Madrid 1,796 EUR 0,02 (+1,3 %)

ECONOMIA| 07.03.2022

Por que a inflação sobre e como ela nos afeta?

Thumbnail user

A inflação abala os alicerces de qualquer economia. Não é de admirar que o americano Milton Friedman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia, o chamasse de “o imposto sem legislação”, ou que a própria Margaret Thatcher o considerasse “a mãe do desemprego e a ladra invisível daqueles que economizaram”.

A inflação, que tocou níveis históricos altos, faz menção ao custo da vida e, além disso, é um barômetro para determinar ações com fortes consequências na economia, que estão se tornando ainda piores em um contexto de crise geopolítica como o atual. Daí este tipo de afirmações. A consequência final de um aumento de preços é um consumidor que paga mais, e isso pode ter um impacto negativo nos resultados das empresas, mas também altera, como vimos em recentes reuniões de bancos centrais, a política de estímulo, que é essencial para que a recuperação não descarrile e para que os países mais endividados continuem pagando juros baixos pelo dinheiro emprestado nos mercados.

Neste momento, a taxa de preços se encontra desenfreada em um e outro lado do Atlântico, e devido à Guerra na Ucrânia, sua tendência continuará alta. De acordo com os últimos dados do Eurostat, a taxa anual na zona do euro foi de 5,8% em fevereiro, sete décimos acima do aumento observado em janeiro, o maior aumento de preços na zona do euro em toda a série histórica. Entretanto, nos Estados Unidos o Escritório de Estatísticas do Trabalho informou que a inflação subiu em janeiro para 7,5%, meio ponto acima da de dezembro, o aumento mais acentuado desde 1982. E na Espanha atingiu também 7,4% em fevereiro, a taxa mais alta em 33 anos.

Até agora, estes dados, apesar de quebrar longas séries estatísticas, não haviam disparado todos os sinais de alarme. Isto porque alguns dos fatores que estavam causando estes aumentos eram puramente cíclicos (além do que os estatísticos chamam de “efeito base”) e, portanto, levaram muitos especialistas a acreditar que estes níveis podiam ser temporários. Mas este pensamento mudou de forma radical e este bando ficou quase deserto, como consequência da guerra.

Fala-se até da possibilidade de estagflação, isto é, de um cenário de aumento da pressão de preços e estagnação econômica ou mesmo de recessão. “O aumento de curto prazo nos preços das matérias primas, juntamente com novos deslocamentos no transporte global resultantes da dinâmica geopolítica, resultaria na materialização de um prolongamento dos efeitos persistentes na inflação global, alterando as perspectivas de um pico de inflação ao longo de 2022 e adiando a previsão das taxas de inflação contidas dentro da faixa de médio prazo dos bancos centrais”, acrescenta Gonzalo de Cadenas-Santiago, diretor executivo de MAPFRE Economics. Funcas, em cujo painel MAPFRE Economics participa, já estimou na semana passada que os preços na Espanha poderiam subir 6,5% em média este ano, quase dois pontos acima de sua previsão prévia ao conflito, mas os eventos estão se desenrolando tão rapidamente que esta estimativa pode ter ficado além do esperado. Se estas previsões forem confirmadas, o poder de compra dos lares seria severamente afetado e, portanto, reduziria a dinâmica da recuperação do consumo privado, com um impacto muito significativo no crescimento.

Esta inflação, que se originou de um choque transitório nos custos de energia e transporte, altera persistentemente os preços relativos e pressiona as revisões nominais, como salários ou preços pré-estabelecidos (por exemplo, aluguéis). Isto levaria ao que é conhecido nos círculos econômicos como “efeitos de segunda ordem”, que iniciam o indesejável círculo vicioso da inflação. “Esta e outras razões sugerem que estamos enfrentando uma inflação estruturalmente mais alta uma vez que o atual aumento tenha terminado”, explica De Cadenas-Santiago Entretanto, o próprio especialista acredita que, em um ambiente de conflito como o atual, medidas do ponto de vista regulatório serão tomadas para que isto aconteça.

O Serviço de Estudos acrescenta que, já antes do início da guerra, os preços da energia estavam fixados para subir persistentemente com o tempo, seja por causa da transição verde e da internalização de externalidades produtivas, seja pela busca de novas e dispendiosas fontes de energia, pelo menos a curto prazo (sempre em déficit no início). “Isto é particularmente preocupante na Europa, que depende fortemente tanto da energia quanto das matérias primas que tornam possível esta alternativa verde (lítio, ródio, terras raras, etc.), uma vez que está limitada pela geopolítica em todos seus pontos cardinais e é presa de compromissos que às vezes são difíceis de justificar (nucleares na Alemanha)”, acrescenta ele. Além disso, encontramos novamente problemas decorrentes das cadeias de abastecimento, que são agravados pela crise dos semicondutores e pela alta dependência da China.

Mas por que os preços da energia são um fator determinante da evolução da inflação? Para calcular o CPI, é feita uma seleção de produtos e serviços que se assemelham ao consumo de uma família média. A eletricidade tem um peso na cesta do IPC de cerca de 3% e, no entanto, disparou a tal ponto que praticamente em 2021 foi a responsável por metade de toda a inflação e, ainda assim, os novos máximos atingidos pelo gás e pelo petróleo, devido ao efeito do conflito geopolítico, ainda não foram trasladados. Em resumo, estes preços, que têm sido muito voláteis nos últimos meses, podem determinar decisões chave que acabam afetando os cidadãos da seguinte forma. Abaixo está uma lista das consequências do aumento do custo de vida:

  • Salários: como indicado acima, uma inflação mais alta pode levar a salários mais altos e, como consequência, desencadear os temidos efeitos de segunda ordem. Isto pode acontecer por dois caminhos. Em alguns casos, um aumento direto, através de cláusulas de revisão salarial ligadas ao IPC. Por sua vez, através de negociação coletiva ascendente, quando o acordo de negociação coletiva do ano seguinte aumenta é negociado. Contudo, é de se esperar que este efeito seja contido diante desta nova incerteza econômica gerada pelo conflito.
  • Pensões: em alguns países, como a Espanha, o aumento anual é indexado ao IPC, de modo que o cálculo dos preços determina quanto os benefícios são reavaliados anualmente. Esta medida, que aparentemente é uma boa notícia para os pensionistas, por sua vez significa que o montante gasto em pensões nos orçamentos é cada vez mais alto, e menos dinheiro pode ser gasto em outros recursos.
  • Aluguel: o IPC é também utilizado como referência em muitos contratos de aluguel. Dependendo de como esta cláusula é incluída, a inflação tem um impacto significativo sobre o custo de moradia para os inquilinos. Dito isso, em um contexto de crise internacional como é o atual, os governos poderiam limitar este fenômeno.
  • Taxa de juros: os bancos centrais têm o controle de preços como um de seus principais mandatos. No caso do Banco Central Europeu, de fato, é o principal: “Nosso trabalho é manter a estabilidade dos preços. É a melhor contribuição que a política monetária pode dar ao crescimento econômico e à criação de empregos”, confessa o BCE. Especificamente, seu objetivo é uma taxa de inflação de 2% a médio prazo. Para conseguir isso, dispõe de várias ferramentas, incluindo o aumento das taxas de juros, o que incrementa diretamente o preço do dinheiro. “Uma inflação mais alta levaria, em teoria, a um BCE mais agressivo. Mas não é esse o caso aqui. A inflação exclusivamente por energia não pode ser combatida com taxas mais altas (isto foi deixado claro pelo economista-chefe do BCE, Phillip Lane, há alguns dias),” explica Alberto Matellán, economista-chefe da MAPFRE Inversión.  Isto tem consequências importantes, por exemplo, para os países mais endividados. Além disso, chega em um momento em que precisamente esta dívida cresceu consideravelmente como resultado da pandemia. Mas também pressiona as instituições monetárias a retirar os estímulos monetários postos em prática durante as últimas crises, com consequências para os mercados financeiros. De novo, a incerteza econômica pode originar que as instituições monetárias parem.
  • Cesta de compra: Por exemplo, na Espanha, os últimos dados completos do IPC, publicados pelo INE, refletem que os alimentos e bebidas foram 5% mais caros em dezembro do ano passado do que no mesmo mês em 2020. Nunca antes, desde setembro de 2008, alimentos e bebidas não alcoólicas se tornaram tão caros.
  • Economia: outro grande risco, e uma consequência do acima exposto, é a perda do poder aquisitivo que a inflação causa na economia das pessoas. Quando há inflação, o dinheiro perde valor e reduz nosso poder de compra.