Madrid 1,7985 EUR -0,02 (-0,96 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SAÚDE | 01.03.2021

“A confiança na sua mente e no seu corpo é construída a cada treino”

Thumbnail user

Germán Madrazo, de 46 anos, é atleta olímpico e proprietário de uma loja especializada em corrida no Texas, EUA. Aos 43 anos ele atingiu a meta da corrida mais importante de sua vida: 15 km de esqui cross-country nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang. Apesar disso, Germán ainda tem muitos sonhos a realizar, como correr a maratona de Sables, esquiar na corrida de Vasa e correr a maratona de Boston. Entretanto, ele tem objetivos além do esporte, como inspirar outras pessoas a superar seus próprios desafios. Sua próxima aventura é fazer parte da equipe de treinadores para a campanha Quilômetros de confiança, para a qual estamos em busca de pessoas que queiram superar seus limites preparando-se para uma maratona. Germán Madrazo é um dos especialistas que vai aconselhar, treinar e orientar os participantes neste desafio.

 

O que o esporte tem a ver com confiança?

Tudo. No esporte, seu desempenho depende de você, do seu próprio esforço, de cada treino, de cada corrida. Quando você treina muito e vê resultados, aprende a confiar em si mesmo. E quando você treina mais e consegue marcas que julgava impossíveis, como uma maratona, um ironman ou Jogos Olímpicos, você aprende a acreditar nas suas possibilidades e que nada é impossível.

Poderia compartilhar com a gente alguma história de superação através do esporte?

Eu me lembro de uma mulher divorciada, abusada sexualmente e com excesso de peso. Chegou à minha loja e disse que queria comprar uns tênis, que ia começar a correr para fugir dos seus problemas. Enquanto experimentava modelos diferentes, se aproximou para ver minhas medalhas de Ironman finisher. E me disse “um dia eu gostaria de fazer isso”. Eu respondi que aqueles tênis que ela estava comprando serviam para correr o primeiro Ironman. Ela sorriu para mim e disse que, para ela, aquilo era impossível. Algumas semanas mais tarde, voltou à minha loja e pediu me que a treinasse… O resto é história. Hoje em dia, ela refez a vida, concluiu vários Ironmans.

Eu também poderia contar a minha própria história. Depois de ter sido assaltado e jogado na estrada… superei essa crise com o esporte. O esporte me devolveu a confiança. Eu me ergui e cheguei onde estou.

 

“Quando você treina muito e vê resultados, aprende a confiar em si mesmo”

Quando te disseram que o esqui de cross-country é o esporte mais cansativo, você decidiu experimentar. Por quê?

Porque ao longo da minha vida eu vi nessa dor, nessa exaustão total que você sente quando seu corpo não pode mais, um amigo que nunca falha, um mentor. Essa dor me ensinou a ser uma pessoa melhor, a ser mais forte. O desafio de aprender um esporte novo, de enfrentar a mim mesmo, meus receios, e ter que encontrar uma nova versão do meu melhor é uma oportunidade que eu não poderia deixar passar.

Você não cresce quando enfrenta algo que já conhece, e sim quando enfrenta algo novo. E eu queria conhecer esse Germán cheio de medo, mas pronto para começar do zero e enfrentar um novo desafio.

É preciso confiar no seu corpo e na sua mente para se atrever a competir. Como se constrói essa confiança até chegar aos Jogos Olímpicos?

É preciso estar disposto a fazer isso, a competir e a confiar. A confiança no seu corpo e na sua mente é construída em cada treino. Cada vez que você quebra uma marca pessoal… Essa confiança cresce um pouco todos os dias, ao seguir um bom plano de alimentação, um bom plano de treinamento, ao alcançar seus objetivos intermediários e, acima de tudo, cresce quando você se imagina cruzando a linha de chegada.

Sim, a confiança é construída com o tempo. Você precisa de alguns dias para acreditar que pode correr 5 km; alguns meses para acreditar que pode correr uma maratona; e uma vida de trabalho para acreditar que pode chegar aos Jogos Olímpicos. A pergunta é por quanto tempo está disposto a acreditar em você? Por quanto tempo está disposto a lutar e não se render?

E depois de uma derrota?

A única derrota é o caixão. As outras não são derrotas, são apenas provas de que ainda não estamos prontos para vencer. Significa que você tem que continuar treinando e tentar novamente. Só perde aquele que está pronto para dizer que essa foi sua última batalha.

Quem quer continuar a lutar, nunca perde. Porque sabe que amanhã, quando o sol nascer, a vida nos dará a oportunidade de lutar mais um dia, e mostrar que nem a vitória nem a derrota nos detêm. Porque somos guerreiros e sabemos que, no fim, o que mede a derrota ou a vitória é número de dias que saímos para lutar, sem tréguas, nem pausas. Pelo número de vezes que nos levantamos do chão, tiramos a lama da cara e decidimos seguir em frente.

 

“A confiança no seu corpo e na sua mente é construída em cada treino”

Já experimentou atletismo, tênis, ciclismo, triatlo e esqui cross-country. Aprende alguma coisa nova com cada esporte?

É claro. Aprendo que não há limites para o espírito humano. Que não há barreiras para alcançar o que sonhamos e que nunca é tarde para tentar. Aprender e treinar cada esporte me ensinou que está sempre na hora de começar um novo caminho, que tudo que fazemos tem suas dificuldades mas, com disciplina, é possível vencê-las.

De onde vem seu amor pelo esporte?

Eu adoraria saber! Talvez de uma necessidade de explorar sem limites, de procurar aquele lugar pacífico onde estou quando estou treinando. Procurar esse amigo incondicional que sempre chega com uma nova lição ou com um novo desafio. E esse amigo é a dor. No amor que você sente quando enfrenta a si mesmo, quando não há rivais além da vontade e do esforço. Quando é você contra o mundo.

Não sei dizer quem é o Germán sem o esporte. Se alguém me pedir para descrever o Germán sem poder usar as palavras: esquiar, nadar, correr, andar de bicicleta, sonhar… Seria impossível.

Que conselhos daria a alguém que acha que é “muito tarde” ou “muito difícil”?

Diria que ainda não tentou e que, se começar, vai perceber que não é muito tarde, nem muito difícil. É a luta que nos torna fortes, é sair enfrentando o que nos faz confiar que podemos conquistar. Se você estiver sentado pensando e avaliando suas opções, vai achar que tudo é difícil e que é tarde para tudo. É melhor sair correndo atrás do trem e não alcançá-lo do que ficar sentado e ter certeza de que não vai conseguir. Porque só quem sai correndo sabe que, com um pouco mais, vai alcançar o próximo com certeza.