MAPFRE
Madrid 2,338 EUR 0 (0,17 %)
Madrid 2,338 EUR 0 (0,17 %)

ECONOMIA | 12.04.2023

MAPFRE Economics cria um índice para medir o potencial do mercado imobiliário e seu impacto no setor segurador em 43 países

Thumbnail user
  • O nível mais alto de potencial corresponde à Índia, seguida pelas Filipinas e pela China
  • O mercado espanhol está 35º lugar entre os 43 países analisados

MAPFRE Economics, o Serviço de Estudos da MAPFRE, publicou o relatório “Mercados imobiliários e setor segurador”, que apresenta a inter-relação existente entre ambos os setores e oferece informações sobre os indicadores mais relevantes do setor imobiliário que influem no desenvolvimento da atividade seguradora incluindo, entre os mais importantes, o parque de moradias e o saldo hipotecário, além das projeções populacionais, formação bruta de capital de moradias privadas, renda pessoal disponível, transações imobiliárias, preços das moradias, taxas de juros hipotecários e a brecha de crédito para os lares, entre outros. “O nível de desenvolvimento e maturidade do mercado imobiliário residencial, bem como o grau de dinamismo de seu mercado hipotecário, são fatores de grande relevância no desempenho da atividade seguradora”, salienta Manuel Aguilera, diretor geral de MAPFRE Economics.

A análise focou no mercado imobiliário residencial para um conjunto de oito países, entre os quais se encontra a Espanha. Entretanto, o Serviço de Estudos realizou uma medição relativa, em primeiro lugar, do potencial da atividade imobiliária e, com base nisso, de sua relevância para o setor segurador para um total de 43 países. Especificamente, o denominado Indicador de Potencial Imobiliário para o Setor Segurador (IPIA) visa avaliar a capacidade relativa do setor segurador para transformar o impulso do mercado imobiliário em nova demanda de seguro, a partir de uma análise do comportamento da demanda seguradora diante de variações na renda pessoal disponível.

O nível mais alto de potencial medido com o IPIA corresponde à Índia, seguida pelas Filipinas e pela China. “No caso da Índia, o fator que menos contribui para seu indicador de potencial é a formação bruta de capital de investimento em habitação, embora o restante dos fatores econômicos e demográficos melhoram sua posição e, especialmente, o bom comportamento de seu setor segurador diante de aumentos na renda pessoal disponível”, acrescenta Aguilera.

Na base ida classificação o caso do Japão é destaque, que apresenta indicadores próprios de um mercado muito maduro e com uma população minguante, obtendo assim pontuações fracas em todos os subíndices que influem no indicador. Completam o percentil inferior Romênia, Grécia, Itália, Finlândia, África do Sul, Eslováquia, Malásia, Espanha, Países Baixos e Suíça. De fato, a Espanha ocupa a 35ª posição no conjunto de países analisados.

Para acompanhar via streaming a apresentação do relatório a partir das 16h30 (Madri), clique aqui