Madrid 1,8125 EUR 0,03 (+1,83 %)
ZoomTalentoPrensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

ECONOMIA| 05.10.2021

Rafael Puyol: “É necessário um pacto entre os interlocutores do mercado profissional para atender ao trabalhador sênior”

Thumbnail user

Rafael Puyol, demógrafo e presidente da Universidade Internacional de La Rioja (UNIR), também ex-reitor da Universidade Complutense de Madri, trabalhou ativamente na elaboração do Mapa de Talento Sênior impulsionado pelo Centro de Investigação Ageingnomics da Fundación MAPFRE com alguns dos profissionais – como Iñaki Ortega ou Alfonso Jiménez – que mais dominam a matéria e as oportunidades dos profissionais silver. Puyol assiste à entrevista com a satisfação de alguém que contribui para aquilo “em que acredita profundamente”: contribuir para pôr as medidas para que os sênior possam trabalhar nas melhores condições. À luz dos dados de ocupação e empreendimento, sente esperança: esse profissional mais velho, preparado e valioso continuará crescendo, apesar de certos preconceitos que, assegura, devem continuar corrigindo-se.

Diante da nova realidade demográfica, quais são os principais desafios?

A demografia espanhola tem três grandes desafios que nos afetam mais intensamente nestes momentos. O primeiro é uma natalidade muito baixa, com uma taxa de fecundidade de 1,2 filhos por mulher, que não permite há algum tempo renovar gerações e que se traduz, por sua vez, em uma escassez de jovens, particularmente no mercado profissional. Em segundo lugar, o envelhecimento: cada vez há mais pessoas que completam 65 anos ou mais; estamos atualmente em uma taxa média de 20% – um de cada 5 habitantes tem 65 anos ou mais -, mas além disso há um envelhecimento excessivo com uma maior população de 80 anos ou mais. Em terceiro lugar, uma imigração desacelerada nos últimos meses pela pandemia, quando esta nos é muito decisiva econômica e demograficamente, é um ingrediente demográfico de primeira necessidade.

Quais são para você as maiores contribuições do Mapa de Talento Sênior no que tão ativamente participou?

Este mapa coloca em evidência a importância cada vez maior que estão tendo os trabalhadores de 55 anos ou mais. Comparando a situação de 2008, antes da crise econômica, e a situação do último ano estudado, 2020, podemos comprovar que tanto a população ativa como a ocupada maior de 55 anos cresceu de uma maneira significativa. Os seniores estão crescendo e crescerão ainda mais no futuro como consequência de um duplo processo: por um lado, pela diminuição da população jovem, e por outro pelo quadro de envelhecimento geral da população. Isso se traduz na necessidade de que o crescimento da população sênior na atividade e na ocupação seja imprescindível. E assim está acontecendo: este estudo em suma analisa essa população de 55 anos ou mais que está no mercado profissional, e o faz com duas aproximações: por um lado, a população assalariada que trabalha por conta alheia, em uma empresa ou na administração, e a que o faz por conta própria; os autônomos, que crescem porque muitas pessoas que trabalhavam antes em uma empresa são aposentadas a uma idade relativamente jovem e iniciam uma segunda carreira, e para isso desenvolvem uma atividade de empreendimento. Cresce em geral a população mais velha que trabalha e, além disso, aumenta de forma significativa a que o faz por conta própria. É uma radiografia muito minuciosa.

Quando falamos de sênior falamos de pessoas com maior experiência e capacidade de reflexão. Por que é importante falar do talento que proporcionam?

Proporcionam muitas características, mas destacaria três: sua experiência, com uma vida profissional dilatada, seus conhecimentos – embora a formação contínua continue sendo uma disciplina pendente na Espanha – e sua capacidade relacional, com muitas e boas relações com o mundo da empresa, das finanças, no empreendimento… Tudo isto faz com que os trabalhadores seniores proporcionem à empresa qualidades que, às vezes, os mais jovens não lhe podem dar. Diante dessas indubitáveis virtudes também podem apresentar algumas deficiências, como, por exemplo, serem acusados de não ter a formação necessária em novas tecnologias. Eu acredito que é possível que não tenham as capacidades dos nativos digitais, mas também direi que não são de forma alguma analfabetos digitais. Ao final comprovamos que a capacidade de se mover como usuários das novas tecnologias cresceu significativamente. Essa acusação que às vezes é feita realmente está sendo corrigida pelos próprios trabalhadores seniores. Há vantagens que lhes são próprias e há recriminações que estão sendo efetivamente corrigidas, tornando-os trabalhadores essenciais para o desenvolvimento do mundo empresarial e das instituições, mesmo para o empreendimento, e o importante é que eles possam colaborar com outros funcionários mais jovens, porque a combinação de uns e outros pode permitir às organizações a formação de equipes intergeracionais, beneficiando-se mutuamente e melhorando a produtividade na maior parte dos casos. 

O que fazem e quais são as sociedades mais desenvolvidas quanto ao aproveitamento do talento sênior? Que caminho tem de percorrer a Espanha?

Efetivamente há países em que o trabalho sênior está muito mais desenvolvido do que na Espanha. Em uma pesquisa anterior trabalhamos no âmbito europeu analisando 9 países, e comprovamos, por exemplo, que os países nórdicos têm taxas de atividade e de ocupação de trabalhadores de 55 anos ou mais muito mais elevadas e períodos de atividade muito mais prolongados do que na Espanha, onde infelizmente ainda impera certa cultura do abandono precoce do trabalho e das pré-aposentadorias ou aposentadorias antecipadas, que penso que é uma prática que deveria ser reduzida. O trabalhador sênior vai ser cada dia mais imprescindível no mundo da empresa ou da Administração. E há empresas nesses países com boas práticas que desenvolveram programas para que os trabalhadores mais velhos desenvolvam sua atividade nas melhores condições possíveis.  A Espanha, que não tem muitas empresas que estejam priorizando o trabalho dos seniores teria muito o que aprender com elas.

Nos últimos anos o fenômeno de incremento da filiação sênior aos regimes por conta própria acelerou-se, sendo os autônomos nessa faixa de idade os que mais crescem. Da necessidade, virtude, sobretudo após a pandemia?

O empregado sênior por conta própria cresce, com quase um milhão de filiados, e os autônomos seniores supõem uma quarta parte do total de trabalhadores filiados seniores por acima de 55 anos. É um fenômeno que está crescendo, que se inicia na faixa dos 45 aos 55 anos, e que depois continua. São os que mais crescem. Além disso, a taxa de conversão nas intenções de criar um negócio e a criação desse negócio é mais alta do que entre os jovens. Portanto, eles têm, por assim dizer, uma taxa de êxito bastante elevada, porque possuem redes mais desenvolvidas, posições financeiras mais fortes, maior capacidade de mobilizar recursos externos, dão legitimidade aos projetos e, muitas vezes, adquiriram capital social durante sua carreira… Tudo isso se desenvolve nestas pessoas com grande intensidade.

A pandemia influiu. Algumas empresas viram na crise uma oportunidade de antecipar aposentadorias e, portanto, nos encontramos com uma situação de pessoas em plena capacidade física e mental que, no entanto, não podem continuar trabalhando por conta alheia, como seria seu desejo. Acharam três vias de escape, ou soluções para seu problema: a gig economy (continuar trabalhando de forma esporádica nas mesmas organizações nas que trabalhava, por encomenda, por projeto, com uma remuneração variável), o voluntariado e o empreendimento, com a criação de um negócio próprio. Isto acontece devido à falta de alternativas para continuar trabalhando, o que às vezes decorre de uma certa rejeição aos profissionais mais velhos, que consiste em dizer que as pessoas mais velhas são menos produtivas, têm uma formação mais escassa, carecem do entusiasmo de um trabalhador mais jovem e, sobretudo, do erro de pensar que se elas continuam trabalhando isso reduz as oportunidades dos mais jovens. Isso não é assim: o que se comprovou em muitos países é o contrário. Quanto mais altas são as taxas de atividade dos seniores, mais altas são igualmente as dos mais jovens.

Vocês pedem um maior reconhecimento e mais impulso específico ao empreendimento sênior, a quem apelam para consegui-lo? 

O que estamos pedindo é uma maior atenção ao trabalhador sênior, seja por conta alheia ou própria. Isto teria que ser o resultado de um pacto entre os quatro grandes interlocutores do mercado de trabalho: a Administração, estabelecendo normas e uma certa flexibilidade para que aquele que queira trabalhar possa fazê-lo se tem as condições físicas e mentais para isso; ninguém que queira continuar trabalhando deveria parar de fazê-lo se puder se manter na atividade. Também os sindicatos, que às vezes você acha que dificultam o acesso dos jovens ao mercado de trabalho, como se fosse uma coisa fixa ou estagnada. O mercado de trabalho é fluido, dinâmico… O terceiro interlocutor são as empresas. No caso da Espanha não são muitas as que têm políticas adequadas para que os trabalhadores seniores possam desenvolver seu trabalho nas melhores condições. E por último, estão os próprios trabalhadores seniores; alguns querem continuar trabalhando e não veem saída, mas alguns são relutantes, mesmo em idades relativamente jovens, e também é preciso definir uma política para transmitir que não tem sentido, com esperanças médias de vida que logo chegarão aos 90, aposentar-se aos cinquenta e poucos anos. Ao final, ocorre que o período de aposentadoria é maior do que o de atividade. Isso não tem nenhum sentido. 

 

Artigo relacionado:

Apostando nos idosos após a pandemia: Da crise às oportunidades da longevidade