o investimento demore a se recuperar, visto que desde 2019 já vinha sendo reduzido; nossa nova estimativa de PIB é de -8,9% para 2020 e + 5,3% em 2021”.

USA

Os riscos para a economia americana no curto prazo concentram-se na recorrência de ondas de pandemia que obrigam a fechamentos recorrentes. A implantação da vacinação em massa começará a ter benefícios no segundo semestre. No plano fiscal, “não acreditamos que o novo governo tenha muita capacidade para reverter os cortes de impostos de Trump, e sim chegará a acordos com os republicanos para continuar a aprovar novos pacotes de estímulo enquanto a economia continuar exigindo. Nosso cenário de referência aponta para uma recuperação do PIB de 3,9% anualizado em 2021, maior do que o estimado anteriormente (3,3%)”.

Europa

Apesar dos surtos recentes, o Panorama da MAPFRE Economics prevê uma recuperação significativa do crescimento em 2021 “mas não alcançaremos os níveis anteriores à crise antes de meados de 2022 e a abertura do produto não será fechada antes de 2024. A atividade terá implicações para a curva de juros, inflação e taxa de câmbio. Apesar da deterioração econômica, a União Europeia sai “institucionalmente fortalecida”. Dois pontos foram os gatilhos: a renovação do BCE e de todos os organismos europeus (Conselho, Comissão, Parlamento), que resultou num novo elenco de líderes fortes e menos espaço para o eurocepticismo; e a saída efetiva do Reino Unido da União Europeia e com ela sua capacidade de bloquear e vetar o projeto comum.

A Alemanha terá um superciclo eleitoral em 2021, com eleições federais e estaduais em várias regiões. Será um ano agitado no plano político e, entre outros assuntos, surgirá o debate sobre quem arcará com os custos do estímulo fiscal. Os riscos concentram-se na continuação do enfraquecimento da demanda interna, pelo menos até que grande parte da população possa voltar à vida normal, e na recuperação em maior ou menor medida da atividade exportadora, a depender da demanda externa.

Os riscos para a economia italiana estão agora centrados em uma possível recuperação da inadimplência dos bancos em 2021. A isso deve ser adicionada a instabilidade política usual na Itália e a capacidade de aproveitar ao máximo os fundos atribuídos a ela pelo fundo de recuperação europeu.

Na Turquia, os riscos para a economia decorrem principalmente de uma alteração brusca dos fluxos de investimento estrangeiro devido à elevada dependência de bancos e empresas de financiamento externo em dólares. O retorno às políticas de mercado livre após um período mais intervencionista continuará pressionando a moeda.

Esta é a repartição das previsões para alguns dos principais mercados, nos dois cenários centrais, base e stress, para 2021, segundo o relatório Panorama da MAPFRE Economics.