Madrid 1,774 EUR 0,01 (0,8 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

TRANSFORMAÇÃO | 28.12.2020

A vida é um belo movimento: se não aprendemos suas lições, tudo terá sido em vão

Marta Villalba

Jesús Monclús

Diretor de Prevenção e Segurança Viária, Fundación MAPFRE

O ano de 2020 ficará para sempre na história da humanidade. A pandemia chegou e parou tudo: o trânsito na Espanha durante o isolamento de março e abril foi reduzido em cerca de 70%, um percentual próximo à redução de vítimas fatais nas estradas.

Em Madri, o número de vítimas diminuiu 90% entre meados de março e o final de abril . Apesar disso, houve um aumento de casos de excesso de velocidade, distração ao volante e direção sob efeito de substâncias como resultado das “estradas vazias”, do estresse, das preocupações e da menor supervisão policial durante essas semanas, com os agentes de tráfego concentrados em outras tarefas mais urgentes. Houve uma redução no transporte entre cidades, independentemente do tipo: ônibus, trem ou avião. Sem veículos circulando, a poluição do ar nas cidades também diminuiu de forma incrível, e muitos habitantes voltaram a ver as montanhas que rodeavam suas cidades.

Apesar da falta de mobilidade geral, por outro lado, grande parte do transporte foi convertida em serviços essenciais, muitas vezes sem o reconhecimento merecido: o metrô, os táxis, os serviços de transporte por aplicativo e os ônibus urbanos garantiram a mobilidade para outros profissionais essenciais. Os transportadores de mercadorias entregaram suprimentos diários a todos os cidadãos através de estradas praticamente vazias ou outras áreas de descanso.

À medida que o mundo começou a acordar e voltou gradualmente a se movimentar, as autoridades passavam as mensagens: de “use o transporte privado (o carro) como melhor forma de manter a distância entre as pessoas”, passou, em questão de horas, e por questões de sustentabilidade, a “use a bicicleta ou o patinete e volte ao transporte público que for seguro”. Certamente, o transporte público é necessário para a equação da mobilidade urbana, como lembrado no webinar organizado em junho de 2020 pela Fundación MAPFRE ; além disso, as concentrações de CO2 no interior dos veículos de transporte público podem ser até menores do que em outros contextos do dia a dia . Além disso, no webinar também foi cobrado um papel dos serviços de prevenção das empresas e organizações para garantir a mobilidade para o trabalho de forma segura para os profissionais que retornavam a seus postos de trabalho habituais.

Algumas cidades, como Barcelona e Bogotá, logo aproveitaram para tomar uma posição em relação ao urbanismo tático e abrir espaço para a bicicletas e os deslocamentos a pé, transformando vias de circulação de veículos automotivos em ciclovias, calçadas largas ou espaços para varandas de bares e restaurantes. Em outras cidades, talvez por uma maior inércia, as mudanças foram pouco perceptíveis. As lojas de bicicletas esgotaram seus estoques, algo até então sem precedentes. Nesse sentido, assim como aconteceu com o trabalho remoto, as políticas de mobilidade sustentáveis dessas primeiras cidades avançaram em meses o que, de outra forma, teria levado anos. No mês de setembro de 2020, a Fundación MAPFRE fez mais uma contribuição e publicou o novo manual on-line para a mobilidade segura, saudável e sustentável .
No fim de 2020, o transporte público ainda está longe de recuperar seu fluxo habitual de deslocamento de pessoas. Em Barcelona, apesar das políticas, um em cada três cidadãos trocou seu meio de transporte habitual devido à crise, e as pessoas que usam o carro para ir ao trabalho ou para estudar são quase o dobro do que antes da pandemia .

Voltaremos aos mesmos níveis de engarrafamentos, ar poluído etc. de antes da crise? Só o tempo dirá. Se não aprendermos nada depois dessa experiência, tudo terá sido em vão. Em uma reunião recente do Pacto pela Mobilidade, na capital catalã, permanecia a ideia de que os fundos de recuperação europeus também eram uma oportunidade única para consolidar as mudanças em direção a uma mobilidade mais sustentável.
Mas, como mensagem final, lembremos de uma coisa. No último dia 20 de novembro, a Fundación MAPFRE organizou um webinar sobre segurança infantil no trânsito junto à Organização Pan-Americana de Saúde na Argentina e a Agência Nacional de Segurança no Trânsito do mesmo país: nesse dia, o número de mortos por COVID-19 no mundo tinha alcançado 1.349.000 pessoas, exatamente o mesmo valor que se considera, em nível global, para vítimas fatais por acidentes de trânsito. Entretanto, no caso do trânsito, o número é anual.
A diferença, então, é que no trânsito temos uma vacina disponível há muitos anos, mas não queremos administrá-la: um pouco menos de velocidade, atenção plena, mais empatia, educação no trânsito etc. A boa notícia: só precisamos colocá-la em prática.