Madrid 1,86 EUR 0,03 (+1,75 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE| 09.04.2021

A “Light Humanity” é um projecto 100% social que tem a missão de facilitar o acesso universal à energia solar

ethic

Anoche tuve un sueño

Quando a noite cai na Amazônia, a escuridão paira sobre seus habitantes. As lâmpadas de querosene são a única fonte de luz que permite a eles ver quando o sol se põe. No entanto, sua utilização é altamente tóxica e causa doenças graves podendo levar até a morte. Essa é a razão da existência da “Light Humanity”: melhorar a vida, dar segurança e reduzir a mortalidade das famílias ribeirinhas através da energia solar.

Mais de 7.000 km nos separam de um dos lugares mais silenciosos do mundo. Quando a noite cai, a Amazônia fica na escuridão, sem acesso a uma forma de energia segura que permita aos seus habitantes ver após o entardecer. Para poder continuar vivendo com certa normalidade, os habitantes utilizam lâmpadas de querosene. Na verdade, 90% das famílias ribeirinhas dependem dessas lâmpadas tóxicas para dispor de uma fonte de luz. 

Isso significa que milhões de pessoas vivem sem acesso a eletricidade nas áreas rurais da Amazônia e, ao utilizar esse tipo de iluminação, as famílias inalam gases tóxicos da combustão do querosene, causando graves doenças respiratórias e até mesmo a morte. É por isso que nasceu a Light Humanity. 

Foi em 2018 que, em uma viagem a essa região da Amazônia, Eugenio García-Calderón percorreu diferentes locais onde, através da família de Amiraldo, ficou sabendo ao que estas famílias estavam se expondo sempre que a noite caía. Para explicar os detalhes, Eugenio é engenheiro, embora defina sua personalidade como sendo um “curioso, aventureiro e com vontade de causar um impacto positivo no mundo” em que vive. Antes da “Light Humanity”, ele viajou pela Espanha em uma bicicleta solar com o objetivo de sensibilizar o público para o acesso universal a uma forma de energia limpa e econômica. O projeto foi chamado de “Pedalada Solar”. Em seguida, deu à iniciativa uma missão clara: tornar a geração de energia solar acessível a todos os que dela necessitam. 

 

“Milhões de pessoas vivem sem acesso a eletricidade nas áreas rurais da Amazônia”

A energia solar é abundante e tem a capacidade de mudar a vida das pessoas e proteger o meio ambiente. Por meio da distribuição de sistemas solares residenciais, a equipe da “Light Humanity” é capaz de garantir o acesso à energia solar de forma permanente. Dessa forma, é possível melhorar a saúde respiratória e o acesso à educação em áreas rurais. “Sempre que encontramos famílias que dependem da utilização de querosene, ficamos com o coração apertado. Ainda mais quando são famílias com crianças em casa, e que alguns já desenvolveram doenças respiratórias devido à situação”, conta Eugenio.

O projeto nasceu em 2018 com o objetivo de combater as alterações climáticas e reduzir as desigualdades por meio da utilização da energia como vetor de transformação. Após uma viagem de exploração na região, o grupo chegou à conclusão de que tinha de mudar a maneira como as pessoas que moravam ali faziam para iluminar suas casas depois do pôr do sol. Nessa viagem, eles se certificaram de que a solução solar era válida para as famílias dependentes do querosene. Esse não foi o único objetivo.

“Nossa missão é que cada vez mais pessoas tenham a capacidade de gerar sua própria energia solar, tanto na Espanha quanto em lugares sem eletricidade, como na Amazônia”, explica Eugenio. Aliás, eles também trabalham em regiões como o Cañada Real, na Espanha, que sofre cortes de luz, e em áreas rurais muito pobres, como Madagascar.

“Sempre que encontramos famílias que dependem do uso de querosene, ficamos com o coração apertado, ainda mais quando têm crianças em casa que já desenvolveram doenças respiratórias”

A “Light Humanity” é um projeto 100% social que tem a missão de facilitar o acesso universal à energia solar. Isso é feito por meio de uma Rede de Multiplicadores de Luz, que garante o acesso a essa energia, tão necessária para viver em segurança. E a equipe pôde verificar, em primeira mão, que as condições de vida na Amazônia não são fáceis ao experimentar em primeira pessoa como é viver na escuridão completa. 

Além disso, eles oferecem financiamento para que as famílias possam pagar mensalmente o custo da energia solar, para que deixem de utilizar o querosene. Isso é possível graças à participação de cidadãos e empresas no programa “Compense a sua Pegada” e na “Loja Solar e Solidária”. Ao comprar um dos produtos da Light Humanity, o consumidor financiará a fabricação e o envio de uma lâmpada solar para uma família sem acesso a eletricidade em Madagascar ou na Amazônia.

Graças a essas compras solidárias de viajantes e pessoas conscientes em relação ao meio ambiente na Espanha, é possível financiar a fabricação e o envio desses produtos para as comunidades sem energia da África, Ásia e América Latina. Além disso, empresários locais em zonas sem energia são treinados para gerir os pontos de venda dos produtos solares. Isso permite que eles quebrem a barreira do acesso à energia solar por meio de um modelo sustentável no longo prazo, impulsionado pela economia local.

“Embora o sol brilhe para todos, não são todas as pessoas que podem ter fácil acesso à energia que ele gera”

Isso, nas palavras de García-Calderón, “dá às pessoas a oportunidade de serem produtoras de energia, não somente consumidoras, e gera uma soberania energética nunca antes vista. A parte fundamental da nossa proposta de valor é que pessoas e empresas participem de compras com impacto na nossa loja solar e também que meçam e compensem a sua própria pegada de carbono por meio do nosso programa ‘Neutralist’. Dessa forma, conseguimos o financiamento para continuar desenvolvendo produtos solares, distribuí-los em regiões sem eletricidade e dar acesso a microcréditos para as famílias que mais precisam”.

Embora o sol brilhe para todos, não são todas as pessoas que podem dispor de acesso fácil à energia que ele gera. É por isso que o sonho de Eugenio é claro: “uma energia nas mãos dos cidadãos, que seja também sustentável e acessível”. E ele está trabalhando arduamente para conseguir isso.