Madrid 1,8255 EUR 0,02 (0,91 %)
ZoomTalentoPrensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE| 22.10.2021

“Nos contentamos com um mundo doente, quando poderíamos almejar um que nos tornasse mais felizes”

Thumbnail user

Fernando Valladares, investigador do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) dedica boa parte do seu tempo a entender a mudança climática e explicar como contribuir para reduzir suas sequelas. Ele afirma que o mais preocupante é o aquecimento global originado pela emissão de gases do efeito estufa, como o CO2, e que deveríamos mudar as prioridades e posicionar a saúde planetária em primeiro lugar. 

Meses antes do início da pandemia, Fernando Valladares (Mar del Plata, Argentina, 1965) foi diagnosticado com um linfoma grave. Agora, praticamente recuperado e após meses de reflexão, o professor de investigação do CSIC, onde dirige o grupo de Ecologia e Mudança Global no Museu Nacional de Ciências Naturais, afirma que sente falta de maior ambição por parte da cidadania. O recentemente vencedor do prêmio Rei Jaime I de Investigação tem certeza de que nos contentamos com um mundo doente, quando poderíamos almejar um planeta saudável, que nos tornasse muito mais felizes. De fato, considera que a sociedade é cada vez menos feliz, que as doenças psicológicas avançam e que esta realidade, somada à crescente degradação ambiental, deveria bastar para sentirmos maior interesse por um mundo melhor. Infelizmente, ele acredita que ainda não estamos nesse ponto.

Como você definiria a mudança climática de forma simples? 

Trata-se de um fenômeno que aconteceu como consequência de dois tipos de processos que afetam o clima: os naturais e os induzidos pelo ser humano. Entre os naturais se encontram as mudanças que têm lugar na atividade solar, nos ciclos orbitais da Terra e os vulcões. No entanto, o que mais nos preocupa agora é a mudança climática de origem humana ocasionada pela emissão de gases, como o CO2, o NO2 e o metano, entre outros, que são especialmente liberados com a queima de combustíveis fósseis e que incrementam a absorção de radiação solar na atmosfera, provocando um efeito que lembra o de uma estufa. Por isso, estes gases, que geram aquecimento global e que liberamos à atmosfera nas últimas décadas, são chamados de gases do efeito estufa.

Um recente relatório da ONU afirma que os indicadores de mudança climática pioraram em 2020. O que aconteceu? 

Na verdade, o trabalho evidencia o efeito da inércia climática, isto é, o resultado de ter submetido o sistema climático a uma mudança tal que, ainda que pontualmente possamos ter reduzido durante alguns meses as emissões de gases do efeito estufa, como aconteceu durante o confinamento, o aquecimento continua. É muito difícil ter uma ideia do que significa reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 50 % para 2030, mas acredito que o relatório aponta em uma direção que consiste em reduzir o transporte e as emissões na proporção equivalente a quatro vezes a obtida durante o confinamento pela COVID-19.

 

 

Quais são os principais efeitos? Quais deles deveriam nos causar mais preocupação?

Já estamos percebendo os efeitos, com um clima mais extremo e variável, em que furacões, secas intensas, ondas de frio se tornam cada vez mais frequentes. Também pode ser percebido no incremento do nível do mar e no aumento do risco de incêndios. Tudo isso afeta em cascata muitos processos ecológicos e humanos, como as doenças infecciosas, muitas de origem tropical, bem como as colheitas, a disponibilidade de água doce e problemas respiratórios e cardiovasculares, entre outros. 

Chegamos tarde com a proteção do planeta? Você é otimista?

Nunca é tarde demais, mas quanto mais demorarmos em mudar significativamente nossa relação com o planeta, menos opções teremos ao nosso alcance. Os objetivos de desenvolvimento sustentável, um deles a mitigação da mudança climática, estão muito atrasados, e isso torna impossível alcançar alguns cenários. A cada ano, as oportunidades vão se fechando. 

O que é necessário para conciliar o desenvolvimento econômico com a proteção do meio ambiente?

Ambas as coisas podem ser conciliadas se mudarmos as prioridades e situarmos em primeiro lugar a saúde planetária, um conceito que integra a nossa saúde, a de todos os organismos da biosfera e a dos próprios ecossistemas. Tudo isso está estreitamente relacionado e, quando for entendido corretamente e reagirmos, o desenvolvimento e a proteção do meio ambiente serão a mesma coisa e não haverá necessidade de conciliação.  

Como você contribui para um mundo mais limpo e mais justo? Comente alguns exemplos do seu dia a dia.

Dedico boa parte do meu dia a dia a entender a mudança climática, suas causas, seus efeitos e as medidas que é preciso tomar. Outra grande parte da minha jornada é para explicar isto da forma mais clara possível. No tempo restante, faço reciclagem, ando de bicicleta, procuro comer pouca carne e consumir mais frutas e legumes.