Madrid 1,76 EUR -0,07 (-3,83 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

INOVAÇÃO| 20.08.2021

Maria Visa: “Temos que humanizar a tecnologia e as mulheres terão grande importância nisso”

Marta Villalba

Marta Villalba

María Visa (Barcelona, 1989) sempre quis ter sua própria empresa. Depois de estudar Engenharia de Desenho Industrial, que abriu as portas para muitas áreas e ajudou a desenvolver sua criatividade, e fazer dois mestrados, ela trabalhou para várias empresas do setor industrial, até que, em 2019, fundou com um sócio a Main Technical Solutions (MTSTech), empresa especializada em automatização da intralogística. Ou seja, os movimentos internos que acontecem dentro de uma fábrica, um hospital, um centro usando a robótica. 

A empresa está na vanguarda do desenvolvimento de robôs autônomos que desinfetam espaços com luz ultravioleta. Não é a única empresa dedicada à esterilização com raios UV e à produção de robôs para combater a Covid-19, mas é uma das primeiras a demonstrar a eficácia de seu sistema contra o coronavírus, com testes reais realizados em conjunto com o Hospital Clínic de Barcelona e o Centro de Pesquisa em Saúde Animal IRTA-CReSA, necessários para obter a certificação para poder operar em outros hospitais.

“Começamos um tanto por acaso. No verão de 2019, estávamos começando a desenvolver um produto robótico móvel para desinfetar salas brancas e de armazenamento para uma empresa farmacêutica quando a pandemia nos atingiu. Robôs semelhantes estão sendo usados para o mesmo fim, mas os nossos são muito mais inteligentes, e estamos bem avançados na certificação. Somos pioneiros na capacidade de fazer um teste real que demonstra a eficiência de nossa máquina em frear a Covid-19”, explica María Visa. A empresária salienta que seu sistema vai além da pandemia, pois também elimina o chamado vírus hospitalar, o que ajudaria a reduzir as 3.200 mortes por ano que ocorrem na Espanha devido a infecções hospitalares. “A barreira que impede o robô de ser ainda mais utilizado é a própria burocracia”, afirma María Visa.

Enquanto realizam a lenta tarefa de alterar os protocolos internos de desinfecção do Hospital Clínic para usar a máquina lá e em muitos outros hospitais, a engenheira continua pesquisando, por um lado para reduzir o tamanho do equipamento e, por outro, para testar se o comprimento de onda de 222 nm (nanômetros) tem a mesma potência germicida que a de 254 nm, pois esta última é prejudicial às pessoas. Assim, quando o robô está trabalhando na desinfecção, ele se certifica previamente de que não há ninguém naquele espaço. O engenheiro esclarece que sua máquina não substitui a limpeza manual: “Se a sala estiver suja, com uma camada de pó sobre a superfície a ser desinfectada, ela não será desinfectada”.

Professora da Elisava (Escola Universitária de Design e Engenharia de Barcelona), María Visa vê a necessidade urgente de aplicar a robótica para ajudar os idosos porque “nossa sociedade está ficando cada vez mais velha e tem cada vez mais necessidade de cuidados”. A especialista aponta que esta é uma das áreas que precisa receber o investimento de muitos recursos. “Na universidade, trabalhamos muito na humanização da robótica, pois ela tem que ser mais humana. Por isso, acredito que o papel da mulher será muito importante. Pois o fato de que cada vez mais engenheiras estão se dedicando à robótica ajudará muito a dar a esse toque humano no cuidado com os idosos. É aqui que enfrentamos um grande desafio. É necessário projetar soluções baseadas na empatia. As mulheres têm virtudes e defeitos como todo mundo, mas historicamente, sempre tivemos mais empatia que os outros. Se formos capazes de oferecer esta perspectiva e este valor agregado, a tecnologia será muito importante”.

Nessa linha de cuidados com a comunidade sênior, María Visa lamenta que ainda haja um longo caminho pela frente antes que se possa avançar em termos de desenvolvimentos comerciais, embora ela esteja certa de que isto vai mudar: “Ainda estamos em uma fase muito inicial. É verdade que muitos projetos de pesquisa estão sendo realizados em universidades e centros de pesquisa, mas tenho a sensação de que a maioria deles são mais teóricos do que reais. Entretanto, também acredito que isso vai mudar, porque se olharmos de um ponto de vista econômico, em breve será (isso se já não for) um setor capaz de gerar muito dinheiro para as empresas. Portanto, acredito que cada vez mais empresas investirão no desenvolvimento de novos produtos e soluções para esta faixa etária e para este setor da sociedade”. 

Sua empresa já está colaborando com isso, por meio de um projeto para automatizar a coleta e a entrega de roupas limpas em um lar de idosos na Catalunha com um robô móvel, para que a equipe possa se concentrar em tarefas que tragam mais valor para os idosos. “Faltam pessoas para dedicar seu tempo e pensar em como ajudar os lares de idosos, nas casas das pessoas que vivem sozinhas e até mesmo em planejar a mudança do modelo de comunidade a partir de certa idade. É emocionante poder pensar e ajudar as pessoas mais velhas”.

Quanto ao porquê de as mulheres serem uma minoria nas carreiras técnicas, para María Visa as principais barreiras têm sido socioculturais (“meninos brincam com carros, meninas com bonecas ou panelas”), embora ela também seja otimista, porque “isso está mudando nas novas gerações. Ainda há poucas mulheres estudando engenharia, mas o número vem aumentando cada vez mais”. A base para fomentar a vocação deve ser a educação desde a infância, ela acredita. “Temos que tentar dar mais referências às meninas e não estabelecer um caminho, mas deixar que cada uma escolha o caminho a ser seguido. E o mesmo vale para o outro lado, precisamos de mais homens também no setor de educação”. 

A cofundadora da MTSTech incentiva as meninas a estudar engenharia, pois é possível trabalhar em qualquer setor após perder o medo, pois a engenharia não precisa ser mais difícil do que qualquer outra carreira. Tudo depende da motivação de cada pessoa: “Para mim, a engenharia não era complicada, mas se eu estudasse direito, aí sim seria”.

Para ela em particular, ser uma das poucas mulheres empreendedoras no campo da robótica trouxe benefícios “em termos de mídia e de posicionamento. Como praticamente não há mulheres neste setor, isso causou uma diferenciação positiva. Às vezes, ser uma das primeiras tem suas vantagens. Se quisermos que existam referências, nós temos que ser essas referências”.