Madrid 1,7785 EUR -0,02 (-0,89 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

ECONOMIA| 21.01.2021

A Administração Biden: Recuperação, Agenda Global e Multilateralismo

Thumbnail user

O recente relatório: Panorama da MAPFRE Economics destaca que a esperada recuperação da economia se dará em um novo contexto caracterizado por profundas mudanças entre seus protagonistas. À frente da primeira potência, os Estados Unidos, Joe Biden assume o poder e deve reverter grande parte das políticas de seu antecessor, Donal Trump. 

Segundo o relatório do serviço de pesquisa da MAPFRE, “é previsível que a nova administração dos Estados Unidos se concentre em uma maior progressividade fiscal, um ambicioso programa de investimentos em infraestrutura e educação, o retorno ao Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, reativação de um programa de saúde semelhante ao Affordable Care Act, um retorno ao multilateralismo com os compromissos abandonados por Trump e uma narrativa diferente na forma, mas com conteúdo semelhante, no que diz respeito à China”.

Um retorno à abordagem comprometida com a agenda global e o multilateralismo, mais urgente do que nunca após as semanas de espanto global que levaram ao assalto ao Capitólio nos primeiros dias do ano, tentando impedir a substituição presidencial.

Um poder que caminha para a frente

No cenário central do relatório, o mundo emerge da recessão no final do primeiro semestre de 2021, partindo do pressuposto de que os surtos do coronavírus estão controlados e não são necessárias mais restrições. Na liderança, os Estados Unidos, com previsível recuperação dos seus níveis de PIB em 2019 no final do ano -considerando o cenário de base-, “graças a importantes transferências públicas que até agora têm representado mais de 15% do PIB, à diversificação da sua economia e uma maior frouxidão na imposição de medidas em relação ao Governo anterior.

O crescimento econômico estimado para os EUA em 2021 ficaria, assim, entre 3,9% (cenário base) e -0,2% (cenário estressado), após uma queda do PIB em 2020 próxima a -3,5%.

O relatório inclui um capítulo específico sobre política monetária, especificando que o Federal Reserve (Fed) dê as boas-vindas a maiores estímulos fiscais diretos, que se compromete a acompanhar com acomodação monetária suficiente e sem qualquer limite óbvio. A eleição de Janet Yellen como próxima Secretária do Tesouro confirma essa atitude.

Riscos, só que menores

Sob essa reconfiguração da governança na primeira economia mundial, a análise conclui que “certos riscos relacionados à política externa são reduzidos, pois se espera uma abordagem mais transparente, multilateral e serena”. No entanto, como a MAPFRE Economics antecipou em seus estudos, persistem tensões geopolíticas herdadas, como a tensão comercial com a China – em linha contínua, embora menos volátil. No horizonte nacional, são esperadas disputas sobre grandes questões como mudanças climáticas, imigração, sistema de saúde e políticas fiscais.

No que diz respeito à relação entre os EUA e a União Europeia (UE), prevê-se uma modulação da relação, “mas não alterará o estatuto recentemente adquirido de rival estratégico tecnológico, geopolítico e comercial”.