Madrid 1,8755 EUR -0,04 (-2,04 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Publicação de resultados 1T 2021
29 de abril de 2021

Consulte a documentação financeira publicada

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

ECONOMIA| 01.01.2021

A proteção das PMEs representa oportunidades e desafios para a indústria de seguros da República Dominicana

Thumbnail user

As micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) são protagonistas na geração de empregos na América Latina e no Caribe. No entanto, uma das características mais comuns das PMEs nessas regiões é a falta de regularização, e o resultado é um alto nível de vulnerabilidade socioeconômica dessas empresas, além de colocar em risco a sua sobrevivência quando enfrentam qualquer imprevisto.  

Segundo dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), as micro, pequenas e médias empresas representam 99% das indústrias e, assim, geram a maior parte dos empregos na região. Na República Dominicana, as PMEs constituem 98% das empresas, com participação de 38,6% no PIB e geração de mais de 2.500.000 empregos (mais de 60% do emprego formal da região, de acordo com um relatório das MPMEs). Ou seja, 1 em cada 3 postos de trabalho depende de uma PME.

A presença de microempresas é maioritária em todos os setores da economia e, em alguns casos, na América Latina, ultrapassa 90% do total de empresas. O comércio é o setor que concentra o maior número de microempresas formais.

Presença de microempresas. Fonte: MPMEs

Vulnerabilidade, precariedade e ausência de proteção social: o problema da falta de regularização das PMEs no país 

Na República Dominicana, como na maioria dos países da América Latina e do Caribe, a falta de regularização é uma das principais características das micro, pequenas e médias empresas, segundo dados do Observatorio Mipymes.

O resultado disso são os elevados níveis de vulnerabilidade socioeconômica, que se somam à precariedade e à ausência de proteção social. Há também impactos negativos na produtividade e na competitividade, o que exige uma revisão profunda da situação das PMEs no país. Nesse sentido, a indústria de seguros tem muito a oferecer.

“Na MAPFRE BHD, apoiamos o crescimento das pequenas e médias empresas e a dinamização do setor no país. Nosso compromisso é proteger seu investimento enquanto você vê seu negócio prosperar e realiza seus sonhos. Nossas portas estão abertas para assessorar e oferecer as soluções de seguros necessárias para proporcionar tranquilidade e confiança” explica Zaida Gabas de Requena, CEO da MAPFRE BHD Seguros.

Nove em cada dez empresários declaram que funcionam como uma empresa não registrada individual (88,8%) ou coletiva (1%). Em outras palavras, somente 10,2% dos proprietários de microempresas registram corretamente suas empresas. As empresas pertencentes a mulheres têm ainda mais limitações (4,7%) para faturar os seus produtos ou serviços com nota fiscal do que as que são propriedade de homens (15,1%), tornando ainda maior a vulnerabilidade do empresariado feminino.

Um dos fatores que mais influencia a situação burocrática e contábil das empresas é o nível educacional do proprietário. Observa-se um nível mais elevado de regularização, quanto mais anos de formação acadêmica tem o proprietário. Apenas um em cada cinco proprietários sem educação formal se preocupa em manter um registro contábil do negócio.

Em suma, é indiscutível que a falta de controle contábil deixa a empresa vulnerável. É comum, por exemplo, os proprietários não diferenciarem o dinheiro dos negócios do pessoal, pondo em risco a saúde financeira da empresa e da família.

“A lacuna de proteção de seguros de vida da República Dominicana é uma das maiores da região da América Latina e do Caribe”, Ricardo González, diretor de análises, estudos setoriais e regulação da MAPFRE Economics (o Serviço de Estudos da MAPFRE).

O seguro pode ser a diferença entre a PME que sobrevive e que fecha 

De acordo com um estudo da MAPFRE BHD, segundo os próprios donos de pequenas e médias empresas, as principais dificuldades ou obstáculos à atividade são: pagamento de impostos, atrasos nos pagamentos dos clientes e acesso ao crédito bancário, entre outros.

Os maiores riscos para as pequenas e médias empresas consultadas são incêndios e roubos, o que corresponde às coberturas mais contratadas. Como a maioria das PMEs são familiares, o seguro de vida também é relevante.

A lacuna de proteção de seguros de vida da República Dominicana é uma das maiores da região da América Latina e do Caribe”, aponta Ricardo González, diretor de análises, estudos setoriais e regulação da MAPFRE Economics (o Serviço de Estudos da MAPFRE).

Assim, a indústria de seguros tem uma grande oportunidade e também certa responsabilidade de mostrar aos proprietários de PMEs no país como podem se proteger para garantir a continuidade dos negócios diante de um imprevisto.

 

MAPFRE BHD, abrindo caminho para a proteção das PMEs na República Dominicana 

A MAPFRE BHD foi a primeira seguradora a trabalhar com esse tipo de apólice no país. O seguro multirrisco protege as pequenas e médias empresas contra os riscos a que estão expostas. Trata-se de uma solução de seguros que não se concentra somente na proteção de danos. Pelo contrário, oferece diferentes coberturas em uma mesma apólice e a garantia de assistência emergencial.

O seguro multirrisco surge da necessidade que os proprietários de PMEs têm de proteção para garantir a recuperação e a estabilidade da empresa diante de algum tipo de prejuízo. A MAPFRE BHD realizou uma pesquisa que mostrou o interesse dos proprietários de PMEs em terem um seguro que oferecesse diferentes coberturas em uma única apólice. Por isso, conceberam um produto com estas características e com a garantia do apoio, da experiência e do serviço da marca MAPFRE no país.