Madrid 1,76 EUR -0,07 (-3,83 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

ECONOMIA| 01.07.2021

Seis sinais para desconfiar do bitcoin e das outras criptomoedas

Thumbnail user

A primeira recomendação para quem decide investir é que nunca o faça acima do que pode perder. E que, em qualquer caso, tenha paciência, bom senso e capacitação financeira para proteger suas economias. 

Alberto Matellán, economista-chefe da MAPFRE Inversión, lançou meia dúzia de sinais para jovens e, em geral, para investidores privados sobre os riscos da aquisição de bitcoins ou de outras criptomoedas. “Os acontecimentos recentes mostraram que se trata mais de uma aposta do que de um investimento”, resumiu. “Muitos dos aumentos relacionados ao bitcoin e às outras criptomoedas correspondem ao padrão de bolha”. “Comprar bitcoin e outras criptomoedas parece mais uma aposta do que um investimento”

 

1. Padrão de bolha

Matellán explicou que há muitas maneiras de definir uma bolha. “Para mim, é o preço de um ativo que só aumenta pela expectativa de que valha mais. E muitos dos aumentos que o bitcoin e as outras criptomoedas sofreram em sua história recente respondem a esse padrão. Por isso, como não há demanda por motivos mais sólidos, as criptomoedas também sofrem quedas vertiginosas, como as vividas nas semanas após o alerta, agora do Banco Central do Japão, sobre sua extrema volatilidade e caráter especulativo. 

2. Em busca de expectativas

Outro motivo pelo qual o investimento nelas é desaconselhado é que esses movimentos não se devem a causas estritamente econômicas, “mas sim a comentários, boatos; em geral, a ‘elementos extrínsecos'”. Segundo Matellán, ao final, os mesmos podem se resumir na expectativa de quão publicamente aceito será o bitcoin ou a moeda em questão. Mas, alertou ele, “isso se resume a uma manipulação crua, já que não há autoridade monetária ou fiscal para oferecer o devido suporte”.

3. Refúgio da moda/”refúgio COVID” 

Nos últimos tempos, a debandada se espalhou e até mesmo Elon Musk, inicialmente um defensor das criptomoedas, as descartou como meio de pagamento pelo seu famoso Tesla. No dia do anúncio, as criptomoedas desvalorizaram mais de 15%. O Banco Popular da China, o BCE (Banco Central Europeu), o FED (Federal Reserve) e agora o governador do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, insistem, com mais ou menos insistência, que se trata de uma bolha. Um refúgio da moda que se tornou ainda mais cobiçado com o surgimento do coronavírus, mas que não poderia ser bem-sucedido, conforme verificou-se através da crítica de Buffet no passado: as criptomoedas são arriscadas e sem valor. A JPMorgan chegou a alertar que a correção no preço do bitcoin pode causar cenários dramáticos.

4. Pressa, uma má conselheira

Ninguém sabe que as criptomoedas têm sido especialmente atraentes para os jovens, pouco inclinados a investir em ouro, muitas vezes novos no intrincado mundo dos investimentos e, talvez, mais atento aos alarmismos aumentados pelas mídias. De acordo com um estudo recente das Investment Forces da Charles Schwab UK, a faixa etária de 18 a 37 anos tem hoje mais probabilidade de investir em criptomoedas do que em ações. Estão com pressa: segundo o mesmo relatório, oito de cada dez jovens investidores afirmam que a situação econômica dificultou a obtenção de bons rendimentos. Eles não são os únicos que veem as coisas dessa forma, já que empresas ao redor do mundo adicionaram bitcoin a seus balanços.

5. Falta de educação financeira 

O que também mostra o citado relatório da Schwab, Matellán alerta, não é que os jovens tenham preferência por investir em criptomoedas, mas que “não sabem o que é investir, porque ninguém os ensinou a fazer isso”. O melhor antídoto para as bolhas, os esquemas Ponzi, uma forma de golpe que atrai investidores e paga lucros a antigos investidores com fundos de investidores mais recentes, e outras armadilhas para os incautos é a capacitação financeira, precedida pelo bom senso. “E o bom senso muitas vezes anda de mãos dadas com maturidade pessoal”, enfatizou.

6. Não agrada às autoridades

Na opinião do economista-chefe da MAPFRE Inversión, esse elemento pode dar ao bitcoin e a outras criptomoedas “uma aura de rebelião” que os torna atraentes para os jovens, mas a verdade é que as autoridades estão vetando seu uso. Por exemplo, a China está recentemente tomando medidas contra centros de mineração. Ao mesmo tempo, as criptomoedas não permitem o alívio da dívida ou pagam impostos em nenhum país desenvolvido, portanto, não podem ser consideradas um ativo como tal.

Futuro do dinheiro digital

Matellán insiste que isso não significa que o dinheiro digital não possa ter um futuro. “Na verdade, é muito provável que em alguns anos estaremos lidando com o dinheiro digital paralelamente ao dinheiro tradicional; mas isso será muito diferente de uma criptomoeda, principalmente porque entendo que a primeira tem o respaldo de alguma autoridade ou regulador, enquanto a segunda depende apenas da confiança dos usuários. “O argumento de que um Banco Central é capaz de emitir muito e que as criptomoedas são limitadas também não é válido, porque outras criptomoedas concorrentes poderão ser criadas”, alertou.