Madrid 1,777 EUR -0,02 (-0,98 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE| 09.03.2021

Natalia de Santiago: “O melhor para a economia é que a pandemia esteja sob controle”

Thumbnail user

Explicar às pessoas como administrar suas finanças pessoais é fundamental. Tornar essa tarefa agradável e fácil é um desafio, especialmente quando o nível de conhecimento é muito baixo em quase todos os países. A especialista em análise e planejamento financeiro e mãe de 5 filhas sabe como é importante ter o controle de tudo o que for possível para equilibrar as contas. Seu último livro, “Invierte en ti” (“Invista em você” em tradução livre), publicado pela editora Planeta, é um guia prático de educação financeira, que foge de tecnicismos e termos complicadas. A autora enfatiza a importância de economizar para a aposentadoria e de ter um orçamento estabelecido para separar as despesas e saber para onde o dinheiro está indo.

Seu interesse nas finanças veio quando ela pegou o livro contábil de seu pai. Desde então, não parou de escrever. Natalia de Santiago (Madri, 1977), engenheira industrial, reconhece que 2020 foi um ano de mudanças, um ano em que ela não esperava dedicar tanto tempo à divulgação financeira. Mas está bastante satisfeita. Seu livro é resultado das inúmeras perguntas sobre economia e finanças pessoais que ele começou a receber após a pandemia. Muitas pessoas lhe perguntaram como administrar salário, economias e investimentos, e ela tentou responder da melhor maneira possível, com humor e de forma clara, o que é um desafio quando se trata de números e produtos financeiros. Atualmente, seu maior desafio é conseguir fazer tudo e tirar proveito da falta de lazer para levar mais projetos adiante.

 

“Economizar deve ser automático e acontecer sempre no início do mês”

O que você acha que 2020 nos ensinou sobre nossas finanças?

Que prevenir é melhor que remediar e que devemos aproveitar os bons momentos para nos prepararmos para os maus momentos.

Como você acha que podemos aproveitar melhor nosso dinheiro?

Dedicando tempo a ele, como a qualquer outra coisa. Assim como não se pode ser um esportista sem fazer esporte, não podemos fingir que temos uma economia mais saudável se não damos um pouco de atenção a ela.

Dê cinco motivos para começarmos a economizar agora para o futuro.

O primeiro conselho é que quanto mais cedo você começar, menos terá que economizar; segundo, que não haverá um número suficiente de jovens para sustentar tantos aposentados; terceiro, quanto mais jovem você for, menos probabilidade você terá de viver somente da sua aposentadoria; quarto, as novas formas de trabalho da gig economy (e o aumento do trabalho autônomo e independente) têm o pior plano de aposentadoria; e o último: quanto mais você ganhar, maior será o custo para manter seu estilo de vida quando chegar à aposentadoria.

 

“Ensinar economia básica nas escolas seria um grande avanço social”

Devemos estar preocupados com a aposentadoria?

A verdade é que sim. A maioria de nós vai ter que economizar de maneira ativa para a aposentadoria. É por isso que é importante reduzir os números, desde o primeiro salário que você ganha, e planejar suas economias com bastante antecedência, entre 30 e 40 anos de idade no máximo. 

Que porcentagem do seu salário você destinaria à sua economia mensal?

Acho que uma quantia razoável é de 10% de sua renda líquida, e isto nos momentos bons, porque nos momentos ruins, como o que estamos vivendo, é claro que pode não ser possível. Minha recomendação é fazer no início do mês, de forma automática e sem pensar, uma transferência para a conta poupança, ou seja, ao receber o salário, e depois administrar o dia a dia com o valor restante. Hoje em dia é mais comum acontecer o contrário, ou seja, economizar se sobrar alguma coisa no final do mês, mas as coisas não funcionam dessa maneira. Penso que comprar uma casa, por exemplo, é uma boa maneira de economizar, especialmente para a aposentadoria.

Você diz que, em muitos casos, as instituições financeiras usam uma linguagem diferente e não são muito transparentes. O que eles precisam melhorar para ajudar as pessoas a tomar melhores decisões?

De fato, acredito que há falta de transparência, falta de vontade quando se trata de se fazer entender e, além disso, há um uso excessivo de termos técnicos. Tradicionalmente, o gerente do banco era uma pessoa de confiança e sua palavra era a lei, mesmo que o cliente não soubesse nada sobre isso. Hoje em dia, essa confiança tem que ser conquistada. A obrigação de explicar os produtos e serviços de uma maneira simples para que os clientes entendam é claramente do banco ou da seguradora, não do consumidor.

 

“As entidades têm a obrigação de serem compreensíveis perante o consumidor. Não se deve investir ou adquirir um produto que não se conhece”

Você sempre trabalhou na área financeira, em Paris, Madri e Munique, e em 2009 você se tornou cofundadora da MyValue Solutions, uma empresa especializada em criar soluções “open banking” para planejamento e gestão financeira para bancos, empresas e pessoas físicas. Em que consistem esses tipos de serviços?

Criamos um software para que os bancos e outras instituições financeiras possam oferecer mais serviços e informações de maior qualidade a seus clientes, como classificar as transações para que os clientes não tenham de fazer orçamentos à mão; reunir informações de outros bancos para que possam ter todas as suas informações financeiras em um só lugar; ou gerenciar serviços de pre-scoring, basicamente o que os bancos usam para aprovar ou negar crédito.

Como você definiria (em poucas palavras) um plano de aposentadoria? Por que é importante ter um?

Eu o definiria como um meio de investimento coletivo que visa a economizar para a aposentadoria, o que é claramente importante. Infelizmente, as mudanças na tributação desses produtos e a complexidade da proposta não ajudam. Há ainda um longo caminho a percorrer nesta área.

Você fala de quatro seguros que todos nós devemos pedir de presente. O que são e por que você os considera relevantes?

Acho que pecamos por não querer pensar em certas situações nas quais podemos nos deparar no futuro, como incapacidade para o trabalho, situações de dependência ou de grande dependência. Ninguém quer pensar que isso vai acontecer, mas a realidade é que todos nós estamos suscetíveis a isso. Contudo, se você tiver uma boa cobertura, ela poderá lhe poupar muita dor e muito sofrimento. E, é claro, pense em seus entes queridos e como eles ficariam se você não tivesse seguro de vida ou morte.

 

“A maioria vai ter de economizar de maneira ativa para a aposentadoria”

O que você diria àqueles que estão considerando comprar uma casa agora mesmo? Você acha que é um bom momento? O que todos nós deveríamos saber sobre nossa hipoteca?

Creio que não há momento melhor ou pior do que qualquer outro para comprar uma casa. O importante é deixar claro que se você der o passo é porque você pode arcar com os custos, não faça um compromisso além de suas possibilidades. Quanto à hipoteca, acho que muitos de nós não sabemos o quanto é possível economizar em juros se fizer uma amortização antecipada, especialmente no início do empréstimo, reduzindo o prazo em vez das prestações.

Você tem ressaltado ocasionalmente que uma maneira de aumentar a taxa de natalidade, a população ativa e as contribuições de uma só vez significa incentivar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Você acha que ainda há muito a fazer a esse respeito? Quais barreiras você acha que são as mais comuns?

Não é que ainda tenha coisa a fazer, mas sim muita coisa a fazer. E eu diria que a barreira mais difícil de derrubar, e aquela para a qual todos nós contribuímos de uma forma ou de outra, é a desvalorização do trabalho feito em casa e do tempo para a família. Até que este trabalho tenha o devido reconhecimento social e financeiro, as mulheres, e as mães em particular, estarão sempre em desvantagem.

Que conselho você daria às mulheres para serem cada vez mais livres e independentes?

Você não pode ser totalmente independente se não assumir o controle de suas finanças e, para isso, é preciso treinar e dedicar algum tempo e atenção. Não há outra maneira.

 

“Você não pode ser totalmente independente se não assumir o controle das suas finanças”

Como uma pessoa pode começar quando decide que quer investir ganhando um salário de um simples mortal? O que se deve fazer se, por exemplo, alguém quiser começar com uma quantia modesta, como 1.000 euros?

Não se trata tanto de saber se você tem 1.000 euros para investir, mas se você está disposto a dedicar tempo e espaço mental para se informar de maneira adequada. A maioria das pessoas falha neste aspecto tão básico. Não se deve investir ou adquirir um produto que não se conhece. Neste sentido, recomendo começar com pouco dinheiro. Um bom exemplo são os fundos de investimento indexados, que têm menos despesas associadas e não exigem muito conhecimento financeiro para entendê-los e acompanhá-los.

Nos últimos meses, você vem escrevendo muito sobre a economia em tempos de crise. O que precisamos saber sobre o coronavírus para entender como ele afetará a economia?

O importante é saber que não é uma competição entre economia e saúde. Não é possível ter economia com hospitais em colapso e os níveis de incerteza que estamos experimentando. O melhor para a economia é que a pandemia esteja sob controle. Não podemos nos iludir.

Você acha que devemos falar sobre economia básica desde a infância? Será que faríamos melhor se soubéssemos administrar nossas finanças?

A resposta curta é sim, e a resposta longa é certamente sim. Seria um grande avanço social se isso fosse ensinado nas escolas e abordado nas provas de seleção. Infelizmente, a maioria dos cidadãos seria reprovada nessa matéria (risos). Não sou eu que estou dizendo, a OCDE, por meio de uma pesquisa mundial, concluiu que nenhum país atingirá a nota mínima em conhecimento básico.

 

Em poucas palavras

Um livro para entender bem a economia: ainda não encontrei o livro perfeito, mas Economia Básica, de Thomas Sowell se aproxima bastante.

Um desejo: que estejamos todos vacinados em breve.

Um conselho que você nunca vai esquecer: é muito mais difícil ganhar um euro do que gastar um euro.

Mulher: fizemos progressos, mas ainda há muito a fazer.

Jovens: os grandes prejudicados nas duas últimas crises.

Música: It’s business time, de Flight of the Conchords. É ideal para alegrar o seu dia, nunca falha.

Trabalho: que nunca falte.

Letra miúda: espero que em breve esteja em perigo de extinção.