ZoomTalentoImprensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

TRANSFORMAÇÃO | 13.11.2020

Nadia Arroyo: “O conceito de ‘grande exposição’ visitada massivamente vai mudar”

Thumbnail user
Cerca de 89% do patrimônio cultural mundial está total ou parcialmente fechado e os museus perdem milhões em receitas todos os dias, de acordo com dados recentes da UNESCO, por isso a discussão, a confiança no futuro e a implementação de soluções para apoiar os artistas são mais urgentes do que nunca. A MAPFRE e a Fundación MAPFRE apostam fortemente na cultura. Uma prova disso é a inauguração de um novo espaço expositivo em Barcelona.
Coincidindo com o lançamento do Centro De Fotografia KBr da Fundación MAPFRE em Barcelona, entrevistamos a diretora de cultura, Nadia Arroyo, sobre o sofrimento causado pela pandemia no setor e como isso significa um apoio e um alimento vital às pessoas de momentos de incerteza.

Processo criativo, novos formatos digitais, solidariedade na disponibilização de conteúdos para a sociedade e memórias pessoais completam a análise.

Pergunta (P): A crise da COVID-19 está tendo um impacto em todas as dimensões de nossas vidas, incluindo a vida cultural de todas as cidades ao redor do mundo. De acordo com o Conselho Internacional de Museus (ICOM), 95% dos quase 60 mil museus existentes no mundo foram fechados em abril. Você tem medo que as consequências dessa desaceleração do acesso à cultura tenham um efeito a médio prazo?

Resposta: 95% dos museus? Eu diria que parece pouco para mim. Eu diria que 100% dos museus e instituições culturais foram fechados. A pandemia pressupõe uma desaceleração econômica sem precedentes em todo o mundo econômico e, sem dúvida, a cultura será atingida a médio prazo. A atividade de muitos museus públicos é altamente dependente da venda de ingressos e agora os visitantes caíram cerca de 80% em todos os níveis. Hoje conversamos com o Museu de Long Beach, nos Estados Unidos, que ia nos emprestar 27 obras para nossa exposição Jawlensky em janeiro, e eles não poderão vir porque ainda estão em ERTE (expediente de regulação de emprego). Eles nos disseram que acreditam que mais de 30% dos museus do país fechará definitivamente. Se pararmos para olhar os números relativos à atividade, diria que a situação da cultura em nível global é dramática.

A riqueza criativa está em risco ou você acha, pelo contrário, que crises dessa magnitude sempre têm um lado positivo e são um choque para os artistas?

Não ousaria dizer que uma crise dessa magnitude tem um lado positivo, mas acredito que sairemos dela renovados e mais fortes. A arte e a capacidade criativa dos artistas e gestores culturais têm nos mostrado que, em tempos adversos, crescemos e desenvolvemos novas formas de continuar a expressar e a criar. Não sei se é o reflexo mais puro da afirmação de que a cultura é necessária, é o alimento que mantém um setor importante da sociedade. Durante o confinamento, quando não pudemos visitar exposições e museus, o mundo cultural se mobilizou para gerar e oferecer uma ampla gama de conteúdos culturais digitais, que visavam nos ajudar a enfrentar o confinamento e a sua angústia. Foi então que se notou que a demanda era grande: livros em formato eletrônico isentos de direitos, teatro e shows gratuitos, visitas virtuais a exposições, atividades para crianças etc. Foi totalmente ininterrupto. Houve muita generosidade.

A partir da sua posição de responsabilidade da área de cultura da Fundación MAPFRE, o que mudou na oferta, nas formas de abordagem ao público e nas suas expectativas?

Na verdade, uma parte significativa do público de exposições em geral mudou. Por um lado, o turista praticamente desapareceu por completo e, por outro,-como é o caso em grande parte do setor, o perfil médio do visitante tem 65 anos. Esse visitante agora fica em casa, porque tem que se proteger mais. Acho que por um tempo vamos evitar o incômodo de frequentar espaços com muitas pessoas, então o conceito estabelecido de “grandes exposições”, massivamente visitadas, vai mudar. Isso não é o suficiente para que se continue trabalhando e acreditando em exposições importantes, nas quais possamos desfrutar da arte e que esperamos oferecer ao nosso público nos próximos anos.

“Verificamos que o público que procura nossas exposições de fotografia é mais fiel, igualitário e jovem.”
Será que a fotografia e a produção audiovisual serão mais apreciadas agora, mais próximas da publicidade e do vídeo que a pintura da televisão, grandes triunfos em tempos de “lazer limitado”?

Sem dúvida, a fotografia é um meio que vem gerando cada vez mais atração. Verificamos que o público que procura as nossas exposições de fotografia em Madri e Barcelona é um público mais fiel, igualitário e jovem. Mobiliza uma parte da sociedade que é o futuro: os jovens. Essas novas gerações cresceram com o mundo digital, se movem e se expressam nele. É uma área delicada que estamos tratando, pois devemos mostrar a eles que a experiência que eles têm no campo digital é muito diferente do físico e presencial. Isso não é suficiente para dizermos que somos capazes de atraí-los e interessá-los e, por isso, é importante gerarmos uma série de conteúdos culturais digitais. Um projeto novo chamamos de Cultura no digital, com o qual esperamos aproximá-los e fidelizá-los.

É necessário um maior investimento em digital e inovação para oferecer novas experiências virtuais? Por necessidade, virtude?

Com certeza. Não me referiria tanto a experiências virtuais, que estão longe da experiência que gosto de chamar de “o corpo a corpo com a obra”, “o de você para você” ou “o cara a cara”, que não tem paralelo com um visita virtual, mas que o digital pode atrair, trazer e enriquecer. Acredito sinceramente que a arte que pode ter mais desenvolvimento no mundo virtual é a musical, já que o sentido da audição exige e precisa da máxima concentração e nos convida a fechar os olhos para nos deixar envolver pelo som. Quanto à fotografia ou às artes plásticas, o virtual não pode substituir o presencial.

E, de uma forma mais pessoal, que lições você aprendeu nesses meses de incertezas e em que obra você fixaria seu olhar neste momento se pudesse escolher?

Sinto-me com muita sorte, porque ninguém próximo a mim foi seriamente afetado. Família, amigos e equipe estão bem. No mundo da organização de exposições, precisamos de muita programação, trabalhamos três a quatro anos à frente, e vimos como tudo “bailou”. Ganhamos flexibilidade, ao aceitar que não podemos controlar os prazos, que isso não depende de nós. Este é um aprendizado que também levo a nível pessoal. E para concluir, adoro a pergunta, qual obra eu fixaria meu olha? Em um Rothko, eu diria que qualquer um, mas procurando na memória eu voltaria à visita do chamado “Sala Rothko”, da Phillips Collection em Washington onde, de repente, em uma sala de 12 metros quadrados você se vê embrulhado em quatro de suas obras. É uma experiência inesquecível que afasta você da realidade. Neste momento, diante do horror e da dor causados pela COVID-19, eu me esconderia lá.