Assembleia Geral Ordinária 2024

MAPFRE
Madrid 1,962 EUR 0,01 (0,62 %)
Madrid 1,962 EUR 0,01 (0,62 %)

FINANÇA | 30.04.2021

Os fantasmas da inflação estão de volta?

Thumbnail user
Desde o ano passado, as principais economias mundiais têm visto sinais de mudança na dinâmica dos preços. Os últimos sinais de alta da inflação podem acabar condicionando os ambientes macroeconômicos para 2021.

A economia mundial está vivendo mudanças constantes nas previsões de crescimento. Em um contexto de instabilidade, a incerteza em relação ao retorno à normalidade condiciona continuamente as estimativas e a recuperação em duas velocidades na Europa e nos Estados Unidos será determinada pela dúvida se o aumento da inflação será temporário ou duradouro.

O relatório da MAPFRE Economics, Panorama Econômico e Setorial, analisa a alta do IPC em economias como a dos Estados Unidos, em que a inflação atingiu 2,5% em março, com previsão para o ano de 2,7%, derivada do programa de estímulo do governo Biden, a partir do efeito base de 2020, que terminou com uma inflação de 1,4%, e possivelmente das intenções da Reserva Federal de aumentar o nível de preços a uma taxa ainda maior que a atual.

Em outro cenário está a Zona do Euro, que mostra uma inflação próxima a 2%, e que o estudo prevê que chegue a 2,2%, considerando a ampliação das restrições à mobilidade e os efeitos adversos causados​por situações extraordinárias como a reforma tributária na Alemanha, o efeito do furacão Filomena ou o aumento da carga tributária do CO2.

A trajetória ascendente parece ter atingido também as economias emergentes. Há alguns meses, essa nova alta da inflação vem sendo observada, ocasionada pelo desancoramento das expectativas, pela depreciação da taxa de câmbio, importada pelos preços de produção, e pelo aumento do preço do petróleo (em países como México ou Argentina, em que desempenha um papel fundamental).

Além desses sinais, incluídos na análise dos especialistas, há outros associados ao deflator do PIB, que sofreu forte desaceleração global no último trimestre de 2020, e que têm mostrado que não há unanimidade global na tendência de alta no preços, e as taxas reais, que permaneceram estáveis​durante este período. No entanto, como dissemos, a grande questão é saber se este efeito inflacionário será temporário ou duradouro.

 

O aumento será temporário

Os recentes aumentos do IPC têm seguido a tendência do final de 2020 na grande maioria dos países, embora os dados ainda não tenham sido ajustados aos objetivos propostos pelos principais bancos centrais. Conforme explicado no relatório Panorama de 2018, as curvas de Philips permanecem planas, mais uma vez alimentando a possibilidade de estagnação secular.

Com tudo isso, o estudo da MAPFRE Economics destaca que, diante da possibilidade de que esses aumentos sejam temporários, vários fatores condicionaram a alta dos preços. Entre eles, destacam-se o aumento do preço das matérias-primas, o efeito base da queda dos preços durante a primeira onda de infecções e as consequências derivadas das restrições de oferta durante a pandemia.

Na situação atual, os dados apontam para a necessidade de olhar mais para a volatilidade do IPC e não tanto para a trajetória de aumento, pois depende excessivamente do contexto atual, baseado em uma demanda fraca, em um momento de grande output gap, a poupança que não se transforma em consumo, a queda dos salários em relação ao PIB e os efeitos das políticas monetárias que estão mantendo as curvas de Philips praticamente planas.

O aumento será permanente

No entanto, os analistas do Serviço de Estudos da MAPFRE investigam a possibilidade de que a alta da inflação nos últimos meses continue por mais tempo do que imaginamos.

Um dos principais aspectos a que se referem são os casos conceituais que prevaleceram nos últimos anos e que agora estão errados. Nesse sentido, o aumento do preço do petróleo bruto não seria temporário, mas seguiria a trajetória dos últimos cinco anos; a força deflacionária na China se esgotaria com a mudança do modelo de crescimento (mais baseado no consumo e na exportação de bens de alto valor agregado), valorizando sua moeda e finalmente exportando inflação para o restante dos países; e o nexo entre o crescimento potencial e a taxa de equilíbrio seria perdido, sem registrar aumento de produtividade.

Da mesma forma, o estudo avalia que houve mudanças no modelo de produção, causadas pela automação e o “reshoring” das indústrias para seus países de origem, a valorização das externalidades e a transição energética.

No entanto, as mudanças demográficas e sociais são outros fatores que condicionariam a inflação no longo prazo, em que altas taxas de subemprego coexistem com a demanda insatisfeita de trabalhadores altamente qualificados nas novas tecnologias.

A quarta perna da cadeira de que dependeria uma alta de preços ao longo do tempo são os efeitos associados à monetização implícita do déficit, que acabaria levando a aumentos da inflação e das expectativas de inflação.

É claro que a duração dessa tendência será decisiva no decurso dos diferentes cenários macroeconômicos mundiais para os próximos meses.