Madrid 1,86 EUR 0,03 (+1,75 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

TRANSFORMAÇÃO | 29.05.2020

Como nos proteger contra as notícias falsas sobre a COVID-19?

Thumbnail user

Podemos afirmar com segurança que já passamos pelo pior da pandemia provocada pela COVID-19, e que estamos gradualmente adicionando fases de desescalada de diferentes extensões na maioria dos países afetados.

A enorme crise de saúde no início do surto epidêmico deu lugar a uma situação em que tudo parece um pouco mais controlado, que a maioria dos hospitais e centros de saúde começa a ter a capacidade de tratar todos os pacientes de coronavírus, enquanto, paralelamente, pesquisa-se a toda velocidade para encontrar uma vacina confiável e eficaz contra esse vírus.

O que parece não ter fim é a cadeia de rumores e notícias falsas, muitas delas com a finalidade de desinformar os cidadãos, despejadas nas redes sociais e por meio de aplicativos como WhatsApp e Telegram, e que alcançam uma porcentagem muito alta da população.

¿Qual é o sentido de espalhar notícias falsas, desinformadas ou maliciosas? Sempre existem interesses sombrios por trás dessas iniciativas, do interesse político ao alarme social, ou mesmo fazer negócios (antiéticos) às custas de pessoas que acreditam estar adquirindo uma solução para o problema (de máscaras a remédios “naturais”).

As notícias falsas durante a pandemia por COVID-19 colocam vidas em risco

A UNESCO denunciou há um mês que “informações falsas e não confiáveis estão se espalhando pelo mundo a tal ponto que alguns comentaristas agora se referem à nova avalanche de desinformação que acompanhou a pandemia da COVID-19 como uma “desinfodemia”.

Essa campanha massiva de desinformação pressupõe que muitas vidas podem estar sendo colocadas em risco, por exemplo, quando uma pessoa com sintomas adquire remédios sem comprovação científica na esperança de se “curar”.

Guy Berger, diretor de Políticas e Estratégias de Comunicação e Informação da UNESCO, e um dos principais funcionários da agência na área de desinformação, alerta para o enorme risco que as fake news representam em tempos de pandemia:

Em uma época de grande medo, incerteza e incógnitas, há um terreno fértil para que as invenções floresçam e se proliferem. O grande risco [que enfrentamos] é que qualquer falsidade que ganhe força entre as pessoas possa negar um conjunto de fatos verdadeiros e comprovados. […] Quando a desinformação é repetida e amplificada, mesmo por pessoas influentes, o grave perigo é que informações verdadeiras acabem tendo apenas um impacto marginal [na sociedade].

Precisamente, muitas das notícias falsas que chegam a qualquer um de nós por diversos canais lançam dúvidas sobre a ação do governo, sobre o número real de vítimas e pacientes, sobre possíveis remédios ou sobre as precauções e regulamentos a serem seguidos em cada fase da desescalada.

A transparência de fontes oficiais é essencial para parar a desinformação

Existe uma receita para parar a desinformação? É difícil fazer algo para impedir a desinformação das fontes: quem cria continuará a fazê-lo enquanto continuar se propagando conforme o planejado. A única maneira de impedir a disseminação de informações falsas é, precisamente, não encaminhar esse conteúdo ou mesmo dar-lhes visibilidade, mesmo que para denunciá-los, muito menos dar motivos gerar essas informações.

No entanto, a pergunta mais importante é: o que pode ser feito para que as informações verdadeiras, úteis e que possivelmente podem salvar vidas adquiram mais proeminência? Do ponto de vista da UNESCO, a melhor maneira de conseguir isso é melhorar o fornecimento de informações precisas e garantir que a demanda seja atendida.

Segundo Guy Berger:

“Estamos enfatizando que os governos, para combater os rumores, devem ser mais transparentes e divulgar mais dados de maneira proativa, de acordo com as leis e políticas de direito à informação. O acesso à informação de fontes oficiais é muito importante para a credibilidade nesta crise”.

Isso não significa que as únicas referências confiáveis para as informações durante esta crise sejam os governos. Pelo contrário, Berger afirma:

“Não substitui as informações fornecidas pela mídia, por isso também estamos intensificando nossos esforços para convencer as autoridades a ver o jornalismo livre e profissional como um aliado na luta contra a desinformação, especialmente porque nos meios de comunicação, trabalham abertamente na esfera pública, enquanto grande parte da desinformação é feita fora do radar, em aplicativos sociais de mensagens”

Portanto, se combinarmos a transparência das verdadeiras fontes oficiais com o jornalismo livre (no sentido de independente) e muito profissional, partiremos de uma base muito boa para encontrar informações verdadeiras. Mas isso não é tudo.

Como identificar as informações falsas? Que ferramentas temos?

Para combater essa verdadeira pandemia de informações imprecisas, falsas ou maliciosas (conforme o caso), também temos muitas ferramentas. Por exemplo, as páginas dedicadas ao fact checking ou, verificação de fatos, como a Maldita (que tem um artigo em constante atualização que conta com mais de 550 notícias falsas comprovadas sobre o coronavírus), Newtral ou a internacional Snopes.

Vale a pena perguntar por que devemos confiar na veracidade das informações nesses sites que realizam fact checking, e a resposta mais honesta é que todas as informações são verificáveis e podem incluir erros inadvertidos. Esses sites contam com muitos especialistas e seguem uma metodologia específica (no Chequeado está muito bem resumida, mas qualquer uma das mencionadas exerce a transparência nesse sentido) para verificação de informações e, a priori, são independentes de outros interesses. Pode-se sempre perguntar quem verifica o verificador, mas seria um assunto que vai além dos objetivos deste artigo.

Além disso, não devemos nos limitar a apenas uma fonte de fact checking, podemos recorrer a outras fontes, incluindo as publicadas em outros países e idiomas. A chave para encontrar o mais parecido à verdade está na variedade das fontes.

Identificar notícias falsas e não espalhá-las

Além das páginas de fact checking e de outros sites, os cidadãos podem contribuir grandemente para erradicar essas práticas simplesmente aprendendo a identificar notícias ou informações suspeitas e, uma vez detectadas, impedir sua propagação, evitando espalhá-las entre seus contatos.

Para identificar notícias falsas podemos ser guiados por certas características comuns que aparecem em qualquer meio cujo objetivo é “viralizar” essas informações:

  • Manchetes muito chamativas que nada têm a ver com o conteúdo do artigo.
  • Eles usam figuras públicas, fazem uso de notícias antigas como se fossem atuais ou incluem eventos que não aconteceram, como a suposta morte de pessoas famosas.
  • O tom da notícia é sensacionalista e controverso.
  • Brincam com imagens retocando-as, cortando-as ou fazendo montagens.
  • Eles introduzem um viés no foco das notícias, para que as pessoas reajam de acordo com suas orientações ou crenças políticas.

Está nas mãos de todos parar com enorme quantidade de desinformação gerada diariamente com os motivos mais sombrios. Certamente, usar o senso comum e dar tempo para que as notícias que recebemos se “aposentem”, em vez de reagir visceralmente a qualquer manchete que nos impacte, é a melhor estratégia para começar.