Madrid 1,8935 EUR 0,05 (+2,8 %)
ZoomTalentoPrensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

COMPROMISSO| 15.12.2021

Begoña Ibarrola: “É preciso formar a educação emocional nos jovens, porque eles gerenciam cada vez mais incertezas” 

Thumbnail user

BEGOÑA IBARROLABegoña Ibarrola, psicóloga, escritora infantil e juvenil especialista em inteligência emocional, participou recentemente em uma jornada sobre Direitos da infância e mediação parental no contexto digital, apoiada pela Fundación MAPFRE, salientando a importância de promover a responsabilidade nos jovens e o uso adequado das tecnologias. Ela insiste na necessidade de dialogar com eles, encorajar desde a infância uma autoestima realista, procurando equilibrar o atual mundo de imediatismo com uma reflexão pausada, fazendo amigos desde cedo e adquirindo habilidades essenciais como a resiliência e a empatia.

Quais são os perigos relacionados às novas tecnologias que estão à espreita de crianças e jovens, e como podem os pais promover um uso responsável?

As novas tecnologias são muito atraentes e um uso inadequado, durante um tempo excessivo, por exemplo, pode originar um perigoso isolamento social. Às vezes, é muito mais gratificante encontrar coisas, procurar informações e se relacionar através das redes do que mediante o contato direto. Para mim, o problema é bastante sério, assim como as ameaças à privacidade: determinadas crianças e adolescentes não diferenciam a esfera privada da pública, e podem correr o risco de publicar coisas que depois não quererão continuar vendo na rede e que, talvez, outras pessoas poderão compartilhar ou utilizar contra eles. Há também casos de assédio cibernético, uma forma de violência indireta que pode causar muito dano. Há crianças que não se atrevem a uma agressão física direta, mas que se atreveriam a fazer dano moral através das redes. Finalmente, acredito que existe um problema crescente de acesso a informações inapropriadas para a idade de muitas crianças.

A única coisa que os pais podem fazer é promover o uso responsável através da educação, não apenas impedindo o acesso a determinados conteúdos, mas ajudando a desenvolver ferramentas de tipo emocional. Mas a responsabilidade é desenvolvida ao colocá-la em prática, como qualquer habilidade, de acordo com a idade e da maturidade dos filhos. Requer acompanhamento dos filhos, muito diálogo e muita intervenção, incluindo a intervenção direta. Está claro que uma criança ou um jovem responsável usará a tecnologia com essa mesma responsabilidade.

O que você considera mais efetivo: educar e compartilhar boas práticas, a base da mediação parental, ou monitorar e controlar seus perfis e tempos de uso?  Ou uma combinação de ambas?

Acredito que ambas as estratégias podem ser combinadas, algumas mais reguladoras ou restritivas, através de programas que impedem o acesso a certos conteúdos, como o Family Link do Google, ou outros, e que controlam o tempo, depois de explicar esta intervenção aos filhos para que eles a entendam como uma medida educacional. A educação requer amor e limites em todos os aspectos, inclusive no contexto das TICs. Quando as crianças são mais novas, nosso nível de restrições será maior; à medida que elas completam 9 ou 10 anos, podemos negociar e até mesmo concordar com uma possível extensão do tempo de uso ou permitir o acesso a determinado conteúdo, mas com o adulto à sua frente, dando-lhes a possibilidade -acompanhadas- de ver as informações sobre as quais elas sentem curiosidade. A comunicação é chave.

Em que medida podem influir outros fatores, com a idade, a responsabilidade, etc.?

Como psicóloga e tendo trabalhado com colegas neurologistas, acredito que o acesso à tecnologia até os 6 anos de idade deve ser limitado a conversar com os avós, mostrando uma foto do telefone e pouco mais. Até os 12 anos, uma prática supervisionada pode ser permitida, tanto para meninos quanto para meninas. Na minha opinião, até os 12 anos eles não possuem a maturidade suficiente para lidar com as redes sociais. A faixa entre seis anos e essa idade deve ser usada para construir relações sociais satisfatórias: para erigir uma rede de amigos reais e para serem muito abertos ao mundo. É claro que você pode conversar, jogar videogames juntos, mas o tempo de jogo e o contato, ao vivo e offline, é essencial. Quando eles são apresentados ao mundo virtual cedo, perdem coisas que são muito difíceis de serem recuperadas mais tarde. Vi muitos jovens de 12 anos sem treinamento em fazer amigos. São aprendizagens que têm seu estágio de maturidade. Desde a adolescência, eles têm tremendos problemas e se refugiam na tecnologia para compensar a ausência de contato presencial.

“Autoestima, resiliência e empatia, pilares para construir o futuro”

Como especialista em educação emocional, o que as crianças devem aprender?

A primeira habilidade emocional que uma criança deve adquirir é a autoestima baseada no autoconhecimento. Tem que ser uma autoestima realista, confiando em suas próprias habilidades, percebendo que elas também têm limitações, não têm que dar uma imagem ideal de si mesmas, mas aceitar-se como são. Desta forma, estamos ajudando a evitar esse vício aos likes, o contínuo “curtir” que muitos adolescentes buscam, e eles se sentirão mais confiantes depois do que compartilham nas redes. Também anda de mãos dadas com a assertividade: ser capaz de dar uma opinião e outros de lhes dizer que são contra, sem que isso os afete.

Por outro lado, é importante que crianças e adolescentes entendam que a emocionalidade é uma dimensão que traz riqueza para a vida. Deve ser educada; pois todas as emoções com as quais entramos neste mundo, alegria, tristeza, medo, raiva, surpresa, até mesmo repugnância, são valiosas. Elas servem para nos adaptar e a responder a elas. O que está acontecendo? Nas redes, a tirania da alegria prolifera e parece que todos têm que ser felizes e compartilhar sorrisos… Com uma boa consciência emocional, a criança ou adolescente sabe que a vida é multicolorida e que todas as emoções estão presentes: com seus bons amigos ela pode compartilhar momentos de tristeza, preocupações, até mesmo enfrentar seus medos e receber ajuda. Também não tem que ser aquele rosto bonito… As garotas, em particular, são muito propensas àquelas imagens que muitas vezes apresentam do corpo ideal. Elas se comparam e, se não tiverem boa autoestima e consciência emocional, podem pensar em emular.

Então, é muito importante ter autocontrole emocional, a regulação das emoções, também na Internet e nas redes sociais, onde há muita impulsividade. Em geral, as redes e a Internet permitem desabafar muita raiva e frustração. Muito dano pode ser feito com palavras, imagens ou mensagens que você pode lamentar mais tarde, mas já foram enviadas. A empatia é fundamental para perceber que o que você faz nas redes ou na Internet pode afetar outras pessoas. Você tem que ser capaz de se perguntar, como eu exponho ou digo isto, como eu o expresso? Esta reflexão impedirá de cometer atos violentos, mesmo à distância, ou de se relacionar de forma grosseira. Acredito que, com estas capacidades emocionais, nossas crianças e jovens estariam bem-preparados para lidar neste mundo de imediatismo. No mundo real, as coisas não acontecem automaticamente; existem processos.

Como estamos neste momento? O que os jovens ganharam e perderam?

Considero que existe um alto nível de desconforto. As estatísticas das consultas de psicologia e psiquiatria o dizem, que triplicaram desde a pandemia, e também os suicídios desde o confinamento. Há uma má educação emocional e carência de habilidades para lidar com as dificuldades. Eles não são resilientes, porque ninguém os ensinou a serem resilientes. Você não pode escolher muitas coisas na vida e tem que se adaptar. Nossas crianças não sabem diferenciar entre o que têm que assumir, as coisas que não podem mudar e as coisas que podem. Acho que a infância, há 40 anos, era muito mais livre, havia mais tempo para brincar na rua e os adultos estavam mais atentos, porque tinham mais tempo disponível. Foram épocas de muita criatividade, porque era preciso inventar jogos, e de menos estresse do que agora, e havia uma vantagem: você podia compartilhar tempo com os avós, havia um contato intergeracional que trazia uma riqueza de sabedoria e coerência. Muitas vezes, você costumava contar aos avós coisas que os pais não sabiam. Hoje em dia, não é que as crianças sejam menos criativas, elas são, mas em um nível diferente. Talvez online, mas elas se aborrecem porque não sabem como dar conteúdo ao seu tempo livre e se tornam viciadas em tecnologia por causa do tédio. Assim, elas se conectam, mas perdem o contato com adultos, não têm tanta referência, nem a possibilidade de imitar. As crianças de hoje sofrem de estresse. Antes, era impensável encontrar uma criança com este problema em uma consulta. Há problemas de depressão infantil que aparecem aos quatro anos de idade e antigamente não apareciam até os 14 anos. Na saúde mental, estamos em pior situação.

Também perdemos ambientes naturais para viver, hoje há menos paciência: antes, até para inflar um pneu de bicicleta era preciso passar muito tempo e a tarde decorria com os preparativos para um curto passeio…

Há outro problema: estamos acelerando as etapas. Queremos que as crianças sejam adultos, queremos que os adolescentes sejam maduros, mas a mudança de estação leva tempo… 

E, na minha opinião, a barra acadêmica está se tornando um fator de estresse. Há conteúdos que agora são ensinados no ensino médio que costumavam ser aprendidos no segundo ano da faculdade. É como se quisessem desenvolver a dimensão cognitiva de forma competitiva, conhecer línguas, computadores… Não há tempo livre para desenvolver hobbies e isto é um problema, porque obviamente o desenvolvimento infantil requer tempo livre e tempo para se encontrar com os colegas, brigar e resolver conflitos. Mas há uma coisa que ganhamos. É claro, o acesso à informação: hoje em dia, você pode aprender o que quiser.

Tudo parece estar sobrecarregando a dimensão cognitiva…

Às vezes, ficam em uma aprendizagem superficial. Estas crianças e jovens estão muito mais abertas ao mundo, antes não sabermos… Isto nos permite abrir nossos olhos para os problemas do mundo e ser mais solidários, ter acesso aos recursos mundiais, viajar… O que me preocupa é que muito conhecimento sem falta de maturidade pode originar cérebros muito preparados, mas personalidades muito frágeis. Estamos observando que esta grande fragilidade emocional que eles têm é psicológica, porque suas mentes e emoções não foram cuidadas, e não lhes foram dadas as ferramentas para enfrentar dificuldades. É por isso que defendo a introdução da educação emocional nas salas de aula, como estratégia para melhorar a qualidade de vida de nossos jovens e crianças, para que eles saibam que na vida a possibilidade de haver apenas bons momentos é muito remota. Eles não têm que se preparar para isso, mas têm que se preparar para os maus momentos e para administrar a incerteza, porque administrar a incerteza está se tornando cada vez mais importante. Vivemos em uma sociedade na qual poucas pessoas podem fazer previsões com um ano de antecedência. Isto nos obriga a fazer planos realistas, estabelecer objetivos realistas, ir aos poucos e também a observar o que está acontecendo no ambiente, aprendendo a ser flexíveis e se adaptar.

Você pode compartilhar alguma estratégia que esteja funcionando?

Uma delas é empoderá-los, ajudando-os a descobrir em si mesmos suas próprias forças e poderes que não dependem de ninguém externo. Tem muito a ver com autoestima, mas também lhes permite estar cientes de que com seus talentos podem mudar o mundo. Considero que há muita desilusão em nossos jovens pensando que o mundo já está feito. E não, é preciso dizer que você faz parte da possível transformação do mundo! Que talentos você tem? Que eles saibam que seus talentos podem transformar o mundo e que têm a automotivação para fazê-lo são ferramentas muito válidas. Com isso, você põe em movimento seus cérebros, suas mentes e seus corações. Devemos confiar neles, devemos oferecer as ferramentas para que construam o seu próprio caminho, mas com elogios, não com críticas. Confiar neles como possíveis transformadores das coisas que fizemos mal no passado, porque estamos lhes deixando um mundo bastante bagunçado. Se eles estão bem, podem emanar bem-estar para os outros; se estão mal, não vão contribuir para o bem-estar da sociedade.

A maioria deles pensa que, provavelmente, não terá um emprego. Eu sempre digo que eles terão um emprego que hoje não existe. O empreendedorismo também é, a meu ver, uma forma de fazer a diferença e provocar mudanças. 

A autoconfiança é a grande ferramenta para desenvolver e ser resiliente?

Se eu tivesse que concentrá-lo em grandes forças, eu acho que seriam três. A resiliência engloba muitos delas. Resiliência e autoestima são pilares sobre os quais uma pessoa pode construir seu futuro e crescer em equilíbrio. Mas elas são habilidades pessoais, por isso, eu incluiria uma terceira: a empatia, que é interpessoal. Estamos em um mundo interligado. Hoje, uma das habilidades que as empresas mais valorizam é a pessoa empática que pode coexistir, compartilhar e resolver conflitos pacificamente e através do diálogo. 

E o que podemos fazer as empresas para promover a educação emocional?

Em geral, as organizações deveriam confiar um pouco mais nos jovens, porque eles são o futuro. Ajudando-os a serem empreendedores, a terem ideias, a serem criativos, mesmo que suas ideias não sejam totalmente polidas… Sou muito favorável a encorajar estágios em empresas e que os jovens os conheçam por dentro. Eles podem apresentar ideias criativas e trazê-las à terra, porque se não conhecem a realidade do mundo dos negócios, mesmo que tenham ideias, elas podem permanecer abstratas. É muito importante encontrar mentores, eu mesma já trabalhei com deficiências, em empresas para ajudá-los a se adaptar a esses ambientes. Seria bom para uma empresa dizer: vamos ter um grupo de jovens aqui e com sua visão totalmente aberta, eles descobrirão o que fazer a respeito dos desafios.

Ao fechamento desta entrevista, a MAPFRE tem implantado um projeto no Brasil denominado 1.000 ideias para o futuro. Coleta de crianças e jovens ideias criativas para transformá-las e reconhecer as melhores. Na MAPFRE confiamos em você. E você?