Madrid 1,828 EUR 0,02 (0,91 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Publicação de resultados 1T 2021
29 de abril de 2021

Consulte a documentação financeira publicada

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

ECONOMIA | 10.09.2020

Estimular a participação previdenciária na Europa

Redacción MAPFRE

Donal Ruane

Os entrevistados da pesquisa priorizam a segurança de seus investimentos acima de tudo. Os níveis de educação financeira precisam ser elevados para aumentar os níveis de participação.

A semana passada foi marcada pelo 354º aniversário do grande incêndio de Londres, a catástrofe que deu origem ao nascimento do seguro geral. A Insurance Europe, a federação pan-europeia de seguros e resseguros, também publicou seu relatório anual de 2019/2020 na semana passada. Embora a lembrança do trágico incêndio de Londres possa nos mostrar até onde chegamos em termos de partilha de riscos para proteger as pessoas e aquilo que mais importa para elas, a leitura do relatório oferece uma visão geral sucinta dos desafios que se colocam à frente das entidades de seguros na Europa e, por extensão, da sociedade como um todo.

Vale lembrar que o seguro está presente quase todos os aspectos do nosso cotidiano, e inúmeras coisas que consideramos naturais simplesmente perderiam sua função não fosse pela camada protetora que as entidades de seguros em cada país inserem no funcionamento da vida moderna. As seguradoras europeias pagam quase 3 bilhões de euros em sinistros todos os dias ao longo do ano, fornecem empregos diretos a mais de 900 mil pessoas em toda a Europa e investem mais de 10 trilhões de euros nas economias nacionais.

O relatório apresenta as contribuições especializadas de mais de 20 personalidades do setor europeu de seguros, que discutem uma vasta gama de temas de interesse e relevância imediatos. Os temas abordados vão desde mudanças climáticas até a Solvência II; relatórios financeiros até as normas; tecnologia de segurança até proteção cibernética e proteção de dados; e muito mais. Como seguradora global de seguros, a MAPFRE está ativamente empenhada em contribuir para assegurar o papel atual e futuro do seguro como uma peça essencial do motor socioeconômico que impulsiona nossas vidas sempre em frente. Juan Fernández Palacios, CEO da MAPFRE VIDA, é vice-presidente do Comitê de Seguros Pessoais da Europa e foi convidado a contribuir para o relatório deste ano.

O artigo de Fernández complementa outro escrito por Xavier Larnaudie-Eiffel, presidente do Comitê de Finanças Pessoais da Insurance Europe e vice-CEO da CNP Assurances, sediada na França, que discute os progressos realizados com a iniciativa pan-europeia de produtos de pensões pessoais (PPG). Em seu artigo revelador, Fernández se aprofunda nas conclusões de um estudo extenso realizado pela Insurance Europe sobre a preparação de pensões e das expectativas de aposentadoria entre os europeus, utilizando uma amostra da população de 10 mil pessoas espalhadas por 10 países. Os conhecimentos extraídos das respostas da pesquisa são ao mesmo tempo visivelmente claros e um pouco alarmantes, e não deixam dúvidas sobre a necessidade urgente de reforma e inovação em nível nacional e supranacional, se quisermos manter e melhorar ainda mais os padrões de vida na aposentadoria dos cidadãos europeus.

A revelação mais alarmante da pesquisa é, sem dúvida, o fato de que 43% dos entrevistados disseram que não estavam se preparando financeiramente para a aposentadoria, e mais de 40% responderam que poderiam não ter recursos para economizar para a aposentadoria. A vida profissional é, sem dúvida, muito digna, mas não ser capaz de viver as décadas finais com dignidade financeira, anula o esforço e o sacrifício dos trabalhadores em toda a Europa ao longo dos seus anos produtivos como contribuintes dos sistemas de segurança social nos respectivos países. Ninguém deve sentir que não consegue economizar para a aposentadoria, quando a realidade esmagadora é exatamente o oposto: ninguém pode deixar de economizar para a aposentadoria. E a partir do momento em que entramos para o quadro de funcionários, devemos ser automaticamente inscritos em fundos de aposentadoria blindados que nos acompanham à medida que mudamos de empregadores ao longo de nossa carreira, inclusive quando mudamos de país, à medida que aproveitamos as oportunidades de mobilidade profissional oferecidas como membros da União Europeia. Estes dois primeiros resultados preocupantes evidenciam a necessidade de níveis de educação financeira amplamente melhorados em toda a UE. De fato, esse mesmo tema é abordado em outro artigo esclarecedor do relatório anual, de autoria de Janina Clark, gerente editorial da Insurance Europe. Ela se refere a uma pesquisa internacional sobre educação financeira de adultos realizada em 26 países da Europa, Ásia e América Latina. A pontuação máxima no teste foi 21, que indicaria que uma pessoa tinha apenas o entendimento básico dos conceitos financeiros e a aplicação adequada das medidas de prudência nas transações financeiras. Dos mais de 50 mil adultos pesquisados, a pontuação média da pesquisa foi 12,7.

A pesquisa da Insurance Europe também perguntou aos entrevistados sobre suas prioridades em termos de pensões. Não é de surpreender que a segurança de onde e como suas economias foram investidas estava no topo da lista, e 60% das pessoas a mencionou como a mais importante. A força da preocupação das pessoas com este ponto valida a introdução da diretiva Solvência II (que calcula principalmente os níveis de capital mínimo que as seguradoras da UE devem manter para reduzir o risco de insolvência) em 2016, que pode ser considerada um exemplo de implementação bem-sucedida de uma regulamentação financeira transnacional e complexa.

As outras três prioridades mais importantes para os participantes da pesquisa foram: a flexibilidade (em termos de aumento, redução ou congelamento das contribuições para pensões), o legado (com a capacidade de deixar as pensões aos descendentes de forma eficiente em termos fiscais) e a liquidez (possibilidade de transferir ou acessar saldos de pensões).

A redução fiscal foi uma prioridade para 28% dos questionados, o que realça a necessidade de os governos europeus introduzirem uma legislação favorável às pensões que incentive as pessoas a se contratar pensões privadas complementares, cujo resultado será uma redução da carga dos governos em termos de despesas públicas para manter os pagamentos de pensões. (As despesas com pensões foi equivalente a 12,8% do PIB total da UE em 2015, e devem aumentar significativamente conforme nossos idosos vivem mais tempo.)

Curiosamente, o desempenho do investimento foi considerado uma prioridade somente por 14% da população pesquisada. Considerando que quanto melhor for o desempenho, mais dinheiro teremos para desfrutar em nossa velhice, há motivos para sugerir que a verdadeira razão por trás do ranking de desempenho de investimento tão baixo na lista de prioridades de pensões é, de fato, uma ausência de compreensão de como os fundos de aposentadoria são operados e geridos em nome dos investidores, o que, mais uma vez, salienta a necessidade de um esforço combinado para aumentar os níveis de educação financeira.

Na extremidade inferior da escala de prioridades estavam os investimentos sustentáveis – que certamente terão mais destaque nos próximos anos, como os fundos de investimento do tipo ASG (ambiental, social e de governança) continuam a ter mais-valias em termos de visibilidade – e a portabilidade, ou a capacidade de movimentar economias entre os países membros.

Infelizmente, as diferenças de gênero também estão presentes nos resultados da pesquisa: embora a descoberta surpreendente no título tenha revelado que 43% das pessoas pesquisadas não estavam economizando para sua aposentadoria, quando discriminadas por gênero, observa-se que 47% das mulheres não estão economizando, ao contrário de 40% dos homens.

Dois terços dos entrevistados declararam preferência por receber suas atualizações de planos de pensão e outras informações digitalmente, em vez de papel, o que aponta para a necessidade de inovação das seguradoras em relação aos aspectos de marketing e comunicação.

Globalmente, os resultados da pesquisa confirmaram o que muitos já sabem há muito tempo: não há uma abordagem única para promover uma maior inclusão previdenciária, mas deve haver um esforço conjunto significativo para garantir que nossos cidadãos sejam mais bem informados e atendidos em sua aposentadoria.

 Enquanto a Europa e o resto do mundo estão envolvidos em uma luta épica para deter a propagação da COVID-19 e encontrar uma vacina para o vírus mortal, os estudos demográficos confirmam que, globalmente, as taxas de longevidade estão aumentando e as pessoas estão vivendo vidas mais saudáveis por mais tempo. O desafio que os estrategistas políticos, os prestadores de seguros e o público em geral enfrentam é assegurar que sejam tomadas medidas adequadas e realistas a partir de agora, para que os anos adicionais sejam vividos com dignidade econômica, sem colocar uma pressão excessiva e desproporcional nas despesas públicas. É evidente que uma reforma forte e sustentável das pensões precisa estar no centro dessas medidas.